Câmara Municipal do Seixal contra o agravamento das condições de acesso aos cuidados de saúde

seixal
A Câmara Municipal do Seixal aprovou ontem, em reunião de Câmara, uma tomada de uma posição contra o agravamento das condições de acesso da população do Seixal aos cuidados de saúde. A Autarquia considera que nas últimas décadas se tem vindo a assistir à degradação dos serviços públicos de saúde, com o encerramento de serviços, a concentração de valências e departamentos, a diminuição dos horários de funcionamento das unidades de saúde e com a falta de investimentos que permitam qualificar o Sistema Nacional de Saúde.

A falta de meios e equipamentos de saúde no Concelho do Seixal, onde sobressai os mais de 40 mil utentes sem médico de família e a insuficiente capacidade de resposta do Hospital Garcia de Orta (HGO), bem como a não construção do Hospital no Concelho do Seixal, têm significado um prejuízo acrescido para os doentes e população da região.
Quando o quadro existente fazia pressupor a necessidade urgente de medidas por parte do Governo para ultrapassar a situação atual, a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), por orientação do governo, não considerou, no quadro do concurso para preenchimento de 70 vagas de Médicos de Família, qualquer vaga destinada às Unidades de Saúde dos Concelhos do Seixal e Almada, não obstante o respetivo agrupamento ser atualmente um dos mais carenciados em termos de recursos humanos em toda a ARSLVT.
A Câmara Municipal do Seixal expressa, por esta via, a mais profunda contestação a esta decisão da ARSLVT, que prejudicará ainda mais o acesso aos cuidados de saúde primários às populações dos Concelhos do Seixal e Almada.
Esta medida do Governo é demonstrativa do desrespeito pelas populações de Seixal e Almada que através das suas comissões de utentes e órgãos do Poder Local Democrático têm solicitado insistentemente junto do Ministro da Saúde, Paulo Macedo, uma reunião para uma discussão deste grave problema e que não só têm sido ignorados, como agora parecem ser discriminados pela persistência na reivindicação por melhores cuidados de saúde para as populações do Seixal e Almada, nomeadamente a urgente construção de um hospital público no Concelho do Seixal.
A Câmara Municipal insiste ainda junto do Ministro da Saúde que receba os Presidentes de Câmara e Assembleia Municipal do Seixal, Almada e Sesimbra, conforme os pedidos de reunião de 19 de Dezembro de 2013 e de 14 de Março de 2014, até ao momento sem agendamento e manifesta o seu profundo desagrado pela não colocação de Médicos de Família no Concelho do Seixal, potenciando o governo dessa forma, o agravamento das condições de acesso a cuidados de saúde da população do Município.

Fonte – CMS

Veja mais em ::::> ROSTOS

Comments are closed.

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.