Category: Moita

Moita – Presidente da Câmara atribui Pelouros a todas as forças politicas

31 de Outubro 2017

Pela primeira vez desde o 25 de Abril, sublinha o PS Moita


Ao PS, que elegeu 3 Vereadores e foi a segunda força mais votada, apenas foi destinado um Pelouro e com meio-tempo para o respetivo desempenho, ficando os restantes 2 vereadores do PS sem qualquer Pelouro.
Ao BE, a 3ª força mais votada, foi também atribuído apenas meio-tempo para o seu Pelouro.

Esta decisão não é, pois, a que melhor respeita a vontade expressa pelos eleitores, atribuindo maiores responsabilidades à força politica em que, no concelho da Moita, menos eleitores votaram (PSD+CDS+MPT).

Comissão Politica do Partido Socialista da Moita
QUANDO OS ÚLTIMOS SÃO OS PRIMEIROS

Nas Eleições Autárquicas do passado dia 1 de outubro, o PS no concelho da Moita obteve o melhor resultado global desde 2001, obtendo a confiança de cerca de 29% da vontade dos cidadãos que foram votar, sinónimo da confiança nos projectos e nas candidaturas que apresentamos.

O PCP/CDU, que durante mais de 41 governou o concelho com maioria absoluta, teve o seu pior resultado de sempre ( -6,5%), perdendo 1 Vereador, a maioria absoluta na Câmara Municipal e nas Juntas de Freguesia da Moita e Alhos Vedros e mandatos na Assembleia Municipal e na Assembleia de Freguesia da União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira.
Estes resultados são, pois, indissociáveis de uma forma de exercer o poder caracterizada por uma postura autoritária, arrogante e de inação, e representam a rejeição dessa postura.

Estamos perante uma mudança de paradigma e uma manifestação de vontade por parte dos munícipes que terá de ser devidamente interpretada e respeitada pelos seus representantes nos órgãos autárquicos.
Preocupante, continua a ser a elevada taxa de abstenção no nosso concelho (57%) que, apesar da ligeira diminuição, foi a maior do distrito a exigir respostas adequadas por parte dos eleitos e das instituições no sentido de promover a participação política dos cidadãos.

Entretanto, instalados os órgãos autárquicos, a Câmara Municipal ficou assim constituída:
4 membros do PCP/CDU; 3 do PS; 1 do BE e 1 da coligação Merecemos Mais que juntou o PSD, o CDS e MPT.
Pela primeira vez desde o 25 de Abril, o Presidente da Câmara decidiu atribuir Pelouros a todas as forças politicas representadas naquele órgão autárquico, interpretando a nova realidade que a mudança impôs.
Para desempenho das funções que cabem a cada Pelouro são atribuídos tempos de trabalho aos respetivos Vereadores.

No caso presente, seguindo uma interpretação bastante sui generis dos resultados eleitorais, não pode deixar de causar estranheza ter sido atribuído ao Vereador da coligação que juntou o PSD, CDS e MPT, um tempo inteiro para desempenho das funções do Pelouro atribuído, uma vez que foi a força politica que menos votos arrecadou para o órgão Câmara Municipal.

Ao PS, que elegeu 3 Vereadores e foi a segunda força mais votada, apenas foi destinado um Pelouro e com meio-tempo para o respetivo desempenho, ficando os restantes 2 vereadores do PS sem qualquer Pelouro.
Ao BE, a 3ª força mais votada, foi também atribuído apenas meio-tempo para o seu Pelouro.

Esta decisão não é, pois, a que melhor respeita a vontade expressa pelos eleitores, atribuindo maiores responsabilidades à força politica em que, no concelho da Moita, menos eleitores votaram (PSD+CDS+MPT).
Simultaneamente menoriza o papel do PS, o maior partido da oposição no concelho, o que constitui uma solução difícil de entender, ao preterir um efetivo reforço da representatividade democrática daquele órgão, questionando-se a razão de tal opção.

Pela parte dos vereadores do PS, com Pelouro e sem Pelouro, o compromisso é acima tudo para com as pessoas, pela elevação do nosso Concelho ao patamar que lhe é devido, valorizando o seu potencial para que cada um possa nele desenvolver o seu projeto de vida, pelo que iremos cumprir o mandato que nos foi confiado nos termos do programa que apresentámos e que consubstancia o nosso projeto, procurando sempre ouvir as pessoas e dar resposta aos seus anseios e preocupações.”

