Jovem detido por atacar PSP à pedra...

Vídeo mostra violência no Seixal. Polícia adianta que foi chamada ao local por haver "uma desordem". vídeo de::::> Eurica Baixinha Boa Mort...

Carlos Guedes abandona o BE de Alma...

Almada, 19 de Janeiro 2019 "Sou, a partir de hoje, deputado independente na Assembleia Municipal de Almada e desvinculo-me do Bloco de Esquerda." ...

Enfermeiros do centros de saúde de ...

18/01/2019 Os enfermeiros estão a lutar pelo direito às 35 horas de trabalho. Os enfermeiros dos centros de saúde de Almada e Seixal, no dis...

Presidentes de Juntas CDU não compa...

18 de Janeiro 2019 Presidentes de Juntas Laranjeiro, Caparica e Almada não estiveram presentes nas respectivas inaugurações Inês de Medeiro...

Jovem detido por atacar PSP à pedrada no Bairro do Jamaica

Vídeo mostra violência no Seixal. Polícia adianta que foi chamada ao local por haver “uma desordem”.

vídeo de::::> Eurica Baixinha Boa Morte

Uma intervenção da PSP no bairro do Jamaica, no Seixal, na manhã deste domingo, obrigou ao uso da força por parte das autoridades. De acordo com moradores na zona, que filmaram a situação, três pessoas da mesma família foram agredidas à bastonada durante essa intervenção, no final de uma festa, que terminou já de manhã. A PSP adianta que foi chamada ao local por haver “uma desordem” que envolvia indivíduos do sexo feminino e ao chegar “os elementos policiais foram recebidos à pedrada”. Um agente da PSP foi atingido na boca e necessitou de tratamento hospitalar. “Um agente ficou ferido e em sequência houve uma intervenção na qual foi usada a força necessária para parar o ataque”. O jovem que arremessou a pedra, de 31 anos, foi detido. Fonte oficial da PSP adianta ainda que “o vídeo posto a circular na Internet apenas mostra parte do que aconteceu”. “Não filmaram os momentos anteriores à intervenção policial, que demonstram a forma como os elementos policiais foram recebidos e atacados”, acrescenta-se. “A PSP exerceu a sua autoridade e agiu em legítima defesa para manter a detenção e defender-se dos ataques violentos”, adiantou.

Ler mais em: Correio da Manhã

Carlos Guedes abandona o BE de Almada

Almada, 19 de Janeiro 2019

“Sou, a partir de hoje, deputado independente na Assembleia Municipal de Almada e desvinculo-me do Bloco de Esquerda.”


” Depois de, nas eleições de Outubro de 2017, ter aceitado encabeçar aquela que viria a ser a lista do Bloco de Esquerda que alcançou o melhor resultado de sempre, em Almada, com 7.330 votos, correspondentes a 11,03%, vi ser-me retirada a confiança política por um Plenário de Aderentes de Almada do Bloco de Esquerda, realizado em Dezembro de 2018. Um Plenário que foi irregularmente convocado e que não tinha na sua Ordem de Trabalhos qualquer ponto referente à discussão deste assunto. Um Plenário em que 20 pessoas decidiram, de braço no ar, por esta solução.

É importante que se perceba que este Plenário foi o culminar de uma sucessão de situações irregulares, algumas mesmo ilegais, que começaram quando a actual Vereadora do Bloco de Esquerda na Câmara Municipal de Almada, Joana Mortágua, decidiu, sozinha e sem qualquer decisão da Comissão Coordenadora Concelhia de Almada do Bloco de Esquerda que o sustentasse, votar contra as Opções do Plano e Orçamento para 2019 da Câmara Municipal e Almada.

De então para cá apresentei, em vários momentos, recursos e pedidos de tomada de posição quer à Comissão de Direitos, quer à Comissão Política do Bloco de Esquerda. Ambos os órgãos escusaram-se, sempre, a tomar qualquer posição. Quer quanto às questões formais de desrespeito pelas regras democráticas e pelos Estatutos do partido, quer quanto às questões políticas que lhe estão subjacentes.

