Category: Notcias r

Inês de Medeiros tenta acabar com “sururu” sobre a cultura em Almada

20 de Março 2019

Autarca chama agentes culturais para acabar com polémica do projecto Companhia Paulo Ribeiro na Casa da Juventude. Foi uma dança sobre o arame.


Francisco Alves Rito

A presidente da Câmara de Almada promoveu uma sessão de esclarecimento sobre a instalação do projecto da Casa da Dança, da Companhia Paulo Ribeiro, na Casa da Juventude do Ginjal, para acabar com o “sururu sobre a cultura” que se vive no concelho.

A expressão “sururu”, usada por um dos jovens dos grupos participantes, que se queixou de que “é muito cansativo este sururu”, foi usada por todos os quadrantes durante a sessão.

A tensão, bem patente na sessão, decorre do contexto político. Almada foi de maioria comunista desde o 25 de Abril, o PS ganhou o município por 413 votos (diferença de 0,62%), a presidente não era do concelho, a política municipal assim como as pessoas e as práticas mudaram, o PCP mantém ligações e influencias antigas, o movimento associativo e a cultura pesam muito nesta equação. Inês de Medeiros tem de procurar o equilíbrio sobre o arame e a dança da autarca seguiu o ritmo deste complexo ambiente.

Rodeada, como o encenador entre o grupo de artistas no palco, Inês de Medeiros, argumentou, explicou, garantiu, pediu o apoio de todos e até disse um palavrão.

“Este raio de discussão entre o nós e o eles é do mais fascista que há. Na cultura, quem pratica este chauvinismo bacoco está completamente errado. Acabe-se com esta m…!”, exclamou. A presidente pediu desculpa por estar “exaltada” e ninguém levou a mal.

Mas houve quem aproveitasse. Amélia Pardal, vereadora da CDU há muitos anos, considerou a polémica sobre a Casa da Dança como uma “reacção perfeitamente legitima” que “não se pode confundir com provincianismo”.

Inês de Medeiros reagiu com um “eu não disse isso” que levou a eleita comunista a confirmar que estava a referir-se ao desabafo da adversária política: “Pois não, disse pior, disse fascismo”.

Neste registo, o debate puxava para fora da Casa da Juventude, entrando pela política cultural e de juventude da maioria socialista.

A autarca resistiu à discussão sobre a política municipal para a juventude, dizendo que essa é matéria para outros momentos e para o Conselho Municipal de Juventude, mas argumentou relativamente à cultura.

“A cultura em Almada teve um reforço orçamental de quase 800 mil euros, ronda os quatro milhões. Não nos podem acusar de desinvestir na cultura”, atirou Inês de Medeiros, acrescentando que “este reforço não é para a Companhia Paulo Ribeiro, é para outros projectos”.

A presidente da autarquia frisou que o concelho não tem os equipamentos de cultura que deveria ter e contra-atacou com a falta de pessoal no município, que vinha do anterior executivo. “Como achamos que estes equipamentos são importantes, contratámos 12 pessoas para esta área”, disse.

Depois de muita argumentação, a autarca apelou ao consenso, para uma nova forma de relação do município com as colectividades locais.

“Preciso do vosso apoio para isto, para criarmos este sistema, para salvarmos alguns espaços e algumas colectividades que estão com a corda na garganta. Preciso do vosso apoio porque isto não é uma coisa que se imponha.”, sustentou.

No entanto, consenso, para já, só sobre a necessidade de alterar o nome de dois instrumentos municipais. O Regulamento Municipal de Apoio ao Movimento Associativo (RMAMA) – que soa a voltar a mamar – e o Gabinete da Apoio ao Movimento Associativo (GAMA), segundo a autarca precisam de novos nomes.
“Aqui estamos todos de acordo”, disse Inês de Medeiros para gargalhada geral.

“Não há! Não há!” Ponto de Encontro fica como está

Na resposta às muita perguntas concretas da sessão de esclarecimento, Inês de Medeiros não se cansou de repetir que “Não há!” alteração ao funcionamento, nem encerramento, desinvestimento, desmantelamento ou preferência por projectos de fora.