Secretariado da Concelhia do Partido Socialista da Moita

Veja mais em ::::> :> Rostos

Moita alerta para aves e peixes mortos no rio

23 de Outubro 2017

Habitantes denunciam mais mortes de animais. Primeiro caso detetado em julho.


A população da Moita voltou a alertar para a morte de aves e peixes na confluência do rio com a Caldeira da Moita, precisamente o mesmo local onde em julho um grande número de animais morreu repentinamente. Na altura, o Ministério da Agricultura garantiu ao Correio da Manhã que enviou amostras de aves para análise e, posteriormente, a autarquia da Moita apontou o botulismo como estando na origem das mortes. Confrontada com a nova denúncia, a Câmara Municipal da Moita garantiu não ter conhecimento de mais casos e afiançou que tem analisado as águas do rio com frequência, sem resultados preocupantes. “Os serviços têm vindo a acompanhar a situação, em contacto permanente com as entidades ambientais responsáveis, mantendo-se os resultados das análises realizadas à água da Caldeira da Moita sem qualquer indício de contaminação que ameace a vida das aves ou outros animais”, garante fonte da autarquia. Durante a primeira vaga de mortes de aves e peixes naquela Caldeira, a Quercus chegou a ponderar descargas ilegais de poluentes ou envenenamento como causas possíveis para explicar o fenómeno. “Há que perceber se foi uma descarga ilegal de alguma fábrica, se foi envenenamento”, afirmou ao CM Paulo do Carmo, dirigente da associação ambientalista. No entanto, semanas depois, os resultados das análises peddidas pela Câmara Municipal da Moita viriam a confirmar botulismo, uma intoxicação alimentar rara como a causa da mortandade de aves e peixes na Caldeira da Moita, junto ao largo da Feira.

Veja mais em :::> Correio da Manhã

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/cidades/detalhe/moita-alerta-para-aves-e-peixes-mortos-no-rio

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/portugal/cidades/detalhe/moita-alerta-para-aves-e-peixes-mortos-no-rio

SETÚBAL Protecção civil e bombeiros avisam para perigo de cheias devido a chuva prevista para hoje

16 de Outubro 2017

Distrito está sob aviso Amarelo até às 21 horas com previsão de períodos de chuva forte. Protecção civil municipal lembra que há muitas zonas da cidade vulneráveis a cheias, como Praça do Brasil, Bairro do Montalvão, largos de Jesus e da Misericórdia ou a Praça do Bocage

O Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros de Setúbal adverte para a necessidade de adopção de medidas de prevenção em face da previsão de condições meteorológicas adversas com períodos de chuva forte ao longo do dia desta segunda-feira que podem provocar “cheias rápidas” nalgumas zonas da cidade.

O distrito de Setúbal está sob aviso Amarelo, emitido pelo Instituto Português do Mar e da Atmosfera (IPMA) devido à previsão de períodos de chuva que podem ser fortes e acompanhados de trovoadas. Estas condições, que devem ocorrer até às 21 horas de hoje, devem-se à passagem de uma superfície frontal fria que está a deslocar-se lentamente.

Em comunicado emitido esta manhã, a protecção civil municipal recorda que a chuva forte conjugada com a preia-mar, que será às 13h29), aumenta “consideravelmente” o risco de inundações e alerta para a “possibilidade de cheias rápidas em meio urbano por acumulação de águas pluviais ou insuficiências dos sistemas de drenagem e de inundação por transbordo de linhas de água”.

As zonas historicamente mais vulneráveis a inundações são, de acordo com Serviço Municipal de Protecção Civil e Bombeiros de Setúbal, a Praça do Brasil, Rua Amílcar Cabral, Praceta Fernando Alcobia, Praceta Quinta do Freixo, Rua do Mormugão, Avenida Dr. Manuel Gamito, Praceta Manuel Nunes de Almeida, Quinta do Quadrado, Rua Alexandre Herculano, Rua Almeida Garrett, Bairro Salgado, Rua da Escola Técnica, Avenida 22 de Dezembro, Estrada da Algodeia, Bairro do Montalvão, Avenida dos Combatentes, Largo de Jesus, Avenida 5 de Outubro, área entre a Avenida 5 de Outubro e o Largo da Misericórdia e Praça de Bocage.

A protecção civil recomenda a adopção de medidas preventivas e de autoprotecção, designadamente a desobstrução dos sistemas de escoamento das águas pluviais e retirada de inertes e outros objectos que possam ser arrastados ou criem obstáculos ao livre escoamento das águas.

É recomendada também uma “condução defensiva”, com velocidade reduzida devido à possibilidade de existência de lençóis de água nas estradas e buracos no pavimento ou tampas de esgotos levantadas.

