Category: Nacional

Portugal passará para ‘estado de calamidade’ a partir de 4 de Maio

Por Carmo Torres -Abril 30, 20200178

António Costa falou aos portugueses após o Conselho de Ministros que aprovou “um plano de transição do estado de emergência para o estado de calamidade a partir da próxima segunda-feira, 4 de Maio”.

António Costa falou aos portugueses após o Conselho de Ministros que aprovou “um plano de transição do estado de emergência para o estado de calamidade a partir da próxima segunda-feira, 4 de Maio”.

Segundo o primeiro-ministro “estas últimas semanas têm parecido uma eternidade, mas apenas se completa este sábado dois meses desde o primeiro caso detectado em Portugal, e graças ao esforço de contenção de todos os portugueses, foi possível que a pandemia regista-se uma evolução positiva nestes dois meses, em que a curva de crescimento exponencial prevista, contrasta com a realidade.

Ao longo destes dois meses foi possível verificar uma diminuição do risco de transmissibilidade que chegou a atingir 2,53% (cada contaminado poderia contaminar 2 ½ pessoa) passou para 0,92% em todas as regiões do país. E em relação ao número de óbitos, também se atingiu uma estabilização, e o número de doentes recuperados tem vindo a aumentar significativamente.”

Perante isto “não se justificava renovar o estado de emergência, mas isto não quer dizer que a pandemia esteja ultrapassada e o risco não seja elevado, pelo que temos de continuar a combater activamente a pandemia. Temos de manter um nível de contenção elevado mas o Governo entendeu que era o momento de descer um degrau na escala de risco, para estado de calamidade, embora com pequenos passos.

Apesar de tudo, não iremos continuar a nossa vida ‘normal’, e por isso ninguém pode interpretar o estado de emergência como o fim da emergência sanitária e que nos liberta do dever cívico de manter a distancia, e métodos de higienização.”

António Costa afirmou ainda que “temos a garantia por parte da indústria e dos grandes distribuidores de que passaremos a dispor de máscaras em abundância e acessíveis nos supermercados, e que o SNS tem a sua estrutura consolidada, por isso avançamos para o estado de calamidade.

Mas temos a consciência de que há medida que vamos reabrindo um conjunto de actividades, o risco de transmissão vai aumentar, o que exige maior responsabilidade de todos nós.

Veja mais em ::::> Diário do Distrito

Ministério da Educação esclarece – São extemporâneas quaisquer afirmações sobre avaliação final do terceiro período

A prioridade durante estas duas semanas, antes das férias da Páscoa, tem sido estabelecer mecanismos não presenciais com os alunos, tendo especial relevo o arrancar deste processo e a especial atenção aos alunos em situação de maior vulnerabilidade.

O Ministério da Educação esclarece que são extemporâneas e meramente conjeturais quaisquer afirmações sobre a avaliação final do terceiro período. A prioridade durante estas duas semanas, antes das férias da Páscoa, tem sido estabelecer mecanismos não presenciais com os alunos, tendo especial relevo o arrancar deste processo e a especial atenção aos alunos em situação de maior vulnerabilidade.

O Ministério da Educação continua a trabalhar proativamente para que este tempo de exceção decorra com a responsabilidade necessária, minimizando os impactos necessariamente existentes para todos numa situação como a que vivemos.

veja mais em ::::> JORNAL ROSTOS

Trezentos trabalhadores descontentes com condições laborais na Câmara de Almada

24 de Janeiro 2020

Os funcionários estiveram reunidos esta manhã em plenário

Cerca de 300 trabalhadores estão descontentes com as condições laborais na Câmara de Almada, no distrito de Setúbal, devido ao fim da antecipação do subsídio de férias e ao pagamento do salário a hora incerta, informou hoje fonte sindical.

Os funcionários estiveram reunidos esta manhã em plenário e, segundo o presidente do Sindicato dos Trabalhadores do Concelho de Almada (distrito de Setúbal), Aníbal Moreira, há um grande descontentamento, porque a instituição, “em vez de dar, está a tirar”.

“A ordem de trabalhos era aliciante e preocupante ao mesmo tempo, especialmente num dos pontos, que foi a decisão de não-pagamento dos subsídios de férias aos trabalhadores sem aviso prévio”, indicou.