“Posso repetir mais uma vez; nenhum grupo [dos 12 que usam actualmente o espaço] deixa de estar nem ninguém ficará impedido de entrar. O que haverá é articulação.”, afirmou a presidente da câmara explicando que a Companhia Paulo Ribeiro ficará fisicamente na sala de baixo, menos usada, e que os ensaios em que usará outras salas serão durante o dia, quando a procura de espaço do Ponto de Encontro por outros grupos é sobretudo “após as 18 horas”.

“Paulo Ribeiro pode ser uma ajuda para dar visibilidade à vossa criatividade. Ninguém vem de Viseu, de Setúbal ou do Seixal para dizer como deve ser.”, disse.

A autarca informou que no local onde hoje se encontra o Ponto de Encontro e o Centro Paroquial de Almada será construido um silo automóvel – no âmbito do projecto imobiliário já contratado para o Cais do Ginjal – e que no topo dessa estrutura será edificada a nova Casa da Juventude. “O projecto desse novo edifício ainda não existe”, referiu, informando que o processo se encontra em fase de elaboração do Plano de Pormenor.

O município garante no entanto, que, ao contrário do que esteve previsto no mandato anterior, a Casa da Juventude não será demolida enquanto não for encontrado um espaço substituto, para funcionar provisoriamente até que as futuras instalações estejam concluídas no mesmo local”

Veja mais em ::::> Público

Ambientalistas da Zero atacam aeroporto do Montijo com ação judicial

Ambientalistas exigem avaliação estratégica do novo aeroporto. Consideram a avaliação de impacte ambiental insuficiente.

A associação ambientalista Zero interpôs uma ação judicial contra a Agência Portuguesa do Ambiente (APA). O objetivo é fazer com que seja realizada uma avaliação ambiental estratégica ao novo aeroporto, situado no Montijo, em vez de uma avaliação de impacte ambiental. Em causa está o facto de a promotora da obra, a ANA – Aeroportos de Portugal, ter apresentado um estudo de impacte ambiental à APA, em outubro de 2018, mas a comissão de avaliação considerou que o documento não era suficientemente esclarecedor. Após a avaliação, a ANA comprometeu-se a melhorá-lo e a entregar, até ao fim deste mês, uma nova versão.

No entanto, segundo os ambientalistas, a avaliação de impacte ambiental é insuficiente. Defendem, por isso, a avaliação ambiental estratégica, justificando que a legislação europeia e até mesmo a nacional “assim o obriga”, mas também “por questões estratégicas e de planeamento a longo prazo”. Em agosto do ano passado, a Zero já tinha enviado uma queixa à Comissão Europeia contra o Estado Português, alertando para o “incumprimento da lei” na decisão de construção do aeroporto do Montijo sem antes haver uma avaliação estratégica. Trata-se de um estudo aprofundado que coloca em consideração as várias “opções possíveis”, comparando diferentes localizações e fazendo com que a decisão seja “informada sobre a melhor relação custo-benefício a longo prazo”, pode ler-se num comunicado da Zero. O acordo para a expansão da capacidade aeroportuária de Lisboa prevê um investimento de 1,15 mil milhões de euros até 2028.

Ler mais em: Correio da Manhã

Autoeuropa duplicou produção em 2018 e já representa 1,6% do PIB

A fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela registou também um aumento de 67% na exportação de bens e teve um impacto de 5% no valor das exportações portuguesas.

