Category: Almada

Autarcas dão milhares a empresários amigos

7 de Maio 2018

COMUNISTAS

EMPRESAS DE COMINICAÇÃO E ARTES GRÁFICAS QUASE SÓ TÊM AUTARQUIAS DO PCP COMO CLIENTES NO ESTADO.

Desses, cerca de 30 estão ligados ao PCP: autarquias de Alcácer do Sal, Avis, Alcochete, Moura, Moita, Grândola, Barreiro, Palmela, Santiago do Cacém, Cuba, Montemor-o-Novo e Vendas Novas e os Serviços de Água e Saneamento de Almada – todos eles liderados pela CDU à data dos contratos.

Duas Empresas de Setúbal ganharam cerca de 648 mil euros em dez anos, sobretudo com autarquias do PCP.
A Mimir, firma de consultadoria, e a empresa de artes gráficas Regiset quase só têm câmaras comunistas na lista de entidades públicas com as quais assinaram contratos desde 2008.

As empresas são lideradas por Carlos Menezes, que fez parte de uma comissão de empresários de apoio à CDU nas legislativas de 2002, e Pedro Magro Ramos, que em 2009 ficou em 4º lugar como candidato à Câmara de Oeiras pela CDU.

Na lista de clientes públicos da Mimir, segundo o portasl Base, contabilizam-se nove contratos e cinco clientes :
Autarquias do Seixal, Loures e Moura, todos liderados por comunistas à época dos contratos;
Área Metropolitana de Lisboa que, em 2015, data do contrato, era liderada por Demétrio Alves, histórico autarca de Loures pelo PCP;
e a Associação de Municípios de Setúbal que à data dos contratos (2008 e 2009) era liderada por Alfredo Monteiro,ex autarca do Seixal.A empresa já ganhou 404.270 Euros.

O facto é ainda mais visível no caso da Regiset:
tem 34 contratos com 17 clientes no Estado, desde 2009.Desses cerca de 30 estão ligado ao PCP:
Autarquias de Alcácer do Sal, Avis, Alcochete, Moura, Moita, Grãndola, Barreiro, Palmela, Santiago do Cacém. Cuba. Montemos o Novo e os

Serviços de água e Saneamento de Almada

todos eles liderados pela CDU à data dos contratos. Arrecadou 244.320 euros.
Confrontada pelo CM, a Regiset diz não entender o “objetivo das questões”. “A nossa carteirade clientes é diversificada, que no plano público/intitucional quer no plano privado.
A Mimir não respondeu.

Veja mais em ::::> Correio da Manhã

Campanha do CDS-PP de Almada contra eutanásia gera revolta

11 de Maio 2018

Partido de Assunção Cristas partilhou uma imagem de campanha contra a morte assistida.

O CDS-PP de Almada partilhou na sua página oficial de Facebook uma imagem de campanha contra a eutanásia. No cartaz, podia ler-se “Luta pela tua vida. Diz não à eutanásia”, mas a publicação foi entretanto eliminada. Na mensagem que incluía a frase “a eutanásia mata”, é anunciada uma concentração contra a morte assistida para dia 29 de maio, em frente à Assembleia da República. Nas redes sociais, a imagem foi duramente criticada, sendo que, um dia antes, o partido de Assunção Cristas já havia partilhado outra imagem no Facebook.

Ler mais em: Correio da Manhã

Almada Ação de limpeza florestal em terreno municipal

15 de Maio 2018
Proteção Civil CMA

O Município de Almada dá o exemplo através da limpeza e gestão de combustíveis florestais numa parcela de terreno municipal, na Charneca de Caparica. É uma intervenção que decorre no âmbito do Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios.

Os trabalhos de limpeza tiveram início esta quarta-feira, 15 de maio, envolvendo vários serviços da Câmara Municipal de Almada (CMA), dos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento (SMAS) de Almada e os Bombeiros Voluntários de Cacilhas.

A intervenção, realizada numa parcela de terreno municipal, próximo de edificações e via rodoviária, localizada junto à Rua de São Macário, na freguesia da Charneca de Caparica, consiste na desmatação, desrama e abate de arvoredo, de acordo com os critérios de segurança, legalmente definidos, e retirada de sobrantes.