Não tenho qualquer problema em relação ao Bloco de Esquerda. Há dez anos que decidi entrar. Decido, agora e face à situação que foi criada, sair pois percebo que a sucessão de disparates e de irregularidades não iria terminar por aqui e os órgãos internos, recentemente eleitos, já demonstraram uma completa incapacidade para intervir nesta situação.

O Bloco de Esquerda, em Almada e, por que não dizê-lo, em todo o distrito de Setúbal, está refém dum projecto unipessoal, dirigido e controlado por uma pessoa que, para além de lidar mal com quem não está disposto a servir os seus propósitos, lida ainda pior com quem a afronta ou ousa discordar das suas posições. Para além deste projecto individual, não existe, em Almada, uma linha política clara. De nada serve engrossar a voz em tempos de campanha eleitoral para, nos quatro anos em que dura o mandato, se verificar uma total desorientação no trabalho feito e uma subjugação a interesses que nada têm a ver com o Programa pelo qual nos candidatámos e que devemos, acima de tudo, defender. Há uma clara subserviência do Bloco de Esquerda às posições do PCP. Subserviência que uma ou outra posições não desmentem nem, tão pouco, mascaram. As recentes votações nos Orçamentos das Juntas de Freguesia que, no concelho de Almada, são governadas pela CDU, bem como a abstenção nas Opções do Plano e Orçamento da Câmara Municipal do Seixal são, disso mesmo, uma clara evidência.

O Bloco de Esquerda cresceu muito nas últimas eleições autárquicas em Almada. Aumentou o número de eleitos nos órgãos. Elegeu, pela segunda vez, uma vereadora. Elegeu um grupo municipal que, pela primeira vez, contava com quatro elementos. Elegeu, pela primeira vez, representantes em todas as Assembleias de Freguesia do concelho. Mas esse crescimento não foi acompanhado por um crescimento orgânico. Há, mesmo, uma estagnação que só se explica pela incapacidade de integrar novos militantes. O núcleo activo do Bloco de Esquerda, em Almada, está reduzido a duas cliques que se digladiam entre si mas que, no essencial, agem da mesma forma. Um núcleo cada vez mais reduzido e, cada vez mais, formado apenas por quem segue a cartilha imposta pela Joana Mortágua.

Pessoalmente, poderia optar por não me desvincular, imediatamente do Bloco de Esquerda. À luz do que aqui já expus, da incapacidade dos órgãos internos, que deviam assegurar os direitos de quem decide aderir ao Bloco de Esquerda, permanecer seria um erro que seria, uma vez mais, aproveitado por quem está mais interessado em tratar da sua vida do que na defesa daqueles e daquelas que, com o seu voto, nos fizeram ser eleitos.

Não renuncio ao mandato de deputado na Assembleia Municipal de Almada. O meu mandato será cumprido, respeitando o Programa Eleitoral que serviu de base à candidatura que aceitei encabeçar. Não reconheço qualquer legitimidade às posições assumidas por um reduzidíssimo número de aderentes, mais ainda quando estas posições estão feridas de legalidade democrática e eu nada fiz que as justificasse.

Esta é uma decisão ponderada e muito difícil, mas perante a incapacidade demonstrada pela Comissão de Direitos e pela Comissão Política do Bloco de Esquerda para, sequer, se pronunciarem sobre as ilegalidades cometidas ao longo dos últimos dois meses, é a única solução possível.

Foram dez anos de militância activa e muito empenhada. Ficam as amizades, as memórias e um enorme orgulho por ter feito parte de muitos momentos marcantes. A vida continuará. As lutas também.

Nota final: no decurso destes dois meses, e até hoje, nunca, em momento algum, foi dada uma explicação aos aderentes do Bloco de Esquerda em Almada. Nem aos eleitores.”