A Autoeuropa registou no ano passado um aumento de 106% na produção relativamente a 2017 e já representa 1,6% do Produto Interno Bruto (PIB), anunciou esta quarta-feira a empresa, baseando-se nos dados divulgados pelo Instituto Nacional de Estatística. De acordo com a administração, em 2018, a fábrica de automóveis da Volkswagen em Palmela registou também um aumento de 67% na exportação de bens e teve um impacto de 5% no valor das exportações portuguesas.
Segundo uma nota de imprensa da Autoeuropa, “estes indicadores revelam o impacto positivo que a fábrica de Palmela teve na economia nacional no ano transato, período em que foram produzidas 223.200 unidades (mais 106% que em 2017), um volume que equivale a 75% de toda a produção automóvel em Portugal”. De acordo com a Autoeuropa, além do aumento de produção de automóveis, a unidade de prensas também contribuiu para o aumento significativo de produção do ano passado, com a exportação de cerca de 20 milhões de peças, resultado que “reforçou o papel da Volkswagen Autoeuropa como segundo maior exportador nacional”. A Autoeuropa salienta ainda que tem previsto para este ano de 2019 um novo investimento de 110 milhões de euros, com o objetivo de aumentar a capacidade de produção do T-Roc e de dar resposta à crescente aceitação deste modelo no mercado. Este investimento de 110 milhões de euros na fábrica de Palmela, que tem atualmente cerca de 5.800 colaboradores, destina-se, também, à expansão da unidade de cunhos e cortantes, responsável por vários projetos para o Grupo Volkswagen. A Autoeuropa está a produzir diversos modelos para a marca alemã, designadamente os monovolumes Volkswagen Sharan e SEAT Alhambra, bem como o novo T-Roc, veículo que tem tido grande aceitação no mercado mundial e que é responsável pelo aumento significativo da produção na fábrica de Palmela.

Ler mais em: Correio da Manhã

Jerónimo critica Câmara de Almada por acabar com almoço do Dia da Mulher

8/3/2019, 16:55

O líder do PCP critica Almada por ter posto fim a uma iniciativa com mais de 30 anos. No mesmo evento, Jerónimo aproveitou para criticar a direita, por alimentar discriminação das mulheres

O secretário-geral do PCP criticou esta sexta-feira o executivo da Câmara de Almada, liderado por Inês de Medeiros (PS), por ter acabado com o almoço comemorativo do Dia da Mulher, uma iniciativa que se realizava há mais de 30 anos.
Este almoço do PCP é, para Jerónimo de Sousa, “uma atitude que contrasta com o PS, que assumiu como uma das primeiras decisões do seu mandato a anulação de uma iniciativa que, desde Abril, a instituição do poder local realizava: o almoço de 8 de março onde se prestava a devida homenagem aos trabalhadores da autarquia e, em particular, às mulheres trabalhadoras”, afirmou Jerónimo de Sousa.

O líder comunista discursava na Academia Almadense, em Almada, no distrito de Setúbal, onde o PCP organizou um almoço comemorativo do Dia Internacional da Mulher tendo referido que o fim da iniciativa organizada pelo município é um “retrocesso”.

“Este é um exemplo indissociável dos retrocessos registados neste mandato no plano autárquico em que temos usado a expressão ‘Com o PS Almada Perde’. Perdem as mulheres no apoio às suas lutas específicas, num concelho de tão profundas tradições democráticas e progressistas. Perdem os trabalhadores nos seus direitos sindicais, no despedimento de 51 trabalhadores da higiene e limpeza. Perde a população do concelho”, defendeu.

O almoço comemorativo do Dia da Mulher era dinamizado pelos executivos da CDU e foi suspenso no início do mandato de Inês de Medeiros (PS). Para Jerónimo de Sousa, o facto de ter sido uma mulher a ter colocado termo ao evento é um exemplo de que “não é por haver mais mulheres neste ou naquele cargo que se altera a política” e que a questão central é “que política se decide seguir”.

No evento, o secretário-geral do PCP saudou todas as mulheres do concelho, mas em especial as trabalhadoras da câmara municipal, pela luta que travaram na “defesa das 35 horas de trabalho e pela recuperação do subsídio de Natal por inteiro ao fim de seis anos de corte”. Ainda assim, afirmou, o PCP vai continuar a apoiar a luta pela “valorização dos salários e carreiras” e por “uma vida melhor”.

“Reafirmamos o nosso empenho em lutar por uma Almada de progresso, que honre as suas tradições democráticas e de luta, em não admitir recuos na qualidade de serviço público”, frisou.