Esta é uma ação que decorre no âmbito do Plano Municipal de Defesa da Floresta contra Incêndios e que visa promover também as boas práticas no espaço público comum.

A presidente da CMA, Inês de Medeiros, juntamente com as vereadoras Francisca Parreira, Teodolinda Silveira e vereador Miguel Salvado, e o presidente da União de Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda, Pedro Matias, acompanharam, durante a manhã, o decorrer dos trabalhos.

Denuncie abandono de monos e depósito de entulhos ilegais

Ao avançar com esta ação de limpeza florestal, a CMA conta também com a colaboração de todos os munícipes.

Nos casos em que se verifiquem o abandono de monos domésticos e/ou despejos de entulhos ilegais, os serviços municipais solicitam que seja feito o alerta através da Linha Verde Almada Limpa ou da aplicação Almada Mais Perto.

Linha Verde Almada Limpa
800 206 017
Aplicação Almada Mais Perto
www.m-almada.pt/almadamaisperto

Quim Roscas & Zeca Estacionâncio em Almada dia 2 de Junho


“Com 2300 espetáculos, 126.000 km percorridos , 16 anos de muitas gargalhadas, Quim Roscas (João Paulo Rodrigues) & Zeca Estacionâncio (Pedro Alves) é a dupla de humoristas incontornável no panorama nacional.
A dupla já foi do norte ao sul do país, e vice-versa, mas dia 2 de Junho será a Academia Almadense a recebe-los, num espetáculo que de comédia, improviso e boa disposição – alguns dos ingredientes que têm feito a delícia de todos aqueles que os têm acompanhado durante esta longa jornada.
Quim Roscas & Zeca Estacionâncio propõem um espectáculo de 60 minutos, dos 16 aos 116 anos, com bom disposição e muito sentido de humor do princípio ao fim.
Com todos estes elementos à mistura, corpos seminus e chinelos com meias ( ou não ) o melhor mesmo é não perder, dia 02 de Junho em Almada!”

Local | Rua Capitão Leitão, nº64 2800-068 Almada
Preço do Bilhete | 11€ Plateia / 10€ Balcão
Limite de idade | maiores de 16 anos
Locais de venda | Academia Almadense ; Taverna Bobo da Corte ; através do telefone : 935205936

ALMADA – 140 Fuzileiros vão integrar força da NATO na Lituânia

2018-04-27

A força de fuzileiros que parte na próxima segunda-feira, faz parte de um quadro de Medidas de Tranquilização da NATO naquele território.


O ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, vai estar presente na Base Naval de Lisboa (Alfeite) na próxima segunda-feira (30) onde vai presidir à cerimónia de entrega do Estandarte Nacional à Força de Fuzileiros que integra um contingente de 140 militares numa missão de Medidas de Tranquilização da NATO na Lituânia.

Esta é a primeira vez que uma força, tão significativa, integra uma formação de fuzileiros a operar num teatro Europeu.

veja mais em ::::> DIário do Distrito

MFA na Costa

Abel Pinto | 25 Abril, 2018

O Noticias da Gandaia esteve à conversa com João Andrade no número 3 da Rua Dr. Barros de Castro, na Costa da Caparica, onde em 5 de Dezembro de 1973, se deu um passo decisivo no rumo da liberdade.

O Sr.º João Andrade é filho do Sr.º Carlos Alberto Ferreira de Andrade e neto do Sr.º João Luz Ribeiro da Silva, proprietário da vivenda à data da reunião. O Sr.º João Luz, comerciante de brinquedos (dono da loja Benard no chiado), era um homem imbuído dos ideais Republicanos, sentindo por isso uma natural antipatia pela ditadura em que vivia; cedeu de bom grado a vivenda, sabendo o que se iria passar, impondo uma única condição: ignorar quem iria estar presente na reunião.

Este local foi escolhido por estar afastado dos “radares” da PIDE e devido à amizade entre o Sr.º Carlos Alberto Ferreira de Andrade e o capitão Vítor Alves.