Carlos Guedes

Enfermeiros do centros de saúde de Almada e Seixal interrompem greve devido à gripe

18/01/2019

Os enfermeiros estão a lutar pelo direito às 35 horas de trabalho.

Os enfermeiros dos centros de saúde de Almada e Seixal, no distrito de Setúbal, vão manter a greve ao fim de semana, no atendimento complementar, mas decidiram esta sexta-feira abrir uma exceção para o “período da gripe”, informou fonte sindical. “Atendendo a tudo o que se passa neste momento com as questões da gripe, aos apelos que a população tem feito e à falta que os enfermeiros fazem neste tipo de atendimento, os enfermeiros farão uma exceção ao fim de semana e irão garantir este atendimento, mas exclusivamente no período da gripe, das 17h00 às 22h00”, explicou à Lusa a dirigente nacional do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP). Zoraima Cruz Prado falava após um plenário com os profissionais de saúde, onde houve uma votação e foi decidido que a greve aos fins de semana e feriados não afetaria o Plano de Contingência da Gripe. Apesar desta exceção, a dirigente sindical referiu que a greve no atendimento complementar se mantém, porque “não foram atendidas as reivindicações dos enfermeiros”, e que a paralisação “não tem data para terminar”. Os enfermeiros do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Almada e Seixal encontram-se em greve desde 1 de dezembro devido à “atitude inflexível” da direção executiva, que determinou que o atendimento complementar aos fins de semana e feriados fosse “prestado no horário normal de trabalho”. Os enfermeiros estão, assim, a lutar pelo direito às 35 horas de trabalho e para que o atendimento complementar passe a ser considerado “horas extra”, como acontece com os restantes grupos profissionais.

Ler mais em: Correio da Manhã

Presidentes de Juntas CDU não compareceram na inauguração dos Espaço Cidadão em Almada

18 de Janeiro 2019

Presidentes de Juntas Laranjeiro, Caparica e Almada não estiveram presentes nas respectivas inaugurações

Inês de Medeiros


“Hoje inauguramos cinco “Espaços Cidadão”
Estes espaços abrem ao público no de 21 de janeiro em Almada (junto à Oficina de Cultura), na Caparica (na Biblioteca Municipal Maria Lamas), na Costa da Caparica (na Praça da Liberdade), no Feijó (Mercado Municipal) e na Sobreda (Solar dos Zagallos).
Vão estar disponíveis mais de 70 serviços da Administração Central, Câmara Municipal e SMAS.”

veja mais em ::::>www.m-almada.pt/

Feijó

Costa da Caparica


“Foi inaugurado hoje o espaço do cidadão na Costa de Caparica , nesta inauguração estiveram presentes a sr Ministra da Presidência e o secretário do estado da modernização administrativa , para alem da sra Presidente da Câmara Municipal de Almada.
Este espaço abre ao público dia 21/1/2019 fica situado na av da República,18”

Almada, Feijó, Caparica e Sobreda

União de Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda
“No dia 18 de Dezembro foram inaugurados os 5 espaços de Cidadão, o do Feijó (Mercado Municipal), o da Sobreda (Solar dos Zagallos, o da Caparica (Biblioteca Municipal), o da Costa da Caparica (Av. da República nº18) e o de Almada, ao lado da Oficina da Cultura.

