Archive for: Julho 2018

Lixo acumulado deixa munícipes de Almada indignados

Contentores de várias zonas do concelho estão cheios e por limpar há vários dias.

Há vários dias que os contentores no concelho de Almada estão cheios de lixo. Ao lado dos caixotes, são vários os sacos que se acumulam e até mobiliário danificado. O aglomerado de entulho e a recolha deficiente por parte da câmara está a indignar os moradores. “Isto é ridículo, até junto aos ecopontos, que exigem uma recolha seletiva, há lixo indiferenciado”, denunciou ao CM um morador, alertando que o caso representa “perigo para a saúde pública” devido à falta de higiene e aos animais que se vão juntando na lixeira. A situação implica ainda que “muitas vezes a circulação pedonal seja feita fora do passeio porque não há espaço com tanto entulho”. O município de Almada tem uma frota com 23 viaturas destinadas à recolha do lixo, mas destas apenas cinco estão operacionais. Ao CM a autarquia admite “dificuldades na recolha de resíduos”, mas garante que é uma situação “excecional”. A Câmara justifica o problema com o facto de a frota herdada pelo antigo Executivo se encontrar “notoriamente obsoleta e a necessitar de ser renovada, resultando numa ocorrência anómala de avarias”.

Ler mais em: Correio da Manhã

Turistas invadiram submarino abandonado em Almada e filmaram a aventura

02 de Junho 2018

Um holandês e um belga que costumam dormir em locais abandonados por toda a Europa decidiram passar uma noite num submarino abandonado em Almada. Conseguiram e até filmaram a “invasão”.

Não há grandes detalhes sobre a forma como o fizeram, mas certo é que os dois homens conseguiram entrar nas antigas instalações da Lisnave, na Margueira, em Almada, onde a embarcação estava atracada, e dormir, por uma noite, no interior. Registaram tudo em vídeo, em inícios de abril, mas só publicaram no YouTube.

A primeira tentativa foi sem sucesso, mas, à segunda, depois de comprarem alguns mantimentos, vestiram uns calções de banho e entraram na água. Nadaram uns metros e chegaram ao submarino, percebendo que a porta, à prova de água e com uma entrada apertada, estava aberta. Enquanto entravam, tiveram de guardar as lanternas porque estava a passar por perto um navio da Marinha, mas que não os viu.

Quando entraram no submarino, Delfim, os dois homens depararam-se com jogos de cartas e de tabuleiro, diários de bordo, máquinas, televisões, radares e muitos cabos – um cenário que os colocou no ambiente de quem está em missões em alto-mar diariamente.

A noite foi passada nos beliches da sala de torpedos. Na manhã seguinte, depois de cerca de 12 horas dentro da embarcação, Bob e o amigo foram embora sem que ninguém os tivesse visto.

Segurança e vigilância

​​​​A segurança e vigilância das embarcações abatidas é garantida pela Marinha, sendo que as instalações da Margueira são um espaço privado que pertence à Câmara Municipal de Almada.

O caso poderá, por isso, ser considerado uma intrusão e, logo, um crime.

Para Bob, de 32 anos, este risco não o faz mudar de ideias. Não é o primeiro local abandonado que visita, pois há 11 anos que viaja pelo mundo a fotografar e filmar locais “sem dono”, tendo já passado por 55 países em quatro continentes. Nestas visitas, Bob costuma levar sempre companhia, desta vez, foi um amigo belga de 26 anos, que trabalha na instalação de sistemas de aquecimento.

Delfim, um submarino ao serviço da Armada portuguesa desde 1969

Tem nome de pessoa, mas é um dos quatro submarinos da classe Albacora. Em setembro de 1968, foi, pela primeira vez, lançado ao mar, em Nantes, França. No ano seguinte, entrou ao serviço da Armada portuguesa.

Com 896 toneladas, 57,78 metros de comprimento e composto por dois motores elétricos e dois geradores a diesel, o Delfim navegou 44.307 horas, 30.743 em imersão no Atlântico e no Mediterrâneo.