Veja mais em ::::> Diário da Região

Regata une Lisboa à Moita

8 de Outubro 2017

Espetáculo “único no Tejo” acontece desde 1845 e conta com a participação de dezenas de embarcações.

Dezenas de embarcações engalanadas cumpriram ontem a 172ª edição da Real Regata de Canoas, no rio Tejo. A prova, organizada pela associação Marinha do Tejo, teve como ponto de partida a zona da antiga praia de Pedrouços, na frente ribeirinha de Lisboa, e terminou no cais da Moita. Este espetáculo “único no Tejo” acontece desde 1845 e conta com a participação de dezenas de embarcações, como canoas, catraios, varinos, faluas e botes de fragata. Nesta prova, as embarcações podem optar por participar na competição ou percorrer o rio a passeio. Este ano, foram realizados rastreios visuais na zona de chegada.

Ler mais em: Correio da Manhã

SETÚBAL: CDU PERDE TRÊS BASTIÕES PARA PS


Não é o distrito onde a CDU tem o maior número de perdas, mas é aquele onde a derrota terá certamente maior impacto (pela dimensão populacional e pela carga simbólica dos concelhos em causa para os militantes comunistas). Barreiro, Almada e Alcochete são agora presididos pelo PS (no sismo sofrido na Península de Setúbal, os comunistas perderam ainda a maioria absoluta em Palmela e Seixal). A CDU continua a ser a força com mais câmaras no distrito (oito), é verdade. Mas o PS, que só tinha um município na margem ribeirinha (Montijo), tem agora mais três nessa faixa (e ainda um quinto concelho mais a Sul, Sines). Com o rombo sofrido no distrito, os comunistas deixaram de ser o partido com mais câmaras na Área Metropolitana de Lisboa, da qual fazem parte 18 municípios dos dois lados do rio.

Veja mais em :::> EXPRESSO

“Tarde do Fogareiro” junta 10 mil pessoas na Moita

A “Tarde do Fogareiro”, que decorreu no dia 15 de Setembro, à tarde, juntou 10 mil pessoas, sendo um dos momentos altos das Festas em Honra de Nossa Senhora da Boa Viagem, na Moita.


A seguir à largada, assim que são recolhidos os touros, a avenida Dr. Teófilo Braga, transforma-se num enorme espaço de convívio e animação: as mesas são montadas, os fogareiros acesos, os amigos chegam e a animação começa com comes e bebes. O Grupo de Bombos de Santa Maria de Jazente de Amarante, a Charanga Musical Huga-Huga, do Rosário, e o “Fogareiro Eléctrico”, com Nélio Pinto, completaram esta tarde de convívio e boa disposição.

Para o presidente da Câmara Municipal da Moita, Rui Garcia, a “Tarde do Fogareiro”, decorreu “bem, com uma boa participação, como é habitual, com a avenida repleta de gente um ambiente agradável”. “Faço um balanço positivo, tornou-se um símbolo das Festas da Moita com gente que vem de outros municípios, com uma grande massa de pessoas a participar”, concluiu o edil.

Veja mais em ::::> Setúbal Mais

Concurso prevê reforço de médicos de família na Península de Setúbal

Para a Península de Setúbal estão previstos mais de 50 médicos de medicina geral e familiar: 17 para o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal, 18 para o ACES Arco Ribeirinho e 18 para o ACES Arrábida. Estas vagas, a serem preenchidas, vão permitir a atribuição de médico de família a mais cerca de 90 mil utentes.

O concurso para a contratação de recém-especialistas de Medicina Geral e Familiar já foi aberto. Das 218 vagas previstas para a Administração Regional de Saúde de Lisboa e Vale do Tejo (ARSLVT), quase 25% são para a Península de Setúbal, o que permitirá aumentar o número de utentes com médico de família atribuído.
Para a Península de Setúbal estão previstos mais de 50 médicos de medicina geral e familiar: 17 para o Agrupamento de Centros de Saúde (ACES) Almada-Seixal, 18 para o ACES Arco Ribeirinho e 18 para o ACES Arrábida. Estas vagas, a serem preenchidas, vão permitir a atribuição de médico de família a mais cerca de 90 mil utentes.
Este concurso dá continuidade ao compromisso assumido pela ARSLVT de melhorar a resposta assistencial aos utentes, garantindo o acesso a cuidados de saúde de qualidade, adequando os recursos disponíveis às necessidades em saúde. Este trabalho tem passado por reforçar, sempre que possível, o número de profissionais nas várias unidades. Destaca-se, por exemplo, o reforço feito recentemente no Centro de Saúde da Baixa da Banheira, com mais horas médicas.
O Aviso n.º 10362/2017 foi publicado no dia 11 de setembro em Diário da República e determina a abertura de um procedimento concursal nacional para o preenchimento de 290 postos de trabalho para a categoria de assistente, em medicina geral e familiar, em todo o país.
Na semana passada já tinha sido publicado em Diário da República o Despacho n.º 7810/2017, que identificava os serviços e estabelecimentos de saúde e respetivas unidades funcionais classificados como carenciados, na área de medicina geral e familiar, tendo em vista a abertura do concurso.