“A CDU de Almada tem o chavão ” força que se projecta no futuro” quem pode acreditar nestas palavras vazias de conteúdo ..quando não responde a chamada nas inaugurações dos Espaços de Cidadão no Laranjeiro, Caparica e Almada ..onde não estiveram presentes os seus Presidentes de Junta eleitos por essa força política .
A isto considera se um desrespeito para com as populações locais ..ou será que ainda continuam aziados passado mais de um ano das eleições ?
A CMA …está a cumprir com as suas promessas concretizando mais serviços locais para toda a população do concelho.”
Pedro Lucas

Aeroporto divide autarcas do Montijo e da Moita

10/01/2019

Montijo fala em aumento do turismo fluvial. Moita anuncia poluição sonora

Foto: Dinheiro Vivo


Um dia depois de o Governo ter assinado o protocolo com a ANA para a construção do novo aeroporto, o primeiro-ministro garantiu que este só será construído se o estudo ambiental assim permitir. A entrada em funcionamento do novo aeroporto no Montijo, prevista para 2022, vai permitir praticamente duplicar o número de passageiros atuais, ou seja, cerca de 50 milhões por ano. Mas a transformação da Base Aérea nº 6 não vai só aumentar o número de aviões: vai também fazer disparar o emprego na região de Setúbal, com a criação de 10 mil postos de trabalho. O presidente da Câmara do Montijo, Nuno Canta, disse que o novo aeroporto vai provocar um aumento de turismo fluvial no estuário do Tejo. Contra a opção do Governo está o presidente da Câmara da Moita, um município que deverá ser bastante afetado pela eventual instalação do aeroporto.

“O novo aeroporto vai proporcionar o aumento do turismo fluvial no estuário do Tejo, que hoje tem poucos ou nenhuns barcos. Será um ponto essencial de ligação turística a esta região”, afirmou o autarca no Montijo, na cerimónia de assinatura do acordo de financiamento de expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa.
Num vídeo exibido após o discurso de Nuno Canta, podia ver-se que a ligação fluvial entre o Cais do Seixalinho, no Montijo, e Lisboa terá uma deslocação de cerca de 25 minutos, enquanto por rodovia demora à volta de 30 minutos.
Para o autarca do Montijo, este é um “dia histórico” para a cidade, para Lisboa e Portugal, por marcar “o início de um novo ciclo de investimento, desenvolvimento e criação de emprego para as pessoas”.
“É o resultado da vontade firme do Governo, das Forças Armadas, municípios e principalmente da ANA – Aeroportos de Portugal”, afirmou.
Nuno Canta espera ainda que acordo assinado esta semana seja “a forma de concretizar o novo aeroporto do Montijo”.
O acordo de financiamento do novo aeroporto e de alterações na actual infraestrutura Humberto Delgado, em Lisboa, foi assinado esta terça-feira entre a ANA – Aeroportos de Portugal e o Estado, na base aérea da Força Aérea do Montijo, que em 2022 deverá estar pronta para o uso civil.
Marcaram presença o primeiro-ministro, António Costa, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, o responsável máximo da Vinci, Xavier Huillard, e o presidente da Vinci Aeroportos, Nicolas Notebaert.

Moita não quer aeroporto no Montijo
Contra a opção do Governo está o presidente da Câmara da Moita, um município que deverá ser bastante afetado pela eventual instalação do aeroporto no Montijo. Rui Garcia critica a escolha do Governo e afirma estar “solidário com `Plataforma Cívica Aeroporto BA6-Montijo Não”.
“Temos a convicção de que estamos do lado certo e de que ainda é possível reverter esta decisão do Governo, que foi tomada antes de se realizarem os estudos necessários. É difícil compreender porque é que o Governo tem esta fixação nesta solução, quando, cremos, cada vez fica mais claro que se trata de uma solução que não dá uma resposta adequada aos problemas do país, à necessidade de expansão da atividade aeroportuária e que tem impactos graves sobre importantes grupos populacionais e impactos ambientais significativos”, disse Rui Garcia, que também integra a plataforma cívica contra o futuro aeroporto do Montijo.
“O concelho da Moita tem o seu principal núcleo populacional debaixo do cone de aterragem do futuro aeroporto, caso venha a ser instalado na Base Aérea do Montijo. Estimamos que sejam pelo menos 30 mil pessoas naquela zona mais afetada, sendo que os concelhos do Barreiro, do Montijo e de Alcochete também deverão ser afetados, embora de forma menos intensa”, acrescentou Rui Garcia.
Para o presidente da Câmara da Moita, “não é compreensível a opção do Governo de querer instalar um aeroporto civil na Base Aérea do Montijo”, que está “junto ao estuário do Tejo, rodeada de populações, vilas e cidades consolidadas”.
O grupo cívico Aeroporto BA6-Montijo Não! entregou ao Governo um documento a defender a opção do campo de tiro de Alcochete.