Jerónimo acusa política de direita de alimentar discriminação das mulheres
O secretário-geral do PCP acusou esta sexta-feira os governos de direita de alimentarem mecanismos de discriminação das mulheres, tanto na vida social, profissional ou política, fomentando “falsas políticas de igualdade”.

“A natureza das opções económicas e sociais de sucessivos governos da política de direita e de integração de Portugal na União Europeia têm invertido o rumo de Abril, já que alimentam e reproduzem mecanismos de dupla exploração, desigualdade e de discriminação das mulheres no trabalho, na família, na vida social e política”, defendeu Jerónimo de Sousa.

Contudo, na visão de Jerónimo de Sousa, na atualidade é preciso continuar a lutar, até porque o PS, PSD e CDS têm vindo a fomentar “falsas políticas de igualdade”, ocultando que o sistema capitalista proclamou “a inferioridade das mulheres na lei e na vida”.

Além disso, referiu que os partidos de direita não têm cumprido as promessas em relação à conciliação da vida profissional com a vida familiar das mulheres, à natalidade, à promoção da igualdade salarial, nem ao combate à violência doméstica.

Por este motivo, o secretário-geral do PCP lembrou que, este ano, se assinala o 45.º aniversário da Revolução de Abril e que só através de uma “nova política de esquerda” será possível lutar pelos direitos das mulheres e dar “um novo rumo ao país”.

“A efetivação dos direitos das mulheres só se concretiza com uma nova política enraizada nos valores e conquistas da Revolução de Abril. O PCP é portador de soluções de futuro ancoradas na política patriótica e de esquerda, cujos eixos centrais permitem combater a exploração, as desigualdades e a violência sobre as mulheres. É dela que emerge uma nova política de igualdade assente no cumprimento dos direitos das mulheres numa sociedade mais justa para todos”, defendeu.

No discurso, o líder comunista apelou também à participação na Manifestação Nacional de Mulheres, promovida pelo Movimento Democrático de Mulheres, que se realiza no sábado, pelas 14h30, entre os Restauradores e a Ribeira das Naus, em Lisboa.

A emancipação é obra da própria mulher, mas não se dividam, juntos é que conseguimos essa emancipação”, frisou

No almoço também esteve presente o cabeça de lista às eleições europeias, João Ferreira, que referiu que a igualdade de género é um assunto que “tem transportado para a intervenção no parlamento europeu”.

Veja mais em ::::> OBSERVADOR

Cidade da Água em Almada à venda por 2 mil milhões de euros


O projeto da Cidade da Água, em Almada, na margem sul do Tejo – ou a nova “pequena Expo”, como já é apelidada – deverá chegar ao mercado no primeiro semestre deste ano por 2 mil milhões de euros. O megaprojeto imobiliário, gerido pela Baía do Tejo, empresa estatal do universo da Parpública, deverá ganhar forma nos próximos 10 ou 15 anos.

Sérgio Saraiva, administrador da Baía do Tejo, contou recentemente ao idealista/news que a venda do território do antigo estaleiro da Lisnave deveria concretizar-se no primeiro trimestre de 2019, confirmando “a manifestação de interesse por parte de diversos investidores nacionais e internacionais”. Segundo a informação agora avançada pelo EuroProperty, o projeto deverá chegar ao mercado muito em breve por 2 mil milhões de euros.

A Cidade da Água vai erguer-se na Margueira, antigos terrenos da Lisnave, e pretende revolucionar a zona ribeirina de Cacilhas. Há um ano, o idealista/news embarcou numa networking trip que levou cerca de 50 profissionais do imobiliário para visitar os terrenos da Lisbon South Bay, um tiro de partida para aquele que viria a ser um ano de de “caça” ao investimento para a requalificação daqueles territórios ribeirinhos.

Da autoria do arquiteto Richard Rogers e Santa-Rita & Associados, o projeto tem como elementos-âncora a Marina (com capacidade para 400 embarcações) e o Terminal Fluvial Intermodal (com capacidade para acolher nove milhões de utilizadores anuais), a par de um conjunto urbano de uso misto residencial, escritórios, comércio e restauração, hotéis, áreas culturais, nomeadamente a criação de um museu e galerias de arte, e náuticas.

