Category: Almada

Carlos Guedes abandona o BE de Almada

Almada, 19 de Janeiro 2019

“Sou, a partir de hoje, deputado independente na Assembleia Municipal de Almada e desvinculo-me do Bloco de Esquerda.”


” Depois de, nas eleições de Outubro de 2017, ter aceitado encabeçar aquela que viria a ser a lista do Bloco de Esquerda que alcançou o melhor resultado de sempre, em Almada, com 7.330 votos, correspondentes a 11,03%, vi ser-me retirada a confiança política por um Plenário de Aderentes de Almada do Bloco de Esquerda, realizado em Dezembro de 2018. Um Plenário que foi irregularmente convocado e que não tinha na sua Ordem de Trabalhos qualquer ponto referente à discussão deste assunto. Um Plenário em que 20 pessoas decidiram, de braço no ar, por esta solução.

É importante que se perceba que este Plenário foi o culminar de uma sucessão de situações irregulares, algumas mesmo ilegais, que começaram quando a actual Vereadora do Bloco de Esquerda na Câmara Municipal de Almada, Joana Mortágua, decidiu, sozinha e sem qualquer decisão da Comissão Coordenadora Concelhia de Almada do Bloco de Esquerda que o sustentasse, votar contra as Opções do Plano e Orçamento para 2019 da Câmara Municipal e Almada.

De então para cá apresentei, em vários momentos, recursos e pedidos de tomada de posição quer à Comissão de Direitos, quer à Comissão Política do Bloco de Esquerda. Ambos os órgãos escusaram-se, sempre, a tomar qualquer posição. Quer quanto às questões formais de desrespeito pelas regras democráticas e pelos Estatutos do partido, quer quanto às questões políticas que lhe estão subjacentes.

Não tenho qualquer problema em relação ao Bloco de Esquerda. Há dez anos que decidi entrar. Decido, agora e face à situação que foi criada, sair pois percebo que a sucessão de disparates e de irregularidades não iria terminar por aqui e os órgãos internos, recentemente eleitos, já demonstraram uma completa incapacidade para intervir nesta situação.

O Bloco de Esquerda, em Almada e, por que não dizê-lo, em todo o distrito de Setúbal, está refém dum projecto unipessoal, dirigido e controlado por uma pessoa que, para além de lidar mal com quem não está disposto a servir os seus propósitos, lida ainda pior com quem a afronta ou ousa discordar das suas posições. Para além deste projecto individual, não existe, em Almada, uma linha política clara. De nada serve engrossar a voz em tempos de campanha eleitoral para, nos quatro anos em que dura o mandato, se verificar uma total desorientação no trabalho feito e uma subjugação a interesses que nada têm a ver com o Programa pelo qual nos candidatámos e que devemos, acima de tudo, defender. Há uma clara subserviência do Bloco de Esquerda às posições do PCP. Subserviência que uma ou outra posições não desmentem nem, tão pouco, mascaram. As recentes votações nos Orçamentos das Juntas de Freguesia que, no concelho de Almada, são governadas pela CDU, bem como a abstenção nas Opções do Plano e Orçamento da Câmara Municipal do Seixal são, disso mesmo, uma clara evidência.

O Bloco de Esquerda cresceu muito nas últimas eleições autárquicas em Almada. Aumentou o número de eleitos nos órgãos. Elegeu, pela segunda vez, uma vereadora. Elegeu um grupo municipal que, pela primeira vez, contava com quatro elementos. Elegeu, pela primeira vez, representantes em todas as Assembleias de Freguesia do concelho. Mas esse crescimento não foi acompanhado por um crescimento orgânico. Há, mesmo, uma estagnação que só se explica pela incapacidade de integrar novos militantes. O núcleo activo do Bloco de Esquerda, em Almada, está reduzido a duas cliques que se digladiam entre si mas que, no essencial, agem da mesma forma. Um núcleo cada vez mais reduzido e, cada vez mais, formado apenas por quem segue a cartilha imposta pela Joana Mortágua.