Aeroporto “não se fará se estudo ambiental não o permitir
“Quanto ao Montijo, ainda não estão concluídos os estudos ambientais exigidos, pelo que não há ainda uma data prevista para o início das obras. Mas, na prática, se não se registarem impedimentos legais, o novo aeroporto deverá estar concluído dentro de três anos, prevendo-se que venha a acolher sete milhões de passageiros no primeiro ano.
Conjugadas, as duas infraestruturas vão permitir quase duplicar a capacidade de movimentação de aeronaves, de 38 para 72 movimentos por hora.
O primeiro-ministro, António Costa, garantiu esta quarta-feira que o novo aeroporto previsto para o Montijo “não se fará se o estudo de impacto ambiental não o permitir fazer”.
“A questão do aeroporto… não se fará se o estudo de impacto ambiental não o permitir fazer”, afirmou o chefe do executivo, em declarações aos jornalistas durante uma viagem de metro em Lisboa, um dia após a assinatura do acordo entre o Estado e a ANA – Aeroportos de Portugal, prevendo um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028.
“O estudo (de impacto ambiental sobre o novo aeroporto no Montijo) pode dizer várias coisas. Pode dizer que sim, sob certas condições, e a ANA assegura desde já o compromisso de fazer a obra de acordo com as condições que vierem a ser definidas. Pode dizer sim sem qualquer restrição ou pode dizer não. Não é provável que o diga relativamente a uma infraestrutura que já hoje é um aeroporto (base da Força Aérea)”, argumentou.
O primeiro-ministro referiu que a eventual avaliação ambiental negativa da obra é um “enorme problema para a região de Lisboa” porque o “plano B” – construção de um “aeroporto de raiz e único” em Alcochete -, defendida pelo chefe de Governo “há 10 anos atrás”, demoraria “10 a 15 anos” a ser levada a cabo em vez dos três anos previstos para a “solução Portela+1”, ou seja, a nova estrutura no Montijo, “que resolverá o problema para muitas décadas”.

Agência de Notícias
Leia outras notícias do dia em
www.adn-agenciadenoticias.com

ANA Aeroportos de Portugal

No dia 8 de janeiro de 2019 foi assinado o acordo de financiamento da expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa. O evento teve lugar na Base Aérea nº 6 do Montijo, a localização proposta para o desenvolvimento de um aeroporto que funcionará de forma integrada com o Aeroporto Humberto Delgado. Lisboa passará a beneficiar de um modelo dual que combina a operação de hub do Aeroporto de lisboa com uma operação ponto a ponto no Aeroporto no Montijo. On January 8, 2019, an agreement was signed for financing the expansion of Lisbon’s airport capacity. The event was held at Montijo Air Base number 6, the proposed location for the development of an airport that will offer an integrated solution with Humberto Delgado Airport. Lisbon will benefit from a dual model that combines the current hub operation in Lisbon airport with a point-to-point operation at the Airport in Montijo.

www.ana.pt

Na Margem: uma história do rock no Museu da Cidade

A partir de 12 de janeiro, 21h, no Museu da Cidade

Deixamos-lhe uma pequena pista do que vai poder ver nesta exposição

Neste vídeo (por ordem de imagens):