Na semana passada, o sindicato tinha denunciado que a autarquia não avisou “atempadamente” que o subsídio de férias passaria a ser pago a todos os funcionários no mês de junho, anualmente, o que foi uma “surpresa desagradável” para quem já tinha marcado dias de descanso nos primeiros meses do ano e estava a contar com o montante.

No entanto, numa resposta escrita enviada à Lusa, a Câmara de Almada esclareceu que se está a reger pela Lei Geral do Trabalho em Funções Públicas, em que “o subsídio de férias tem de ser pago em junho, exceto quando o trabalhador adquire o direito a férias em momento posterior”.

Outro dos temas “alvo de grandes críticas”, segundo Aníbal Moreira, foi o pagamento dos salários que não tem sido feito a uma hora certa, “complicando a vida dos trabalhadores”.

“Tenho 29 anos de câmara e sempre foi pago o vencimento numa hora certa, mas agora não e isso causa grandes transtornos aos trabalhadores. Antigamente às 00:00 do dia 25 tínhamos o vencimento, mas agora não”, relatou.

Aliás, segundo o sindicalista, devido a esta alteração de procedimento há uma trabalhadora que “quase todos os meses paga 13 euros de juros no pagamento do carro porque o dinheiro não está disponível quando devia estar”.

A juntar a esta situação há ainda “o problema do Sistema Integrado de Gestão e Avaliação do Desempenho na Administração Pública (SIADAP)”, uma vez que o município “não cumpre prazos”.

Por agora, o sindicato vai “solicitar uma reunião” com a presidente da Câmara de Almada, Inês de Medeiros (PS), para que seja revogado o fim da antecipação do subsídio de férias e para que o pagamento dos salários retorne ao procedimento anterior.

No entanto, afirma que “vai mobilizar os trabalhadores em função das respostas” que obtiverem.

“Caso estas situações não sejam resolvidas, vamos mobilizar os trabalhadores para os Paços do Concelho e fazer uma manifestação, que estamos a apontar já para o início de fevereiro”, avançou o dirigente.

Lusa

Veja mais em ::::>Diário da Região

Almada ajuda Moçambique

O Hospital Particular de Almada (Elvas) está a recolher donativos para ajudar Moçambique a recoperar da catastrofe causada pelo furacão.
Medicamentos ( especialmente analgésicos), produtos alimentares enlatados, produtos de tratamento de água, de higiene e limpeza estão a ser recolhidos nas instalações do Hospital Na Rua Manuerl Febrero 85 na Cova da Piedade.

Mais informações em ::::> Alexandra Correia

Autoeuropa suspende turno da noite por falta de peças

Por Raquel Oliveira e J.C.M.|22.11.18

Bloqueio das estradas em França leva a rutura nos fornecimento da fábrica de Palmela.

A Autoeuropa viu-se esta quinta-feira obrigada a parar o turno de produção da noite, devido à falta de peças para manter a linha de montagem em funcionamento. Ao que o CM apurou, a situação está relacionada com o bloqueio rodoviário que está em curso em França. Os protestos dos ‘coletes amarelos’ contra os aumentos de impostos sobre os combustíveis deixou bloqueados milhares de camiões de transporte, o que afetou o fornecimento à fábrica da Volkswagen de Palmela. O CM apurou que o turno previsto para as 00h00 desta sexta-feira foi cancelado, devendo a produção ser retomada pelas 7h00. Lembre-se que a fábrica de Palmela também está a ser seriamente afetada pela greve em curso no Porto de Setúbal, que tem impedido a exportação de milhares de veículos produzidos em Portugal.