Pessoalmente, poderia optar por não me desvincular, imediatamente do Bloco de Esquerda. À luz do que aqui já expus, da incapacidade dos órgãos internos, que deviam assegurar os direitos de quem decide aderir ao Bloco de Esquerda, permanecer seria um erro que seria, uma vez mais, aproveitado por quem está mais interessado em tratar da sua vida do que na defesa daqueles e daquelas que, com o seu voto, nos fizeram ser eleitos.

Não renuncio ao mandato de deputado na Assembleia Municipal de Almada. O meu mandato será cumprido, respeitando o Programa Eleitoral que serviu de base à candidatura que aceitei encabeçar. Não reconheço qualquer legitimidade às posições assumidas por um reduzidíssimo número de aderentes, mais ainda quando estas posições estão feridas de legalidade democrática e eu nada fiz que as justificasse.

Esta é uma decisão ponderada e muito difícil, mas perante a incapacidade demonstrada pela Comissão de Direitos e pela Comissão Política do Bloco de Esquerda para, sequer, se pronunciarem sobre as ilegalidades cometidas ao longo dos últimos dois meses, é a única solução possível.

Foram dez anos de militância activa e muito empenhada. Ficam as amizades, as memórias e um enorme orgulho por ter feito parte de muitos momentos marcantes. A vida continuará. As lutas também.

Nota final: no decurso destes dois meses, e até hoje, nunca, em momento algum, foi dada uma explicação aos aderentes do Bloco de Esquerda em Almada. Nem aos eleitores.”

Carlos Guedes

Enfermeiros do centros de saúde de Almada e Seixal interrompem greve devido à gripe

18/01/2019

Os enfermeiros estão a lutar pelo direito às 35 horas de trabalho.

Os enfermeiros dos centros de saúde de Almada e Seixal, no distrito de Setúbal, vão manter a greve ao fim de semana, no atendimento complementar, mas decidiram esta sexta-feira abrir uma exceção para o “período da gripe”, informou fonte sindical. “Atendendo a tudo o que se passa neste momento com as questões da gripe, aos apelos que a população tem feito e à falta que os enfermeiros fazem neste tipo de atendimento, os enfermeiros farão uma exceção ao fim de semana e irão garantir este atendimento, mas exclusivamente no período da gripe, das 17h00 às 22h00”, explicou à Lusa a dirigente nacional do Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP). Zoraima Cruz Prado falava após um plenário com os profissionais de saúde, onde houve uma votação e foi decidido que a greve aos fins de semana e feriados não afetaria o Plano de Contingência da Gripe. Apesar desta exceção, a dirigente sindical referiu que a greve no atendimento complementar se mantém, porque “não foram atendidas as reivindicações dos enfermeiros”, e que a paralisação “não tem data para terminar”. Os enfermeiros do Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) de Almada e Seixal encontram-se em greve desde 1 de dezembro devido à “atitude inflexível” da direção executiva, que determinou que o atendimento complementar aos fins de semana e feriados fosse “prestado no horário normal de trabalho”. Os enfermeiros estão, assim, a lutar pelo direito às 35 horas de trabalho e para que o atendimento complementar passe a ser considerado “horas extra”, como acontece com os restantes grupos profissionais.

Ler mais em: Correio da Manhã

Presidentes de Juntas CDU não compareceram na inauguração dos Espaço Cidadão em Almada

18 de Janeiro 2019

Presidentes de Juntas Laranjeiro, Caparica e Almada não estiveram presentes nas respectivas inaugurações

Inês de Medeiros


“Hoje inauguramos cinco “Espaços Cidadão”
Estes espaços abrem ao público no de 21 de janeiro em Almada (junto à Oficina de Cultura), na Caparica (na Biblioteca Municipal Maria Lamas), na Costa da Caparica (na Praça da Liberdade), no Feijó (Mercado Municipal) e na Sobreda (Solar dos Zagallos).
Vão estar disponíveis mais de 70 serviços da Administração Central, Câmara Municipal e SMAS.”

veja mais em ::::>www.m-almada.pt/

Feijó

Costa da Caparica


“Foi inaugurado hoje o espaço do cidadão na Costa de Caparica , nesta inauguração estiveram presentes a sr Ministra da Presidência e o secretário do estado da modernização administrativa , para alem da sra Presidente da Câmara Municipal de Almada.
Este espaço abre ao público dia 21/1/2019 fica situado na av da República,18”

