Município da Moita incentiva prática da Agricultura Biológica

A propósito da 8ª edição da Semana da Primavera Biológica, iniciativa do Movimento Plantar Portugal que irá decorrer entre 19 e 25 de março, a Câmara Municipal da Moita divulga os três principais projetos que tem vindo a dinamizar, junto de diferentes públicos, com o objetivo principal de sensibilizar para os benefícios da Agricultura Biológica para a Saúde e o Ambiente: “Agricultura Biológica e Compostagem nas Escolas”, “Mãos à Horta” e “Biofesta – Mostra de Projetos e Produtos Biológicos”.

Para os mais pequenos: Agricultura Biológica e Compostagem nas Escolas

Um projeto com quase 20 anos – foi lançado em 1999 –, o “Agricultura Biológica e Compostagem nas Escolas” continua a ser um sucesso junto das escolas básicas de 1º ciclo e do pré-escolar, envolvendo, neste ano letivo (de outubro a junho), 52 turmas de 16 estabelecimentos de ensino do concelho da Moita. As escolas (professores e alunos) são desafiadas a desenvolver uma horta biológica e compostagem de resíduos orgânicos. A Câmara da Moita assegura sessões técnico-práticas na escola junto de cada turma envolvida, realiza visitas técnicas de acompanhamento e disponibiliza apoio material para o desenvolvimento da horta e da compostagem, bem como fichas de apoio ao docente.

Para a autarquia, a presença de hortas pedagógicas em modo biológico no espaço escolar, juntamente com a prática da compostagem, permite sensibilizar a comunidade escolar para as questões relacionadas com o Ambiente, criando uma consciência ecológica e contribuindo para a formação de cidadãos mais responsáveis.

Neste ano letivo, a Câmara da Moita lançou o Concurso de Espantalhos junto de todas as turmas que participam neste projeto municipal. Os espantalhos vão estar expostos durante a Biofesta – Mostra de Projetos e Produtos Biológicos, em maio, e posteriormente serão colocados nas hortas biológicas dos respetivos estabelecimentos de ensino. À turma vencedora, a Câmara oferece uma viagem a um parque temático e as turmas que se classificarem em segundo e terceiro lugar vão receber um jogo didático.

“Mãos à Horta” – Curso de Tempos Livres

Desde 2002 que a Câmara da Moita promove o Curso de Tempos Livres “Mãos à Horta” para munícipes que possuam terreno disponível e, mais recentemente, abriu esta iniciativa a todos os residentes no concelho da Moita que queiram aprender a fazer uma horta biológica nas suas varandas ou terraços.

A criação de hortas biológicas e suas sebes vivas contribui para o desenvolvimento de áreas verdes e manutenção da diversidade biológica. O domínio das práticas básicas do cultivo de vegetais permite uma ligação fundamental à terra, bem como a aquisição de conhecimentos de sobrevivência. Além disso, a horticultura é também um modo interessante e útil de aproveitamento de tempos livres.

O Mãos à Horta vai realizar-se em cinco sábados, entre abril e maio (14 e 21 de abril, 5, 12 e 26 de maio), entre as 15:00h e as 18:00h, nas instalações municipais junto ao Viveiro Municipal, na Quinta do Matão (Estrada Moita-Alhos Vedros).

Para participar, basta inscrever-se até ao dia 5 de abril e assumir o compromisso de que, ao longo do curso, irá desenvolver uma horta na sua varanda, terraço ou quintal, aplicando técnicas de agricultura biológica.

A ficha de inscrição pode ser descarregada em www.cm-moita.pt.

Envio de inscrições para:

Câmara Municipal da Moita – Divisão de Salubridade e Ambiente

Praça da República

2860-422 MOITA

Fax: 212 890 267

Mail: div.salubridade.ambiente@mail.cm-moita.pt

Biofesta

A Biofesta – Mostra de Projetos e Produtos Biológicos, já na sua 14ª edição, vai realizar-se no dia 27 de maio, no Largo Conde Ferreira, na vila da Moita, integrada no programa da tradicional Feira de Maio, e resulta de uma parceria entre a Câmara da Moita e o Centro de Formação das Escolas dos Concelhos do Barreiro e Moita.

A Biofesta é um evento que decorre em ambiente informal e descontraído, onde são divulgados não só os projetos das hortas biológicas escolares, mas também os produtos hortícolas de micro-produtores locais e comercializados diversos produtos biológicos certificados.

O programa da Biofesta conta com workshops, degustação de snacks e refeições saudáveis, atividades lúdicas e pedagógicas para crianças, exposição de espantalhos e animação musical.
www.cm-moita.pt
Acompanhe a atividade municipal, nas mais diferentes áreas, em www.cm-moita.pt.

Primeira edição do Portugal Cinco Estrelas Setúbal venceu em seis das catorze categorias de reconhecimento de ícones de referência nacional

17/03/2018

Setúbal venceu em seis das catorze categorias de reconhecimento de ícones de referência nacional na primeira edição do Portugal Cinco Estrelas, sistema que avalia, através de votação pelos consumidores, o que de melhor existe no território.