Veja mais em ::::> Rostos

Forcado Fernando Quintela morre após uma colhida de um touro na Moita

16/09/2017

O forcado dos Amadores de Alcochete Fernando Quintela, de 26 anos, morreu na madrugada de hoje no hospital de São José, em Lisboa, na sequência de uma colhida de um touro.

O jovem, que pegava de caras na sexta-feira à noite, na Praça de Touros Daniel Nascimento, no decorrer de uma corrida foi ferido com gravidade por um touro pertencente à ganadaria de Prudêncio, com 530 quilos.

Fernando Quintela foi imediatamente assistido na enfermaria da Praça de Touros tendo mesmo sido socorrido pela equipa da VMER (Veículo de Emergência do INEM) e transportado para a unidade hospital de Lisboa, onde não resistiu às fortes hemorragias internas.

O acidente que vitimou o forcado ocorreu na última corrida de toiros inserida na Feira Taurina da Moita, a maior do país, num concurso de ganadarias onde foram lidados toiros de Murteira Grave, Ascensão Vaz, Prudêncio, António Silva, Fernandes de Castro e Veiga Teixeira.

Nessa noite, em praça estiveram os cavaleiros João Moura Jr., João Telles Jr. e Francisco Palha, bem como os forcados de Évora e Alcochete.

À família e ao grupo de forcado de Amadores de Alcochete o DIÁRIO DA REGIÃO apresenta as suas mais sentidas condolências.

Veja masi em :::> Diário da Região

Moita-Antiga Fábrica do Sal Vai nascer uma superficie comercial

Nas instalações da antiga Fábrica do Sal e da empresa FIAT, na freguesia da Baixa da Banheira, concelho da Moita, segundo informação que obtivemos vai nascer uma nova superficie comercial

As antigas instalações da Fábfica do Sal, que muitos referem como sendo do Lavradio, ficam localizadas na freguesia da Baixa da Banheira, concelho da Moita.

Durante alguns anos aquele equipamento esteve ao abandono, entretanto estão a decorrer obras, e, por essa razão diversos leitores têm questionado sobre o que ali vai nascer.

Segundo contacto que estabelecemos com Nuno Cavaco, presidente da União de Freguesias da Baixa da Banheira e Vale da Amoreira, naquele local vai ser instalada uma loja do grupo Continente e também uma loja de venda de produrtos chineses.

Veja mais em ::::> Rostos

Trabalhadores da Amarsul avançam com dois dias de greve

Trabalhadores exigem o aumento dos salários e subsídios.

s trabalhadores da Amarsul, responsável pelo tratamento e valorização dos resíduos urbanos da margem sul, vão realizar dois dias de greve, exigindo o aumento dos salários e o respeito dos direitos inscritos no acordo de empresa, anunciou hoje o sindicato. “Os trabalhados da Amarsul vão realizar uma greve das 00h00 às 24h00 do dia 14 e das 00h00 às 24h00 do dia 16”, anunciou o Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (Site-Sul). Segundo o sindicato, os trabalhadores exigem o aumento dos salários e subsídios, o respeito dos direitos inscritos no acordo de empresa e defendem a reversão da privatização dos serviços de tratamento e valorização de resíduos. Segundo o documento do pré-aviso de greve, os trabalhadores estão também “contra a continuada distribuição de dividendos impostas pelo acionista maioritário Mota-Engil SA da riqueza criada pelos trabalhadores e pela distribuição das mais-valias criadas de formas justa e equitativa”. Em julho de 2015, a Amarsul passou a integrar o grupo Mota-Engil por via da aquisição da Empresa Geral de Fomento (EGF), detentora de 51% do capital social da Amarsul. A Amarsul é responsável pelo tratamento e valorização dos resíduos urbanos dos nove municípios da Península de Setúbal (Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal).

Ler mais em: http://www.cmjornal.pt/sociedade/detalhe/trabalhadores-da-amarsul-avancam-com-dois-dias-de-greve

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.