Presidente do PSD do distrito de Setúbal, Bruno Vitorino Violência contra a PSP no Bairro da Bela Vista em Setúbal é um «ataque ao estado de direito»

22/01/2019

“Não se presta um bom serviço à democracia, quando se tenta confundir racismo e xenofobia com o cumprimento da ordem pública. As regras existem para serem cumpridas por todos, sem exceção. Não há nenhum individuo ou conjunto de indivíduos que estejam acima da lei, independentemente da sua cor, raça ou religião”, refere Bruno Vitorino.

O deputado e presidente do PSD do distrito de Setúbal, Bruno Vitorino, considera que a violência desta madrugada contra a PSP no Bairro da Bela Vista, em Setúbal, é um “ataque ao estado de direito”.

“O Governo tem que dar um sinal concreto de apoio às forças de segurança, que tão maltratadas têm sido nos últimos anos. Falta de meios, falta de efetivos, instalações degradadas e a falta de autoridade, é a herança de uma governação refém de preconceitos extremistas”, diz o social-democrata.

Apesar de todas estas carências e dificuldades, Bruno Vitorino salienta o “esforço e o trabalho” dos homens e mulheres das forças de segurança na diminuição progressiva da criminalidade, na região, em especial da mais violenta, cujos números eram demasiado elevados e que levavam ao aumento do sentimento de insegurança das populações.

“Não se presta um bom serviço à democracia, quando se tenta confundir racismo e xenofobia com o cumprimento da ordem pública. As regras existem para serem cumpridas por todos, sem exceção. Não há nenhum individuo ou conjunto de indivíduos que estejam acima da lei, independentemente da sua cor, raça ou religião”, acrescenta.

Bruno Vitorino afirma ser “inconcebível que algumas entidades e partidos de extrema-esquerda, aproveitem o espaço mediático para adulterar situações cujos contornos não conhecem, somente a reboque de imagens parciais e que desta forma instiguem à desordem social e à desobediência às forças da autoridade”, criticando desta forma a SOS Racismo e o Bloco de Esquerda.

“Quem defende aqueles que todos os dias arriscam a sua vida para que possamos viver em segurança?”, questiona, manifestando “total solidariedade e apoio a todos os homens e mulheres das forças de segurança”.

O deputado do PSD diz que “felizmente” estes atos de violência não causaram vítimas, contudo “nunca se sabe o que poderá acontecer no futuro, se não forem tomadas as devidas precauções”, conclui.

Veja mais em ::::> ROSTOS

Actos de vandalismo mantêm Setúbal sob alerta

Por
Ana Martins Ventura
23/01/2019

Caixotes do lixo incendiados e danos em viaturas voltaram a marcar esta madrugada com actos de vandalismo em Setúbal, Cacém, Massamá, Queluz e Loures. A PSP de Setúbal mantém operacionais em alerta

O Comando Distrital da PSP de Setúbal confirma que, até ao momento, ainda não existem suspeitos identificados para os actos de vandalismo ocorridos na Bela Vista, durante a madrugada passada.

Após o arremesso de cocktails molotov que danificaram a fachada da esquadra da PSP no bairro da Bela Vista e uma viatura, na madrugada de terça-feira, esta noite foram incendiados 8 caixotes do lixo e outra viatura ficou danificada.

Em comunicado, a Direcção Nacional da PSP informa que, “a pronta intervenção conjugada dos polícias e dos bombeiros de várias corporações permitiu controlar todos os focos de incêndio e evitar males maiores”.

No momento, a PSP está a investigar estes casos em articulação com a Polícia Judiciária. Fonte próxima do Comando Distrital de Setúbal, informou O SETUBALENSE-DIÁRIO DA REGIÃO que, não está afastada a hipótese destas ocorrências estarem relacionadas com a manifestação realizada frente ao Ministério da Administração Interna, enquanto forma de protesto contra a acção policial no Bairro da Jamaica (Seixal). Em consequência, todos os operacionais estão em alerta.