Almada, Feijó, Caparica e Sobreda

União de Freguesias de Charneca de Caparica e Sobreda
“No dia 18 de Dezembro foram inaugurados os 5 espaços de Cidadão, o do Feijó (Mercado Municipal), o da Sobreda (Solar dos Zagallos, o da Caparica (Biblioteca Municipal), o da Costa da Caparica (Av. da República nº18) e o de Almada, ao lado da Oficina da Cultura.

“A CDU de Almada tem o chavão ” força que se projecta no futuro” quem pode acreditar nestas palavras vazias de conteúdo ..quando não responde a chamada nas inaugurações dos Espaços de Cidadão no Laranjeiro, Caparica e Almada ..onde não estiveram presentes os seus Presidentes de Junta eleitos por essa força política .
A isto considera se um desrespeito para com as populações locais ..ou será que ainda continuam aziados passado mais de um ano das eleições ?
A CMA …está a cumprir com as suas promessas concretizando mais serviços locais para toda a população do concelho.”
Pedro Lucas

Na Margem: uma história do rock no Museu da Cidade

A partir de 12 de janeiro, 21h, no Museu da Cidade

Deixamos-lhe uma pequena pista do que vai poder ver nesta exposição

Neste vídeo (por ordem de imagens):

– Hugo Gomes «Osga»
– Zé Nabo
– António Manuel Riberio
– Carlão
– Carlos Santiago «Kronos»
– Zubi Fernandes
– Tim
– João Miguel Fonseca
– Miguel Paulitos

veja mais em :::> CM Almada

Cantou-se as Janeiras na Sobreda

“Cantar as Janeiras 2019, Solar dos Zagallos. Tradição que, esta, continua.
Com a participação de dezenas de dezenas de grupos, a quem saudamos.
E a organização de uma excelente e experiente equipa municipal, que aplaudimos.
Bom Ano para todos.”
#CantarasJaneiras #SolardosZagallos

António Matos

Vídeo e fotos de António Matos

João Couvaneiro


“Em Almada temos tudo!
Noite no Solar dos Zagallos a ouvir mais de 30 grupos a cantar as Janeiras.”


Fotos e vídeo de : João Couvaneiro

PCP faz contra-ataque a PS de Almada

5 DE jANEIRO 2019

Campanha contra “geringonça” de direita. Comunistas não perdoam perda de um dos seus bastiões e dizem que Inês de Medeiros “não está preparada”

Foto : José Fernandes

In Expresso – Rosa Pedroso Limada

Os cartazes estão nas ruas de Almada e deixam clara a mensagem que a CDU quer passar:
“Um ano de retrocesso. Com o PS o concelho de Almada perde!”.
Joaquim Judas, o ex-presidente da Câmara de uma das históricas autarquias que o PCP perdeu nas últimas eleições para as mãos dos socialistas, não poupa na sua sucessora.
Inês de Medeiros “não está preparada” e, pior ainda, depois de um ano à frente dos destinos da autarquia “não tem condições para compreender o que se está a passar”, afirma.
“A tensão política cresceu”, afirma o ex-autarca comunista.
Uma afirmação que, na verdade, só fica a pecar por defeito.
Basta analisar o conjunto de cartazes, panfletos e posts na página do Facebook produzidos pela delegação concelhia para perceber que o clima é de guerra aberta.
“O IMI já podia ter baixado para 0,34%, diz um dos cartazes.
Outro contraria a devolução de 0,5% do IRS de 2019, por apenas beneficiar “poucos” e ser, por isso, “o Robin dos Bosques ao contrário”.
Há ainda críticas às falhas na recolha do lixo, ao apoio à cultura e às artes e até no desenvolvimento em projectos das escolas do concelho.
“O Carnaval das escolas, a semana verde ou as marchas populares das crianças foram vítimas de uma visão elitista e arrogante que levou, em última análise, à sua não realização”, aponta a CDU de Almada.
Os comunistas, que desde a revolução democrática lideraram a autarquia de Almada, viram, no ano passado, a Câmara cair para as mãos do PS por escassos 413 votos de diferença.
Ainda por cima, a vitória da noite eleitoral foi para uma estreante absoluta das lides camarárias, Inês de Medeiros, que conseguiu um acordo com o PSD para viabilizar a gestão de Almada.
Os quatro mandatos de vereação obtidos pela CDU (tantos quantos os obtidos pelo PS) condenaram-nos, assim, a um inesperado estatuto de oposição.
Nas hostes comunistas a hora chegou para passar ao ataque.