– Hugo Gomes «Osga»
– Zé Nabo
– António Manuel Riberio
– Carlão
– Carlos Santiago «Kronos»
– Zubi Fernandes
– Tim
– João Miguel Fonseca
– Miguel Paulitos

veja mais em :::> CM Almada

Cantou-se as Janeiras na Sobreda

“Cantar as Janeiras 2019, Solar dos Zagallos. Tradição que, esta, continua.
Com a participação de dezenas de dezenas de grupos, a quem saudamos.
E a organização de uma excelente e experiente equipa municipal, que aplaudimos.
Bom Ano para todos.”
#CantarasJaneiras #SolardosZagallos

António Matos

Vídeo e fotos de António Matos

João Couvaneiro


“Em Almada temos tudo!
Noite no Solar dos Zagallos a ouvir mais de 30 grupos a cantar as Janeiras.”


Fotos e vídeo de : João Couvaneiro

Setúbal – Bloco de Esquerda considera acordo entre o Governo e a ANA Ação de pressão inaceitável visando validação da opção aeroporto do Montijo.

05/01/2019

. Qualquer decisão de localização de um novo aeroporto civil obriga a uma Avaliação Ambiental Estratégica

O Bloco de Esquerda não pode deixar de manifestar a sua perplexidade pela anunciada decisão por parte do Governo de assinar um acordo que deverá detalhar diversas questões financeiras que suportam a construção de um novo aeroporto no Montijo, dando todos os indícios de uma decisão fechada e irreversível, de uma solução alinhada com a política do facto consumado e da “irreversibilidade”

Assinatura do acordo entre o Governo e a ANA — Aeroportos de Portugal, com vista à construção do novo aeroporto no Montijo.

Foi anunciado o agendamento da assinatura do acordo entre o Governo e a ANA — Aeroportos de Portugal, com vista à construção do novo aeroporto no Montijo, para a próxima terça-feira, dia 8 de janeiro.
O Bloco de Esquerda não pode deixar de manifestar a sua perplexidade pela anunciada decisão por parte do Governo de assinar um acordo que deverá detalhar diversas questões financeiras que suportam a construção de um novo aeroporto no Montijo, dando todos os indícios de uma decisão fechada e irreversível, de uma solução alinhada com a política do facto consumado e da “irreversibilidade”

Qualquer decisão de localização de um novo aeroporto civil obriga a uma Avaliação Ambiental Estratégica (AAE). E, mesmo que tal AAE possa ser discutível, pelo menos sem que, pelo menos, o Estudo de Impacte Ambiental (EIA) esteja concluído, nada justifica que o Governo se precipite na tomada de uma decisão cujo alcance se reveste de uma tão grande relevância estratégica.
Recorde-se, a propósito, que o primeiro Estudo de Impacto Ambiental, elaborado pela ANA/VINCI sobre esta matéria foi rejeitado em julho do ano passado pela própria Agencia Portuguesa do Ambiente (APA).

Face ao exposto o grupo parlamentar do Bloco de Esquerda requereu, com caráter de urgência, a audição dos responsáveis políticos do governo diretamente envolvidos nesta decisão – Ministro do Ambiente e da Transição Energética e Ministro do Planeamento e das Infraestruturas – e ainda algumas associações ambientalistas que se têm pronunciado sobre a hipotética construção do Aeroporto do Montijo, nomeadamente a Zero e a Quercus.

A tomada de uma decisão por parte do governo, cujo alcance se reveste de uma tão grande relevância estratégica, não pode, no entender do BE, ser uma solução alinhada com a política do facto consumado e da “irreversibilidade”, que na sequência de algumas declarações por parte do próprio primeiro-ministro, relevam ao mesmo tempo, uma ação de pressão inaceitável sobre a APA, visando a validação da opção pelo aeroporto do Montijo.
A população do distrito de Setúbal, merece mais respeito.

A Coordenadora Distrital de Setúbal do Bloco de Esquerda


Veja mais em ::::> ROSTOS

Montijo: Jerónimo diz que Governo quer “apeadeiro” e “aeroportozinho”

05-01-2019 – Lusa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, acusou hoje o Governo de pretender “um apeadeiro” e um “aeroportozinho” no Montijo para “beneficiar um grande grupo económico”, considerando que, “nesta pressa” e “correria, até as questões ambientais vão”.

