Hospital do Seixal perde 12 camas para cuidados paliativos

Ministério da Saúde opta por retirar serviço de cuidados a doentes em fase terminal

A Adenda ao Acordo Estratégico de Colaboração para o lançamento do hospital do Seixal, assinada este sábado, suscita críticas junto da comissão de utentes local. Os cuidados paliativos ficam fora dos planos para o equipamento, ou seja, quem necessite daquele serviço vai continuar a depender do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

“Em 2009, no mesmo documento, estavam previstas 12 camas para os cuidados paliativos. Neste novo acordo essas camas e esses cuidados simplesmente deixaram de existir e isso não é razoável”, explica José Luísa, da Comissão de Utentes da Saúde do Concelho do Seixal. Apesar de merecer reparos naquele âmbito específico, o documento foi esta sexta-feira assinado pelo presidente da Câmara Municipal do Seixal, Joaquim Santos, e homologado pelo ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, presente na cerimónia. “Decidimos que mais vale assegurar a construção do hospital, pelo celebrar deste acordo, na esperança de que estas alterações possam ser pensadas no futuro”, garantiu o autarca.

Adalberto Campos Fernandes, que visitou o terreno onde ficará instalado o equipamento, garantiu que a celebração do acordo para a construção do hospital do Seixal é um dia feliz para o Serviço Nacional de Saúde (SNS). “É um dia feliz, sobretudo para o SNS. O Garcia de Orta está subdimensionado, este é um concelho muito jovem e o SNS tem de se adaptar a essa realidade”, afirmou. O hospital do Seixal estará concluído em 2021, no Fogueteiro, num investimento total de 60 milhões de euros.

Ler mais em: Correio da Manhã

Comments are closed.

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.