Lamentar “profundamente”

Se a “geringonça” nacional funciona, em Almada o cenário é bem diferente.
Joaquim Judas deixou a cadeira de presidente para um lugar não executivo no governo camarário e assume as críticas diretas à nova autarca.
“O PS fez uma política de terra queimada, lançando suspeição infundadas sobre a gestão anterior e afastando quadros camarários com provas dadas”, diz ao EXPRESSO.
Para ele, o “afastamento de todos os directores municipais” tratou-se de um “saneamento inaceitável”, baseado “na suspeita de que seriam correias de transmissão da CDU”.
“Os dirigentes foram todos sujeitos a concurso”, alega Joaquim Judas.

Cartazes, sessões de esclarecimento e acções de rua. O PCP quer recuperar Almada e já começou a fazer campanha

“Lamentamos profundamente”, diz, desafiando Inês de Medeiros a cumprir a “obrigação de comunicar à vereação os resultados da auditoria instaurada à gestão camarária”.
O executivo socialista abriu um inquérito ao trabalho realizado pelos antecessores.
Joaquim Judas garante que havia “uma auditoria da Inspeção-Geral de Finanças que estava a decorrer no mandato da CDU” que já terá sido apresentada à presidente da Câmara.
“Esperemos que cumpra o seu dever de informação”.
A troca de críticas tem um objectivo político.
A direcção comunista acredita que com a gestão do PS “ houve uma paralisia” do trabalho da autarquia e até “uma redução de dois milhões de euros de receita”.
“Como o fogo de artifício, ainda há luzes no ar, mas a carga toda já explodiu”, conclui.
Mas, o alvo fica mais longe:
“Há a expectativa de recuperar a Câmara de Almada”, assume Joaquim Judas.
“Temos aqui responsabilidades que assumimos há mais de 40 anos, temos um profundo conhecimento da zona e somos quem está nas melhores condições”, diz.
A mobilização começa já. As eleições só ocorrem mesmo em 2021.
Até ao fecho desta edição (EXPRESSO) não foi possível contactar Inês de Medeiros, a autarca socialista de Almada.
rlima@expresso.impresa.pt

veja mais em :::::> EXPRESSO

A propósito da entrevista da Presidente da Câmara Municipal de Almada


03/01/2019
Comunicado CDU Almada
Alguns órgãos de comunicação social publicam hoje uma entrevista com a Presidente da Câmara Municipal de Almada na qual, uma vez mais, Inês de Medeiros incorre em confabulações relativas ao passado recente da vida do Município, a propósito das quais, e sem prejuízo de uma próxima apreciação mais detalhada, a CDU esclarece publicamente o seguinte.

Diz a Presidente da Câmara que existem hoje mais barracas em Almada do que nos anos 1990. Só o desconhecimento – porque não acreditemos que se trate de má fé – pode justificar tal afirmação. Os números são bem diferentes: de acordo com o levantamento do Programa Especial de Realojamento (PER), em 1994 existiam 2156 agregados a viver em barracas, dos quais 1588 (73%) foram realojados. No levantamento sobre necessidades de realojamento realizado em 2017, existiam 757 agregados PER. Engana-se por isso de forma grosseira a presidente da Câmara Municipal de Almada, e ao enganar-se presta um mau serviço aos munícipes que representa e aos portugueses em geral.