“Aquilo não vai ser um aeroporto, vai ser um apeadeiro para beneficiar um grande grupo económico, a Vinci francesa, em que fazem um aeroportozinho”, quando o que o país precisa é de “um aeroporto maior, numa perspetiva de desenvolvimento económico”, afirmou Jerónimo de Sousa.

No seu discurso num almoço convívio em Vidigueira (Beja) com militantes e apoiantes do PCP, o secretário-geral comunista criticou o Governo por ter privatizado a ANA — Aeroportos de Portugal: “Entregaram durante 50 anos a concessão a essa multinacional”, a Vinci, que ficou dona “dessa gestão de todos os aeroportos do país” e “fazem um aeroportozinho ali no Montijo”.

Segundo Jerónimo de Sousa, “agora, vem o Governo dizer, bom, não estudámos bem os impactos ambientais” e, apesar de “o problema” até não ser “esse, naturalmente, nesta pressa, nesta correria, até as questões ambientais vão”.

“O problema de fundo” é que “daqui a alguns anos, e oxalá estejamos cá, vamos descobrir que, afinal, aquele aeroporto não serve o país como infraestrutura fundamental”, argumentou.

O que o país precisa, insistiu Jerónimo de Sousa, é de “um grande aeroporto e não de um pequeno apeadeiro, como Governo pretende fazer para beneficiar a multinacional francesa”.

O Estado português e a ANA – Aeroportos de Portugal vão assinar, na terça-feira, um acordo sobre o modelo de financiamento para a construção do novo aeroporto no Montijo e o reforço da capacidade do atual aeroporto Humberto Delgado, em Lisboa, revelou fonte da gestora de aeroportos.

O presidente da Câmara do Montijo já disse, na quinta-feira, que o estudo de impacto ambiental sobre a construção do novo aeroporto será entregue no primeiro trimestre de 2019, não estando em condições de ser divulgado na terça-feira, dia da assinatura deste acordo.

Na sexta-feira, o ministro do Planeamento e das Infraestruturas assegurou que serão cumpridas integralmente as eventuais medidas de mitigação que venham a ser definidas pelo estudo de impacto ambiental para o aeroporto complementar do Montijo.

“Está absolutamente fora de questão que alguém esteja a pensar fazer um aeroporto sem cumprir todas as medidas de declaração de impacto ambiental. Mas, como imaginam, não se poderia realizar um aeroporto sem definir que aeroporto se ia fazer e como é que ele ia ser pago”, afirmou Pedro Marques aos jornalistas, em Mangualde.

A cerimónia decorrerá às 15:00, na base da Força Aérea no Montijo, com a presença do primeiro-ministro, António Costa, do ministro do Planeamento e das Infraestruturas, Pedro Marques, do ‘chairman’ (presidente do Conselho de Administração) e presidente executivo (CEO) da Vinci, Xavier Huillard, e do presidente da Vinci Airports, Nicolas Notebaert.

RRL (JF/AMF) // CSJ

Lusa/Fim

Veja mais em ::::> POLÍTICA AO MINUTO

PCP faz contra-ataque a PS de Almada

5 DE jANEIRO 2019

Campanha contra “geringonça” de direita. Comunistas não perdoam perda de um dos seus bastiões e dizem que Inês de Medeiros “não está preparada”