Esta reunião marcou o ponto de “não retorno” do Movimento das Forças Armadas porque nela, e pela primeira vez na cronologia do MFA, participou um oficial superior, o coronel Vasco Gonçalves. Reuniu-se, pela primeira vez, a nova comissão coordenadora e executiva do MFA (que havia sido eleita na reunião anterior realizada em Óbidos em 1 de Dezembro) e, por razões operacionais, foi decidida a criação de várias subcomissões, nomeadamente: subcomissão de ligação aos outros ramos das Forças armadas, subcomissão de ligação na metrópole e ultramar aos camaradas do exército, subcomissão do estudo da situação, subcomissão de recolha de opinião e subcomissão de secretariado. Foi ainda eleita uma Direcção, formada por um elemento das três subcomissões fundamentais, que passou a assumir a responsabilidade das decisões a tomar em situações emergentes. A nova direcção ficou composta por: major Vítor Alves, major Otelo Saraiva de Carvalho e capitão Vasco Lourenço (que em 16 de Março de 1974 iria ser colocado, compulsivamente, nos Açores). A reunião foi realizada ao final do dia, tendo os participantes chegado individualmente e de forma espaçada, de modo a não levantar suspeitas, tendo, no final da reunião, deixado a casa da mesma forma. Além dos elementos da comissão coordenadora e executiva do MFA, estiveram também presentes alguns capitães do exército vindos da zona norte do país.

Ninguém da família do proprietário da vivenda esteve presente na casa, quando se realizou a reunião. No entanto, o Sr.º Carlos Alberto Ferreira de Andrade, amigo de infância do capitão Vítor Alves, no mesmo dia e à mesma hora, organizou um encontro de amigos na casa ao lado, numero 1 (propriedade de outro familiar), para que o movimento de pessoas encobrisse a reunião que se queria manter afastada de atenções inconvenientes.

Veja mais em :::> Notícias da Gandaia

Medina quer “mandar” nos transportes da Área Metropolitana de Lisboa

Festival VISÃO

22.04.2018 às 19h27
JOSE CARLOS CARVALHO

O Presidente da Câmara de Lisboa revela que o Governo vai responder até junho às pretensões da AML e da Área Metropolitana do Porto sobre a criação de um bilhete único intermodal. Inês de Medeiros defende que a Costa de Caparica seja um “resort de ecoturismo” para quem visita Almada

Longe vão os tempos em que Lisboa e Almada viviam, aparentemente, de costas voltadas. Esta tarde, no painel “Os dois lados do Tejo”, inserido no Visão Fest, que decorre no Capitólio, em Lisboa, os presidentes das duas autarquias, Fernando Medina e Inês de Medeiros, alinharam os discursos e defenderam que é preciso reforçar “a complementaridade” entre os concelhos, quer para servir melhor quem neles vive, quer para benefício de ambos no que respeita ao boom turístico que se verifica no País.

Para Inês de Medeiros, está na hora de “olharmos para o Rio Tejo não como um obstáculo”, mas como “o centro” da Área Metropolitana de Lisboa (AML), motivo que considera suficiente para que sejam revistas muitas questões na mobilidade e nos transportes, na habitação e no turismo, numa articulação feita entre 18 concelhos e não apenas de forma bilateral (Almada-Lisboa).

A autarca almadense entende que “o excesso de carros” na capital, criticado por Fernando Medina, poderia começar a resolver-se com a criação de “um passe intermodal para a AML, a um preço acessível”, assim como através do desenvolvimento do “transporte fluvial em todo o arco ribeirinho” dos concelhos da margem sul do Tejo.

Fernando Medina foi mais longe e, vestindo o fato de presidente da AML, adiantou no debate moderado pelo jornalista Filipe Luís, que em março, numa “cimeira” entre a AML, a Área Metropolitana do Porto e o Governo, foi proposta a transferência de competências do plano nacional para o intermunicipal.