Diz ainda a Presidente da Câmara que o Município de Almada, durante os mandatos da CDU, não deu importância à resolução do problema da habitação social. Importa aqui sublinhar que a promoção de habitação social não é uma responsabilidade direta dos municípios, mas que ainda assim a Câmara Municipal de Almada é proprietária de cerca de 2.330 dos mais de seis mil fogos de habitação para arrendamento em condições de apoio social, sendo o Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana o principal proprietário.

Importa lembrar que no mandato anterior, de presidência CDU do Município de Almada, foram entregues mais de duas centenas e meia de habitações em regime de arrendamento social a outras tantas famílias, e que mais de 1300 agregados familiares foram preservados de ações de despejo por parte dos senhorios pela aplicação do Plano Municipal de Emergência Social que lhes garantiu as condições para honrar os seus compromissos habitacionais.

Não diz também a Presidente da Câmara que durante este seu primeiro ano de mandato,
também na área da habitação o que os almadenses registam foi um ano de retrocesso. O único facto relevante registado no domínio da habitação foi a ocupação forçada, em finais de 2018, de um número ainda indeterminado de fogos propriedade do Município que a Câmara Municipal mantinha fechados e desocupados.

Insistindo na alegação de não ter existido no passado um regulamento de atribuição de habitação social no Concelho, a Presidente da Câmara procura encontrar nessa afirmação a justificação para uma eventual política de aumento generalizado do valor das rendas sociais praticadas, e eventualmente de despejos de atuais arrendatários, a coberto de supostas e eventuais irregularidades registadas no passado.

Noutro domínio, ao abordar as deficientes condições atuais da travessia do rio Tejo entre Almada e Lisboa, a Presidente da Câmara não assume, como seria seu dever, a defesa intransigente do serviço público e da sua urgente e necessária qualificação, respondendo de forma evasiva à questão colocada sobre as dificuldades vividas atualmente.

Sobre a necessidade da construção da terceira travessia do Tejo, omite a já estudada e prevista solução da travessia entre o Barreiro e Chelas, com amplo consenso na Península de Setúbal e Área Metropolitana de Lisboa, admitindo ainda que vagamente outras soluções até ao momento não equacionadas nem ponderadas.

A entrevista da presidente da Câmara Municipal de Almada a alguns órgãos de comunicação social hoje publicada confirma apenas a justiça da afirmação da CDU que com o PS o Concelho de Almada perde, e que este primeiro ano de mandato do PS foi um ano de claro retrocesso.

Almada, 3 de Janeiro de 2019
CDU Almada

“A pressão imobiliária sobre Lisboa pode aumentar os bairros de lata em Almada”

3 de Janeiro 2019

Em entrevista à Renascença e ao “Público”, Inês de Medeiros, presidente da Câmara de Almada, critica a herança que recebeu da CDU: “Permanecer muito tempo no poder dá sempre mau resultado.”

O Governo até tem muitos ministros da Margem Sul, mas não está a perceber a urgência com que é preciso resolver a ligação a Lisboa, diz a presidente da Câmara de Almada em entrevista à Renascença e ao “Público”. Além dos transportes, Inês de Medeiros olha para a habitação e para a erradicação das barracas como um problema em que também é preciso que o Governo se envolva.

Diz que Almada tem problemas endémicos, mas Almada foi governada durante 40 anos pelo mesmo partido. O que a surpreendeu nessa herança?
Houve questões ideológicas que fizeram com que Almada perdesse uma série de oportunidades e de comboios. Uma das questões mais flagrantes tem a ver com a habitação. A CDU sempre considerou que a habitação era um problema central e só acessoriamente era municipal. Havia um descartar de responsabilidades ou porque era do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana (IHRU) ou do Porto de Lisboa ou do Governo central. Havia uma tentação de limitar aquilo que eram as responsabilidades municipais. Vê-se a dificuldade do PCP relativamente ao diploma da descentralização.

Essa tentativa de desresponsabilização sucessiva criou problemas. No caso da habitação, não havia um regulamento de atribuição municipal, não havia um levantamento sólido de quem são aquelas pessoas, não havia nenhum tipo de fiscalização. O PER foi cumprido a 60%. Almada nunca conseguiu acabar com as suas barracas e não sei até que ponto houve um empenhamento real nisso. Neste momento, temos mais do que tínhamos nos anos 90.