Ler mais em: https://www.cmjornal.pt/economia/detalhe/autoeuropa-suspende-turno-da-noite-por-falta-de-pecas

Marcelo acompanha com preocupação conflito no porto de Setúbal e espera “bom desfecho”


O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, garantiu esta quinta-feira que tem “acompanhado permanentemente, com atenção e com preocupação”, o conflito laboral no porto de Setúbal, esperando um “bom desfecho”, apesar de não querer comentar processos específicos. À margem de um almoço na Feira de Solidariedade Rastrillo 2018, em Lisboa, Marcelo Rebelo de Sousa foi questionado pelos jornalistas sobre o conflito laboral no porto de Setúbal, onde desde 5 de novembro os trabalhadores eventuais que prestam serviço se recusam a comparecer no trabalho, em luta por um contrato coletivo de trabalho. “Só digo que tenho acompanhado, tenho acompanhado permanentemente, tenho acompanhado com atenção e com preocupação. Espero que tenha um bom desfecho, mas não me queria pronunciar sobre isso”, respondeu o chefe de Estado. Admitindo que se trata de “uma situação importante para a sociedade e para a economia portuguesa”, o Presidente da República lembrou que tem “o princípio de não comentar processos sociais específicos”.

Ler mais em: Correio da Manhã

Barreiro – Trabalhadores da Empresa Wash Clean Laundries Em vigília para não sair bens da empresa

8 de Novembro 2018 16.08 h

“Os trabalhadores da lavandaria Wash Clean, no Barreiro, encontra-se concentrados à porta da empresa para os bens não saírem, em causa está o pagamento de salários e o facto de o patrão ser proprietário de outras lavandarias e poder vir a tirar material, sem pagar a estes trabalhadores pelo trabalho efectuado”, refere um comunicado da União dos Sindicatos de Setúbal

Trabalhadores da Empresa Wash Clean Laundries Parque da Quimigal
Em vigília para não sair bens da empresa

Os trabalhadores da lavandaria Wash Clean no Barreiro encontra-se concentrados à porta da empresa para os bens não saírem, em causa está o pagamento de salários e o facto de o patrão ser proprietário de outras lavandarias e poder vir a tirar material, sem pagar a estes trabalhadores pelo trabalho efectuado, tudo isto num contexto em que existe pretensão de pagar parte de salário aos “Bochechos” e deixar os trabalhadores vinculados à empresa mas sem dinheiro e com situações difíceis e complicadas de resolução.

Ou seja ao efectuar o mesmo os trabalhadores estão impedidos de evocar salário em atraso, quando o patrão deve vários subsídios e o contrato não pode ser suspenso pois foi pago parte do salário ainda que mínima.

A União dos Sindicatos de Setúbal/CGTP-IN, exige que o presente Patrão e proprietário de outras lavandarias se comporte como deve de ser e não recorra a esquemas para prejudicar quem está em condições de vida difícil fruto da sua má gestão.

Fonte -Comissão Executiva da União dos Sindicatos de Setúbal/CGTP-IN

Almada Extreme Sprint 2018

13 de Outubro 2018
Prova Almada Extreme Sprint 2018, realizada no dia 13 de outubro nas instalações da antiga Lisnave em Almada.

Foto: José Cipriano


Veja mais em ::::> José Cipriano


vídeo ::::> Lisbon Droneye

João Tavares :::> “Uma excelente organização. Um espectáculo excelente quer pela parte desportiva quer pela movimentaçao que gerou em Almada. Para mim como participante só me resta agradecer ao C.M.Setubal o trabalho feito e á C.M.Almada o apoio que concedeu.PARABENS.”

Luis Canena Santos .:::::>”Grande Espectaculo.
Espero que seja a 1° de muitas edições do genero em Almada.
Parabens à organização extencivel à Camara Municipal de Almada”


Almada Extreme Sprint “White”

Autarcas dão milhares a empresários amigos

7 de Maio 2018

COMUNISTAS

EMPRESAS DE COMINICAÇÃO E ARTES GRÁFICAS QUASE SÓ TÊM AUTARQUIAS DO PCP COMO CLIENTES NO ESTADO.

Desses, cerca de 30 estão ligados ao PCP: autarquias de Alcácer do Sal, Avis, Alcochete, Moura, Moita, Grândola, Barreiro, Palmela, Santiago do Cacém, Cuba, Montemor-o-Novo e Vendas Novas e os Serviços de Água e Saneamento de Almada – todos eles liderados pela CDU à data dos contratos.

Duas Empresas de Setúbal ganharam cerca de 648 mil euros em dez anos, sobretudo com autarquias do PCP.
A Mimir, firma de consultadoria, e a empresa de artes gráficas Regiset quase só têm câmaras comunistas na lista de entidades públicas com as quais assinaram contratos desde 2008.