“Nós queremos assumir as competências das questões da mobilidade e queremos assumir a propriedade ou co-propriedade das empresas de transportes de âmbito metropolitano. Queremos ser nós a mandar na forma como eles se organizam e queremos encontrar uma fórmula para que possamos ter transportes acessíveis”, afirmou o chefe do executivo da capital.

Quanto ao diálogo com o Governo de António Costa, Fernando Medina revelou que ficou estabelecido que haveria uma resposta “já no mês de junho acerca do caderno de encargos que a AML e a AMP apresentaram. E que propostas foram essas? Um “plano de investimentos relativamente aos transportes na Área Metropolitana”, a “passagem do poder de regulação e comando para a Área Metropolitana” e também a “criação de um fundo que permitisse reduzir os preços dos tarifários e criar um bilhete único para a AML”.

Inês de Medeiros, que subscreve a iniciativa, indicou ainda que também no capítulo do turismo será necessário reforçar a coordenação entre as duas cidades e que, além da reabilitação do Cais do Ginjal (Cacilhas) ou do plano de urbanização da Lisnave, o papel da Costa de Caparica terá de ser reforçado. Atendendo à dimensão das reservas florestais junto às praias, defendeu mesmo que “a Costa de Caparica tenha de ser vista como um resort de ecoturismo” e não como um objeto de turismo de massas, como até aqui tem acontecido – dado os seus 15 quilómetros de contínuo areal.

Já quando o debate foi aberto às questões da plateia, ambos voltaram a estar sintonizados na necessidade de haver uma decisão tão “rápida” quanto possível acerca da construção de um segundo aeroporto na grande Lisboa. Medina deixou, contudo, o reparo de que “o Montijo não é solução ideal para Lisboa”, ao passo que Medeiros salientou que a construção é “uma inevitabilidade”, seja no Montijo ou noutro local.


Veja mais em :::> VISÂO

45.º aniversário do PS em Almada

19.04.18

Costa define PS como a força do “equilíbrio” e do “diálogo” em Portugal

“Precisamos de dar força ao PS porque este campeonato ainda não chegou ao fim”, advertiu.

Costa define PS como a força do “equilíbrio” e do “diálogo” em Portugal Lusa

O secretário-geral socialista definiu esta quinta-feira o PS como o fator “de equilíbrio” e “diálogo” na sociedade portuguesa, num discurso em que elogiou o acordo sobre descentralização celebrado com o PSD e os avanços sociais alcançados à esquerda. Palavras proferidas por António Costa no jantar comemorativo do 45.º aniversário do PS em Almada, junto ao Cristo Rei, e que a organização afirma ter juntado cerca de 1.200 apoiantes socialistas. No seu discurso, o líder socialista sustentou que desde que o atual executivo iniciou funções, em novembro de 2015, teve como preocupação central adotar uma combinação de políticas de avanços sociais e de consolidação das finanças públicas. António Costa procurou sintetizar da seguinte forma qual a linha seguida pelo seu executivo: “Não dar um passo a mais para um lado que desequilibre o outro lado; não estender a mão mais para ali para depois ficarmos com um problema aqui”. “Temos de dar força ao PS, porque é o fator de equilíbrio, de diálogo, de consenso, de mobilização e de unidade do conjunto da sociedade portuguesa”, declarou, antes também de deixar um aviso aos militantes socialistas no sentido de evitarem uma atitude triunfalista. “Precisamos de dar força ao PS porque este campeonato ainda não chegou ao fim. Sabemos bem que ainda temos muito trabalho pela frente”, advertiu.

Ler mais em: Correio da Manhã

Almada 25 de Abril 2018 (vídeo)

25/04/2018
Fórum Romeu Correia
Assembleia Municipal de Almada
Sessão comemorativa dos 44 anos do 25 de Abril
Praça do MFA
Desfile das Colectividades

Click aqui para ver as fotos

25 de Abril 2018 em Almada (fotos)


25/04/2018
Fórum Romeu Correia
Assembleia Municipal de Almada
Sessão comemorativa dos 44 anos do 25 de Abril
Praça do MFA
Desfile das Colectividades

Veja mais fotos em ::::> Almada 2018

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.