Como vai resolver o problema do bairro de lata Segundo Torrão?
Não é só no Segundo Torrão, mas também nas terras da Costa – e a pressão imobiliária sobre Lisboa faz com que corramos o risco de ver aumentados os bairros de lata. Não é um problema que Almada possa resolver sozinha. Vamos ter que a certa altura construir novos programas com a secretaria de Estado da Habitação. Vamos finalizar a estratégia a cinco anos que temos que apresentar ao Governo, vamos possibilitar que privados que tenham habitações em más condições possam eles próprios candidatar-se e temos que arranjar programas de renda acessível como em Lisboa.

Falou do problema da pressão imobiliária de Lisboa. Almada já sente esses efeitos?
Já. O IMT aumentou imenso. Houve um grande movimento de reabilitação e novas transações. Depois, vê-se que, por exemplo, Cacilhas tem muitos novos habitantes. Felizmente estamos mais com alugueres de longa duração e aquisição mas não quer dizer que não venhamos a ter mais Airbnb, mas deve ficar concentrado nas zonas mais junto ao rio. Sente-se também no aumento de preços de venda e arrendamento.

Como acompanha o problema da falta de oferta dos barcos da Transtejo?
Com grande preocupação. Tenho falado com a empresa e com o Governo. Vão ser lançados concursos para a compra de novos barcos mas são processos longos. Nós temos um problema imediato. Não faz sentido continuar a adiar um investimento prioritário. É preciso arranjar uma solução alternativa, seja aluguer de barcos.

A administração central não está a olhar para a Margem Sul?
Tem olhado. Há vários ministros da Margem Sul (risos). Não estão a perceber talvez a urgência até porque a ponte 25 de Abril vai entrar em obras de manutenção.

Continua a faltar a terceira ponte.
A terceira travessia. Não sei se é ponte ou túnel. No imediato, entre a ponte e o túnel é o barco. É preciso que a Transtejo arranje navios. É preciso garantir um aumento significativo das travessias e é preciso pensar algumas travessias. Belém (que faz ligação a Trafaria e Porto Brandão), por exemplo, é o sítio menos prático que existe. Era importante ligação a Cais do Sodré ou Alcântara ou até Algés, que fosse parar a um interface.

A ponte 25 de Abril vai entrar em obras. Foram previstas alternativas?
As obras serão feitas em período nocturno e aos fins-de-semana. No Verão, arrisca-se a ser um bocadinho mais complicado. O período muito longo para as obras deve-se ao facto de os períodos em que se pode trabalhar serem muito reduzidos. Independentemente das obras, a ponte chegou a um limite. Não dá para aumentar. A prioridade é investir nos barcos e encontrar uma resposta rápida que passa por mais navios e por repensar as rotas das ligações fluviais. A estrutura para o túnel do lado de Almada já foi toda feita, como do lado de Algés. Só falta o túnel. Já que a estrutura está feita vamos aproveitar para fazer a ligação por barco.

O presídio da Trafaria foi uma prisão política no tempo do salazarismo. Quer lá fazer um grande Instituto de Artes e Tecnologia. Esse projecto conta com o apoio das restantes forças políticas? Qual a melhor maneira de preservar a memória?

O PCP não pode falar de preservar a memória. Convido-a a ir visitar a Celas. Com o estado de degradação em que está é um bocado irónico ter o PCP preocupado com a memória. As celas têm graffitis, ratos Mickeys. Inscrições de presos, já não há nem uma. Estamos em conversações com a Universidade Nova, sendo que a parte das celas continuará sob domínio da câmara e será reabilitado. Se há uma força política que não pode vir com essa preocupação da história, dado o estado absolutamente deplorável a que deixaram chegar o presídio é o PCP.

No balanço de um ano de mandato, disse que a CDU é “mau patrão” e que encontrou “um clima de medo”. De que forma?