Em dezembro de 2005, o submarino da Marinha portuguesa fez a sua última viagem, do Cais de Sesimbra até à base naval do Alfeite. Na altura, os planos seriam ter a embarcação atracada até 2010, quando seria entregue à Câmara Municipal de Viana do Castelo e transformado num espaço turístico de visita, mas isso não chegou a acontecer.

O submarino acabou por permanecer no estaleiro da Lisnave na Margueira, desativado desde 31 de dezembro de 2000 e onde estão as embarcações desativadas da Marinha.

Entre as missões do Delfim, destacam-se as da Guerra Fria (1989) e exercícios nacionais e da Aliança Atlântica (NATO). Nos últimos anos, dedicou-se, principalmente, a ações de vigilância, recolha de informações estratégicas para o Estado e apoio avançado à Força Naval.

Em setembro de 2006, foi desarmado e, em agosto de 2010, abatido e, por isso, não tem agora valor militar para a Marinha, sendo apenas de interesse para o público.

Habitualmente, após o desarmamento, este tipo de embarcações tem um de três destinos: ser desmantelado, usado como polo museológico ou afundado para criar um recife.

Veja m,ais em ::::> Jornal de Notícias

Câmara de Almada oferece vales de 500 euros a funcionários

Por Débora Carvalho|10.07.18

Autarquia gasta mais de 17 mil euros na compra de vouchers a agência de viagens.

A Câmara Municipal de Almada vai oferecer vouchers utilizáveis em viagens aos 40 funcionários que atingem este ano os 25 anos de serviço. Durante anos os trabalhadores foram presenteados com relógios de ouro, mas o executivo socialista, liderado pela atriz Inês de Medeiros, optou este ano por dar uma ajuda nas férias, através da oferta de ‘vales’ de 500 euros. Trata-se de um negócio de 17 mil euros, no qual a câmara contou com um ‘desconto’ da operadora (cada voucher saiu a 450 euros). O contrato, feito por ajuste direto e publicado na página dos contratos públicos no dia 4 deste mês, tem um valor global de 17 550 euros, já com IVA incluído. “Os vouchers respeitam à oferta simbólica que é atribuída anualmente pela câmara em forma de homenagem aos trabalhadores que completam 25 anos de serviço à autarquia, por ocasião do Dia da Cidade, 24 de junho”, referiu ao CM fonte oficial da autarquia. O gabinete de Inês de Medeiros justificou ainda a decisão de acabar com a atribuição de um relógio de ouro. “O objetivo é proporcionar uma experiência mais estimulante, de bem-estar e lazer, procurando contribuir assim para a sua valorização pessoal e permanente”, explicou a mesma fonte. Para além da oferta de um voucher, os trabalhadores vão receber uma medalha.

Ler mais em: Correio da Manhã

Centro Comunitário PIA II vence Marchas Populares 2018 em Almada

A Marcha do Centro Comunitário PIA II conquistou o primeiro prémio, depois da final realizada a 30 de junho, no Complexo Municipal dos Desportos «Cidade de Almada», no Feijó.

A Marcha do Centro Comunitário PIA II foi a grande vencedora do concurso de Marchas Populares de Almada 2018, conquistando também os Prémios “Avenida”, “Coreografia” e “Musicalidade”.

O segundo lugar foi atribuído à Marcha da Charneca de Caparica, que arrecadou ainda o Prémio “Figurino”.

Na terceira posição ficou a Marcha do Beira Mar de Almada.

Este ano, concorreram oito marchas, na sua maioria constituídas por jovens marchantes.