Ocorrências semelhantes foram ainda registadas em Cacém, Massamá e Queluz, com 13 ecopontos e 1 caixote do lixo incendiados. E no concelho de Loures foram incendiados 3 caixotes do lixo. Também na zona da grande Lisboa não foram identificados suspeitos, até ao momento.

Perante o cenário de violência, perpetrado ao longo das duas últimas noites, a Direcção Nacional da PSP salienta, em comunicado, que “as acções criminosas relatadas constituem crimes de dano qualificado e incêndio que afectam diretamente o bem-estar e qualidade de vida das populações, e passíveis de ser punidos com pena de prisão, pelo que se apela a todos os cidadãos que denunciem imediatamente às autoridades todas as acções idênticas que presenciem ou de que tenham conhecimento, de forma a possibilitar a identificação e detenção dos suspeitos da prática dos crimes”.

Entretanto, em declarações a O SETUBALENSE-DIÁRIO DA REGIÃO, António Loura, Secretário Nacional, da Associação Sindical dos Profissionais de Polícia (ASPP/PSP) afirma, “foi com agrado, enfim, que vi o Ministro da Administração Interna e o Presidente da República abordarem esta questão”.

Veja mais em::::> Diário da Região

Vereador do PSD em Setúbal vai enviar declarações de Mamadou Ba ao Ministério Público

23 jan 2019

O vereador do PSD na Câmara de Setúbal, Nuno Carvalho, vai enviar as declarações do assessor do BE, Mamadou Ba, sobre a PSP para o Ministério Público, para este avaliar se existe razão para um processo judicial, anunciou hoje o autarca.

“Enquanto assessor da Assembleia da República, penso que o senhor Mamadou Ba não deveria referir-se à PSP nestes termos e que deve ser escrutinado por isso. Decidi enviar as declarações que ele proferiu para o Ministério Público avaliar se existe razão para lhe instaurar um processo judicial”, disse à agência Lusa Nuno Carvalho.

“As declarações de Mamadou Ba, que utiliza a expressão `bosta da bófia´, são extremistas e inaceitáveis. Não há nenhuma comunidade em Portugal que se reveja nestas declarações”, justificou o autarca social-democrata.

O dirigente da SOS Racismo e assessor do BE Mamadou Ba publicou um texto na rede social Facebook em que fala da “violência policial” no bairro da Jamaica, no Seixal, e dos confrontos na segunda-feira em Lisboa, referindo-se à polícia como “a bosta da bófia”.

À Lusa, Nuno Carvalho anunciou ainda que vai propor hoje ao executivo camarário de Setúbal, de maioria CDU, a aprovação de uma moção de apoio à PSP e aos moradores do bairro da Bela Vista.

“Os moradores da Bela Vista também não se revêm nos atos de vandalismo que têm ocorrido nos últimos dois dias”, disse Nuno Carvalho.

Durante a última noite, os bombeiros foram chamados a combater oito focos de incêndio em caixotes do lixo e ecopontos do bairro da Bela Vista.

Hoje de manhã, cerca das 09:30, desconhecidos terão incendiado também o quadro elétrico das instalações do Grupo Desportivo Os Amarelos, perto do bairro da Bela Vista.

Em comunicado divulgado hoje, a PSP lembra que “as ações criminosas relatadas constituem crimes de dano qualificado e incêndio que afetam diretamente o bem-estar e qualidade de vida das populações, e passíveis de ser punidos com pena de prisão”.

Por isso, aquela força de segurança apela às pessoas para que “denunciem imediatamente às autoridades todas as ações idênticas que presenciem ou de que tenham conhecimento, de forma a possibilitar a identificação e detenção dos suspeitos da prática dos crimes”.

Num comunicado anterior, a PSP esclareceu que “nada indicia, até ao momento, que [estes incidentes] estejam associados à manifestação” de protesto contra uma intervenção policial no bairro da Jamaica, no Seixal (distrito de Setúbal), no domingo.

O Ministério Público abriu um inquérito aos incidentes no bairro da Jamaica e a PSP abriu um inquérito para “averiguação interna” sobre a “intervenção policial e todas as circunstâncias que a rodearam”.