Foto : José Fernandes

In Expresso – Rosa Pedroso Limada

Os cartazes estão nas ruas de Almada e deixam clara a mensagem que a CDU quer passar:
“Um ano de retrocesso. Com o PS o concelho de Almada perde!”.
Joaquim Judas, o ex-presidente da Câmara de uma das históricas autarquias que o PCP perdeu nas últimas eleições para as mãos dos socialistas, não poupa na sua sucessora.
Inês de Medeiros “não está preparada” e, pior ainda, depois de um ano à frente dos destinos da autarquia “não tem condições para compreender o que se está a passar”, afirma.
“A tensão política cresceu”, afirma o ex-autarca comunista.
Uma afirmação que, na verdade, só fica a pecar por defeito.
Basta analisar o conjunto de cartazes, panfletos e posts na página do Facebook produzidos pela delegação concelhia para perceber que o clima é de guerra aberta.
“O IMI já podia ter baixado para 0,34%, diz um dos cartazes.
Outro contraria a devolução de 0,5% do IRS de 2019, por apenas beneficiar “poucos” e ser, por isso, “o Robin dos Bosques ao contrário”.
Há ainda críticas às falhas na recolha do lixo, ao apoio à cultura e às artes e até no desenvolvimento em projectos das escolas do concelho.
“O Carnaval das escolas, a semana verde ou as marchas populares das crianças foram vítimas de uma visão elitista e arrogante que levou, em última análise, à sua não realização”, aponta a CDU de Almada.
Os comunistas, que desde a revolução democrática lideraram a autarquia de Almada, viram, no ano passado, a Câmara cair para as mãos do PS por escassos 413 votos de diferença.
Ainda por cima, a vitória da noite eleitoral foi para uma estreante absoluta das lides camarárias, Inês de Medeiros, que conseguiu um acordo com o PSD para viabilizar a gestão de Almada.
Os quatro mandatos de vereação obtidos pela CDU (tantos quantos os obtidos pelo PS) condenaram-nos, assim, a um inesperado estatuto de oposição.
Nas hostes comunistas a hora chegou para passar ao ataque.

Lamentar “profundamente”

Se a “geringonça” nacional funciona, em Almada o cenário é bem diferente.
Joaquim Judas deixou a cadeira de presidente para um lugar não executivo no governo camarário e assume as críticas diretas à nova autarca.
“O PS fez uma política de terra queimada, lançando suspeição infundadas sobre a gestão anterior e afastando quadros camarários com provas dadas”, diz ao EXPRESSO.
Para ele, o “afastamento de todos os directores municipais” tratou-se de um “saneamento inaceitável”, baseado “na suspeita de que seriam correias de transmissão da CDU”.
“Os dirigentes foram todos sujeitos a concurso”, alega Joaquim Judas.

Cartazes, sessões de esclarecimento e acções de rua. O PCP quer recuperar Almada e já começou a fazer campanha

“Lamentamos profundamente”, diz, desafiando Inês de Medeiros a cumprir a “obrigação de comunicar à vereação os resultados da auditoria instaurada à gestão camarária”.
O executivo socialista abriu um inquérito ao trabalho realizado pelos antecessores.
Joaquim Judas garante que havia “uma auditoria da Inspeção-Geral de Finanças que estava a decorrer no mandato da CDU” que já terá sido apresentada à presidente da Câmara.
“Esperemos que cumpra o seu dever de informação”.
A troca de críticas tem um objectivo político.
A direcção comunista acredita que com a gestão do PS “ houve uma paralisia” do trabalho da autarquia e até “uma redução de dois milhões de euros de receita”.
“Como o fogo de artifício, ainda há luzes no ar, mas a carga toda já explodiu”, conclui.
Mas, o alvo fica mais longe:
“Há a expectativa de recuperar a Câmara de Almada”, assume Joaquim Judas.
“Temos aqui responsabilidades que assumimos há mais de 40 anos, temos um profundo conhecimento da zona e somos quem está nas melhores condições”, diz.
A mobilização começa já. As eleições só ocorrem mesmo em 2021.
Até ao fecho desta edição (EXPRESSO) não foi possível contactar Inês de Medeiros, a autarca socialista de Almada.
rlima@expresso.impresa.pt

veja mais em :::::> EXPRESSO

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.