Classificação Geral:
1º lugar – Centro Comunitário PIA II
2º lugar – Marcha da Charneca de Caparica
3º Lugar – Marcha do Beira Mar de Almada
4º Lugar – Marcha Popular da Costa da Caparica
5º Lugar – Marcha da Rua 15
5ª Lugar – ex-aequo – Marcha Al-Madan
6º Lugar – Marcha do Pragal
7º Lugar – Marcha da Capa Rica

Prémios Específicos:
Avenida – Centro Comunitário PIA II
Coreografia – Centro Comunitário PIA II
Cenografia – Marcha da Rua 15
Figurino – Marcha da Charneca de Caparica
Letra – Marcha do Pragal
Musicalidade – Centro Comunitário PIA II

Fonte : CMA

Rui Garcia: “Campo de Tiro de Alcochete é a melhor opção” para a construção do novo aeroporto


Na última sexta-feira, o Fórum Cultural José Manuel Figueiredo, na Baixa da Banheira, recebeu a sessão de esclarecimento/debate sobre a proposta do Governo de construir o novo aeroporto de Lisboa, ou uma extensão deste, na Base Aérea n.º 6, no Montijo, onde o presidente da Câmara Municipal da Moita, Rui Garcia, manifestou a sua preferência por uma mudança de localização.

“A construção do Novo Aeroporto de Lisboa no Campo de Tiro de Alcochete continua a ser a opção, que responde às necessidades actuais e futuras de Portugal relativamente ao tráfego aéreo, de passageiros e de mercadorias”, referiu o autarca, convicto que esta opção “contribuirá não só para o crescimento económico, o aumento do investimento e do emprego e o desenvolvimento da região, como é de vital importância para o crescimento e desenvolvimento do país”.

Para Rui Garcia, nada destes investimentos se projectam na eventual instalação de um terminal do Aeroporto Humberto Delgado no Montijo.

“Esta opção traduz, da parte do Governo, a renúncia a uma visão estratégica não só do futuro da actividade aeroportuária, como também do ordenamento do território e do desenvolvimento da Área Metropolitana e, em particular, da Região de Setúbal”, afirmou o autarca, acrescentando que esta opção “não corresponde aos interesses da nossa região, da sua população e da sua economia, nem ao que o país necessita”.

Antes de terminar a sua intervenção, o presidente da Câmara Municipal da Moita deixou, ainda, um apelo.

“Ainda é tempo de travar esta opção desastrosa. O futuro do país e da região e a segurança e o bem-estar da população, das muitas dezenas de milhares de pessoas afectadas, têm de ser mais importantes que a Vinci, empresa concessionária da ANA, as low-cost ou quaisquer outros interesses particulares”.

No momento de debate com a assistência, uma iniciativa muito participada, foram várias as dúvidas levantadas pela população, não só do concelho da Moita, mas dos concelhos limítrofes, que se prendiam, na maioria, com as questões de segurança e de perda de qualidade de vida nos municípios do Arco Ribeirinho Sul.

Esta sessão foi promovida pela Assembleia Municipal da Moita e contou, no debate, com a presença de Duarte Silva, Técnico Especialista do Gabinete do Secretário de Estado das Infra-estruturas, Francisco Pita, Administrador da ANA, Carla Graça, Vice-Presidente da Direcção da Zero – Associação Sistema Terrestre Sustentável, Carlos Ramos, ex-presidente do LNEC e ex-Bastonário da Ordem dos Advogados, Rui Garcia, Presidente do Conselho Directivo da AMRS e Presidente da Câmara Municipal da Moita, como oradores, e João Lobo, presidente da Assembleia Municipal, como moderador.

Ao longo da noite, ouviram-se argumentos pró-aeroporto na Base Aérea do Montijo, nas intervenções de Duarte Silva e Francisco Pita, e contra esta localização, pelas palavras de Carla Graça, Carlos Ramos e Rui Garcia.

Veja mais em ::::> Diário da Região

PSP divulga novos locais dos radares de velocidade no distrito de Setúbal

Mensalmente a PSP indica os locais e datas onde vão decorrer acções de fiscalização rodoviária com recurso a radares, uma campanha sob o mote ‘Quem o avisa…’, através da sua página na rede social do Facebok.

O objetivo da campanha é reduzir a sinistralidade e proporcionar maior segurança a condutores e transeuntes, nomeadamente nas vias identificadas como mais propensas a existirem acidentes. No entanto, apenas cerca de 80% dos radares são divulgados.