Veja mais em :::::> SAPO24

GNR apreende 220 quilos de ameijola em Setúbal

Por
Mário Rui Sobral
22/01/2019

Homem de 40 anos foi apanhado em flagrante a capturar bivalves em reserva natural e fica sujeito a uma multa que pode atingir o valor máximo de 30 mil euros

A GNR apreendeu na madrugada de ontem 220 quilos de ameijola em Setúbal, num valor estimado de cerca de três mil euros, e identificou um homem de 40 anos pela captura ilegal dos bivalves em reserva natural.
“No âmbito da preservação do Parque Marinho Professor Luiz Saldanha, o qual tem uma extensão de 38 Km de costa rochosa, entre a praia da Figueirinha, na saída do estuário do Sado, e a praia da Foz, a norte do Cabo Espichel, a GNR procedeu a uma acção de fiscalização, tendo detectado em flagrante delito um homem, de 40 anos, a capturar ameijola, utilizando para o efeito uma ganchorra rebocada por uma embarcação, sendo este utensílio proibido nesta zona protegida”, explicou a Unidade de Controlo Costeiro da GNR em comunicado.

“Desta acção resultou a elaboração do auto de notícia por contra-ordenação, ficando o visado sujeito a uma coima máxima de 30 mil euros”, revelou a GNR, acrescentando que “os bivalves apreendidos, por ainda se encontrarem vivos, foram devolvido ao habitat natural com vista à preservação da espécie e do respectivo Parque Marinho”.

No mesmo comunicado, os militares explicam ainda que a ganchorra “é uma arte de arrasto de pequena e média dimensão em que a boca é composta por uma estrutura rígida e o saco é de rede ou constituído por uma grelha metálica, que visa a captura de moluscos bivalves”.

A operação foi levada a efeito sub-destacamentos de Controlo Costeiro de Lisboa e Setúbal da GNR.

Veja mais em :::::> Diário da Região

Esquadra da PSP de Setúbal atacada com cocktails molotov

Lusa 22/01/2019

Antes, foram incendiados carros em Odivelas e Póvoa de Santo Adrião. Polícia faz quatro detenções.

Foto: Correio da Manhã

A esquadra da PSP no bairro da Bela Vista, em Setúbal, foi atingida na noite desta segunda-feira por ‘cocktails molotov’. Na Póvoa de Santo Adrião e Odivelas, distrito de Lisboa, foram incendiados caixotes do lixo e viaturas, segundo a PSP. A PSP esclarece em comunicado que a “pelas 21h40, foram incendiadas duas viaturas em Odivelas e outras duas na Póvoa de Santo Adrião, com recurso a cocktails molotov”.

“Posteriormente, foram incendiados e destruídos 11 caixotes do lixo e danificadas, nesta sequência, 5 viaturas, na zona circundante ao Bairro da Cidade Nova, também com a utilização de cocktails molotov. No seguimento destes factos, a Polícia de Segurança Pública desenvolveu diligências e investigações que permitiram intercetar quatro suspeitos, tendo sido detido um indivíduo do sexo masculino, de 18 anos de idade, depois de reconhecimento por testemunhas como um dos autores do lançamento dos engenhos incendiários”. Esquadra da Bela Vista atacada de madrugada Segundo o mesmo comunicado da PSP, pelas 03h15 desta terça-feira, na Bela Vista, Setúbal, “foram lançados 3 cocktails molotov contra a esquadra da PSP. Não houve registo de feridos mas observaram-se danos na esquadra e numa viatura civil. Não foram ainda identificados os suspeitos desta ação criminosa”

Os casos da última noite surge depois de episódio violentos que tiveram lugar no Bairro do Jamaica, em Seixal e em Lisboa. No domingo, moradores do bairro do Jamaica agrediram polícias, que os populares acusam de ter feito uma carga violenta, se qualquer justificação. Esta segunda-feira, residentes do Jamaica fizeram protesto na Baixa de Lisboa e houve conforntos, com a polícia a disparar tiros de balas de borracha para conter

Ler mais em::::> Correio da Manhã

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.