Fiquei muito impressionada, de facto, com as condições de trabalho dos nossos trabalhadores. Falo de coisas tão básicas como o facto de os balneários femininos, no caso dos viveiros, nem sequer terem uma cortina. Noutros locais, há trabalhadores em contentores. É uma situação que me chocou muito. Eu faço parte da geração das crianças de Abril. Tenho um imenso respeito pelo PCP e pelo seu papel. Para mim, nem sequer é muito fácil ter este discurso, mas que é um discurso de verdade, e que eu nem estava à espera de encontrar. Estava à espera de encontrar aquele lado mais conservador, uma coisa muito organizada. Permanecer muito tempo no poder perverte sempre o sistema democrático, as prioridades políticas. Não é tanto a questão do PCP ou da CDU. Felizmente agora há limitação de mandatos. Este permanecer no poder durante tanto tempo dá sempre mau resultado.

Daí o clima de medo de que fala?
Penso que sim. Isto atrai uma grande informalidade e não é só a vereação que se mantém no poder mas os próprios dirigentes e depois relações muito próximas e um domínio com um sistema de apoios públicos que não era condizente com a boa gestão pública.

Veja mais em :::> RENASCENÇA

Almada – Intervenções avançam nas habitações sociais municipais

19/12/2018

A presidente da Câmara Municipal, Inês de Medeiros, visitou esta quarta-feira, 19 de dezembro, alguns fogos de habitação social municipal que estão a ser requalificados.

As obras de reabilitação do parque habitacional municipal já arrancaram, numa empreitada de grande dimensão que irá prolongar-se pelos próximos meses.

São intervenções nos apartamentos de habitação social que ficam depois disponíveis para o realojamento de famílias em situação de vulnerabilidade socioeconómica, inscritas no Programa Municipal de Acesso à Habitação Social,

As casas intervencionadas localizam-se nas freguesias do Feijó, Caparica, Costa da Caparica e Laranjeiro.

Presidente da Câmara visita fogos municipais
Esta quarta-feira, a presidente da Câmara Municipal de Almada (CMA), Inês de Medeiros, acompanhada pela vereadora com o Pelouro da Habitação na CMA, Teodolinda Silveira, deslocou-se a três dos fogos que estão a ser intervencionados.

A autarca almadense aproveitou a ocasião para visitar também uma família que vive numa habitação precária, na Caparica, e que se encontra na lista prioritária de realojamento.

Paralelamente a estas intervenções, o Município de Almada está a fazer o levantamento da situação do parque habitacional municipal, bem como da situação socioeconómica dos seus residentes, a partir do qual se pretende implementar uma política de gestão do mesmo.

O Orçamento da CMA para 2019 duplica o investimento destinado ao parque habitacional municipal face ao ano de 2018.

veja mais em ::::> CMA

Guinness oficializa recorde da maior aula de surf do mundo na Fonte da Telha

19/12/2018

Tiago Pires juntou 327 surfistas. “Estou muito satisfeito”, garante.

O português Tiago Pires viu reconhecida pelo livro de recordes do Guiness “a maior aula de surf” do mundo, ao juntar 327 surfistas na praia da Fonte da Telha, anunciou esta quarta-feira a organização da iniciativa. “Estou muito satisfeito com o contributo das escolas de surf e dos surfistas em geral que se inscreveram nesta aula de surf. O facto de termos batido este recorde do Guinness é mais uma prova da força que este deporto tem em Portugal”, disse Tiago Pires. O recorde foi estabelecido em 23 de junho, na praia da Fonte da Telha, no concelho de Almada, com uma aula de surf conjunta, solidária com a Operação Nariz Vermelho, de solidariedade social com os serviços pediátricos dos hospitais portugueses. Na aula participaram 327 pessoas, batendo o recorde que pertencia a Sydney, na Austrália, na praia de Bondi, quando 320 pessoas entraram na água para uma aula de surf. Na iniciativa promovida em junho, em Portugal, foram convidadas cerca de 300 escolas de surf, de norte a sul do país, e disponibilizadas 50 aulas avulso para quem quisesse participar na iniciativa. Relacionadas Sociedade Portugal quer entrar no Guiness com maior aula de surf do mundo Fotogaleria Portugal quer entrar no Guiness com maior aula de surf do mundo

Ler mais em: Correio da Manhã

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.