No distrito de Setúbal, as acções vão ser as seguintes:

06-jul – 09h00 Circular Externa – Montijo

10-jul – 14h00 Av. Arsenal do Alfeite (sentido Almada/Corroios) – Almada

25-jul – 08h00 EN 10.4 – Setúbal

27-jul – 14h00 Rua Industrial Alfredo da Silva – Barreiro

Veja mais em ::::> Distrito On-line

CDS-PP Almada – Partido visita o Canil da Aroeira

O Canil gerido pela Associação dos Amigos dos Animais da Aroeira, recebeu a visita da comitiva do CDS-PP nas suas instalações da Aroeira – Charneca da Caparica.

O CDS-PP testemunhou na prática o excelente trabalho e empenho que os responsáveis pelo canil tal como os voluntários fazem diariamente no mesmo num trabalho meritório e com muita dedicação aos animais.

Não obstante toda essa entrega e dedicação aos animais, nunca é demais lembrar as dificuldades com que se depara o canil da Aroeira.
Situações como falta de esterilização das cadelas, a falta de melhores condições apesar de todo o trabalho feito pelos responsáveis para que nada falte e ainda lidar com o abandono de animais frequentemente, é para a equipa de trabalho deste espaço, uma tarefa árdua, mas ao mesmo tempo muito motivante e cheia de objectivos.

Sara Machado Gomes, Presidente do CDS-PP Almada. realça o facto positivo de haver tanto voluntariado disposto a ajudar os animais tal como ficou impressionada com a quantidade de ofertas em comida que são doadas pela população em geral para alimento dos animais.
Na mesma visita este também presente a Juventude Popular de Almada, através do presidente da estrutura local, José Coutinho.

O CDS-PP, depois do Canll da Aroeira, em breve agendará um visita ao Canil Municipal.

O CDS-PP Almada

Veja mais em :::< Distrito on-line

Embaixador do Brasil visita territórios Lisbon South Bay

Julho 2018

esultado do trabalho de promoção desenvolvido e dos contactos permanentes com Câmaras de Comércio, Embaixadas e Associações Empresariais de múltiplas geografias, os territórios do projeto Lisbon South Bay são cada vez mais reconhecidos e alvo de interesse.

Os ativos da Baía do Tejo receberam a distinta visita do Embaixador do Brasil em Portugal, Luiz Alberto Figueiredo Machado, que já foi ministro das Relações Exteriores no seu país e que também já assumiu a liderança da representação diplomática brasileira em Washington.

O Embaixador foi acompanhado nesta visita aos ativos da Baía do Tejo presentes nos concelhos de Almada, Barreiro e Seixal pelo Conselheiro Comercial da Embaixada do Brasil em Portugal, Pedro Taunay.

A visita, conduzida pela administração da Baía do Tejo, contou com o empenho e a representação ao mais alto nível dos municípios envolvidos.

Em Almada, a Presidente da Câmara, Inês de Medeiros, fez questão de receber o Senhor Embaixador junto às maquetes do Projeto Cidade da Água, a desenvolver no antigo complexo da Lisnave, a que se seguiu uma apresentação audiovisual dos três territórios e do seu potencial no auditório do Parque Tecnológico da Mutela.

O Parque Empresarial da Baia do Tejo no Seixal foi o segundo ponto de paragem. Aquele que é o território com maior disponibilidade para acolher novas empresas, principalmente de grandes dimensões e de cariz industrial e logístico, foi dado a conhecer a este corpo diplomático. Também do concelho do Seixal, em geral, e de todos os seus atrativos deu nota o Vice Presidente do Município, Jorge Gonçalves.

A visita incluiu, nos terrenos conexos ao parque empresarial, uma passagem pela Lusosider – Aços Planos, SA, importante empresa de capitais brasileiros do setor siderúrgico a operar no nosso país. Empresa que exporta cerca de 80% da sua produção para diferentes destinos do globo, mas que tem nos mercados europeus uma forte aposta.