As empresas são lideradas por Carlos Menezes, que fez parte de uma comissão de empresários de apoio à CDU nas legislativas de 2002, e Pedro Magro Ramos, que em 2009 ficou em 4º lugar como candidato à Câmara de Oeiras pela CDU.

Na lista de clientes públicos da Mimir, segundo o portasl Base, contabilizam-se nove contratos e cinco clientes :
Autarquias do Seixal, Loures e Moura, todos liderados por comunistas à época dos contratos;
Área Metropolitana de Lisboa que, em 2015, data do contrato, era liderada por Demétrio Alves, histórico autarca de Loures pelo PCP;
e a Associação de Municípios de Setúbal que à data dos contratos (2008 e 2009) era liderada por Alfredo Monteiro,ex autarca do Seixal.A empresa já ganhou 404.270 Euros.

O facto é ainda mais visível no caso da Regiset:
tem 34 contratos com 17 clientes no Estado, desde 2009.Desses cerca de 30 estão ligado ao PCP:
Autarquias de Alcácer do Sal, Avis, Alcochete, Moura, Moita, Grãndola, Barreiro, Palmela, Santiago do Cacém. Cuba. Montemos o Novo e os

Serviços de água e Saneamento de Almada

todos eles liderados pela CDU à data dos contratos. Arrecadou 244.320 euros.
Confrontada pelo CM, a Regiset diz não entender o “objetivo das questões”. “A nossa carteirade clientes é diversificada, que no plano público/intitucional quer no plano privado.
A Mimir não respondeu.

Veja mais em ::::> Correio da Manhã

Alcochete – Sporting. Ataque à equipa foi planeado previamente

18 de Maio 2018

O Ministério Público defende a prisão preventiva para os 23 suspeitos por haver risco de continuarem a atividade criminosa


O Ministério Público (MP) alegou em tribunal que os 23 detidos pelas agressões na Academia do Sporting, em Alcochete, agiram de acordo com um plano previamente combinado para intimidar e agredir os jogadores e elementos da equipa técnica da equipa principal do clube leonino. Segundo a descrição da procuradora do MP, depois de ter ouvido os testemunhos das vítimas, este “bando” atuou com um “forte sentimento de impunidade, demonstrando uma personalidade desviante do direito”.

O grupo detido – que constitui menos de metade dos cerca de 50 que invadiram o centro de treinos – estava ainda a ser ouvido em tribunal à hora do fecho desta edição e ainda não eram conhecidas as medidas de coação. No entanto, a magistrada do MP não tem dúvidas de que essas medidas terão que ser mais graves do que o Termo de Identidade e Residências. Isto porque, no seu entender, estão verificados os pressupostos para a prisão preventiva: perturbação do inquérito (nomeadamente para a conservação da prova já produzida); perigo de continuação da atividade criminosa; perigo de perturbação da ordem e tranquilidade pública.

“Vocês são uns filhos da puta, cabrões. Vocês são um monte de merda. Vamos-vos matar! Vocês estão fodidos! Vamos-vos arrebentar a boca toda” Não ganhem o jogo no domingo que vocês vão ver”, foram algumas das ameaças ouvidas que os jogadores e dirigentes transmitiram ao MP. De acordo com os relatos, os arguidos já iam munidos de tochas, que arremessaram para o recinto logo que chegaram, causando logo queimaduras a um elemento da equipa técnica.

Agrediram depois violentamente vários jogadores e outras pessoas presentes. O treinador Jorge Jesus foi atingido com um cinto na cara e pontapeado em diversas partes do seu corpo. Segundo ainda a descrição do MP, depois de terem cumprido o seu objetivo premeditado, o “bando” colocou-se em fuga apeada. Nesta altura, a GNR já tinha sido informada dos incidentes e estava a chegar à Academia.

Os arguidos estão indiciados por vários crimes, o mais grave dos quais de terrorismo. Este crime pode ser imputado, de acordo com a lei, sempre que “um agrupamento de duas ou mais pessoas, atuando concertadamente” ajam para “intimidar certas pessoas, grupos de pessoas ou a população em geral”, através de ameaças ou contra a sua integridade física.

Veja mais em ::::> Diário de Notícias

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.