A iniciativa terminou no Parque Empresarial do Barreiro da Baía do Tejo, onde se juntou à comitiva o Presidente Câmara Municipal do Barreiro, Frederico Rosa. A visita ao antigo Bairro Operário da CUF, ao Clube de Empresas, ao museu Industrial da Baía do Tejo e a diferentes zonas onde se encontram em laboração cerca de 200 empresas, preencheram a visita àquele que foi o maior complexo industrial da península ibérica durante o séc. XX e que é atualmente um dos maiores parques empresariais do nosso país.

Foi com elevado interesse e com a promessa de que toda a informação recolhida ia ser enviada diretamente aos mais proeminentes grupos empresariais brasileiros que a visita terminou. Em aberto ficou a promoção que a embaixada vai fazer junto dos empresários deste país para conhecerem de perto estes territórios virados para Lisboa e todo o seu enorme potencial.

Veja mais em ::::> Distrito On-line

Hospital do Seixal perde 12 camas para cuidados paliativos

Ministério da Saúde opta por retirar serviço de cuidados a doentes em fase terminal

A Adenda ao Acordo Estratégico de Colaboração para o lançamento do hospital do Seixal, assinada este sábado, suscita críticas junto da comissão de utentes local. Os cuidados paliativos ficam fora dos planos para o equipamento, ou seja, quem necessite daquele serviço vai continuar a depender do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

“Em 2009, no mesmo documento, estavam previstas 12 camas para os cuidados paliativos. Neste novo acordo essas camas e esses cuidados simplesmente deixaram de existir e isso não é razoável”, explica José Luísa, da Comissão de Utentes da Saúde do Concelho do Seixal. Apesar de merecer reparos naquele âmbito específico, o documento foi esta sexta-feira assinado pelo presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, e homologado pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, presente na cerimónia. “Decidimos que mais vale assegurar a construção do hospital, pelo celebrar deste acordo, na esperança de que estas alterações possam ser pensadas no futuro”, garantiu o autarca.

Adalberto Campos Fernandes, que visitou o terreno onde ficará instalado o equipamento, garantiu que a celebração do acordo para a construção do hospital do Seixal é um dia feliz para o Serviço Nacional de Saúde (SNS). “É um dia feliz, sobretudo para o SNS. O Garcia de Orta está subdimensionado, este é um concelho muito jovem e o SNS tem de se adaptar a essa realidade”, afirmou. O hospital do Seixal estará concluído em 2021, no Fogueteiro, num investimento total de 60 milhões de euros.

Ler mais em: Correio da Manhã

Fernando Fitas o poeta de Almada

Fernando Fitas, jornalista natural de Campo Maior venceu a 33ª edição do Prémio da Cidade de Ourense 2017, na Galiza em Espanha, com a obra “Subversiva liturgia das mãos” que foi agora apresentada na Junta de Freguesia Charneca e Sobreda.

foto: JF Caparica e Sobreda

O autor referiu que a obra trata, do que as mãos podem fazer para transformar o mundo.

Fernando Fitas residiu em Almada durante a sua juventude e foi fundador e director – durante sete anos – do quinzenário Outra Banda e chefe de redacção do Noticias de Almada (entre 2005 e 2011), colaborou ainda em diversos periódicos regionais de norte a sul de Portugal, assim como numa das rádios locais do Concelho do Seixal, assumindo a responsabilidade pela emissão de programas culturais durante vários anos.
A sua escrita estende-se da reportagem à ficção, passando pela investigação histórica e recolha oral em alguns concelhos da Margem Sul do Tejo. Autor das obras “Canto Amargo”; “Amor Maltês”; “Cantos de Baixo”; “Silêncio Vigiado”; “Mar da Palha – reportagens”; “Histórias Associativas – Memórias da Nossa Memória”; “A Casa dos Afectos”; “O Ressoar das Águas”; “O Saciar das Aves”; “Alma d’Escrita –Reportagens”, e “Alforge de Heranças”

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.