Setúbal venceu em seis das catorze categorias de reconhecimento de ícones de referência nacional na primeira edição do Portugal Cinco Estrelas, sistema que avalia, através de votação pelos consumidores, o que de melhor existe no território.

No Portugal Cinco Estrelas, cuja votação contou com a participação de um total de 205.895 pessoas, o concelho setubalense viu reconhecida a excelência em áreas relacionadas com gastronomia, vinhos e património natural.

Na categoria de “Cozinha Tradicional”, a escolha dos consumidores recaiu no choco frito, enquanto na “Doçaria Regional” o prémio foi para as tortas de Azeitão. Já em “Vinhos” o moscatel de Setúbal viu reforçado o estatuto nacional.

Setúbal é também ícone de referência nacional na categoria de “Praias”, com Galapinhos, eleita em 2017 como a melhor da Europa, a conquistar também o título de melhor a nível nacional.

Além destes, Setúbal teve ainda vencedores nas categorias de “Reservas, Paisagens e Barragens”, com o Parque Natural da Arrábida, e de “Serras e Montanhas”, neste caso com a Serra da Arrábida.

Além das seis distinções na votação para o reconhecimento de ícones de referência nacional, Setúbal teve vencedores, a nível distrital, em 12 categorias destinadas a premiar marcas, produtos e serviços.

Nesta vertente, consumidores portugueses elegeram as escolhas em categorias como ginásios, hotel e spa, obras de remodelações de imóveis, parques temáticos, lojas de tecnologia e imobiliárias.

Para esta avaliação, os consumidores tiveram como critérios as variáveis que influenciam a decisão a compra, concretamente a satisfação, a relação preço-qualidade, a intenção ou recomendação, a confiança e a inovação.

O Portugal Cinco Estrelas, cuja votação foi gerida pela empresa de estudos de mercado Multidados, tem entrega de prémios agendada para o dia 12 de abril, pelas 16h30 no Teatro Thalia, em Lisboa.

Veja mais em ::::> ROSTOS

Setúbal está no Top 10 das melhores cidades para negócios em Portugal

Cidade sadina é melhor classificada para os negócios, categoria em que alcança o 8.º lugar. Para Viver é a 12.ª e para Visitar a 17ª. Ranking da Bloom Consulting foi divulgado esta terça-feira

Setúbal integra o Top 10 do ranking nacional das melhores cidades para viver, visitar e negociar, em Portugal, divulgado esta terça-feira (13) pela consultora Bloom.

O relatório completo está disponivel em http://www.bloom-consulting.com/pdf/rankings/Bloom_Consulting_City_Brand_Ranking_Portugal.pdf.

Este ranking nacional analisa os negócios, o turismo e as condições de vida dos 308 municípios portugueses e Setúbal mantém a mesma posição que ocupava no ano passado, o décimo lugar.

O melhor desempenho da cidade sadina é na categoria Negócios, onde atinge o 8.º lugar, com a 12.ª posição na categoria Viver e 17.ª na categoria Visitar.

O primeiro lugar da lista, nesta quinta edição do estudo anual, é ocupado por Lisboa, que garante, outra vez, o primeiro lugar nas três categorias, Negócios, Visitar e “Viver.

Nos 10 primeiros lugares surgem, depois de Lisboa, Porto, Cascais, Braga, Coimbra, Sintra, Funchal, Faro, Vila Nova de Gaia e Setúbal, por esta ordem.

Palmela associa-se à “Hora do Planeta” com “apagão” simbólico de edifícios e locais emblemáticos

Palmela vai associar-se, no dia 24 de março, à Hora do Planeta, iniciativa da organização Global de Conservação da Natureza WWF – World Wildlife Foundation. Nesse sentido, o Município desligará simbolicamente, entre as 20h30 e as 21h30, a iluminação dos seguintes locais:

– Iluminação cenográfica do Castelo, em Palmela;

– Iluminação decorativa da Praça Duque de Palmela, em Palmela;

– Iluminação decorativa na Alameda D. Nuno Álvares Pereira, em Palmela;

– Iluminação exterior do Cine-teatro S. João, em Palmela;

– Iluminação decorativa do Monumento ao Ferroviário, em Pinhal Novo,

– Iluminação do coreto do Jardim José Maria dos Santos, em Pinhal Novo;

– Iluminação exterior do Centro Cultural de Poceirão, em Poceirão.

No âmbito do “Março a Partir” – Mês da Juventude 2018, durante a iniciativa “ManifestArte”, dia 24, às 21h30, junto aos Paços do Concelho, haverá, também, um “apagão” simbólico, com referência à “Hora do Planeta”.

Em 2017, a “Hora do Planeta” chegou a 180 países e territórios e mais de 9.000 cidades e vilas. Em Portugal, foram 140 os Municípios que aderiram ao evento e centenas de monumentos emblemáticos nacionais ficaram às escuras, como a Ponte 25 de Abril, o Mosteiro dos Jerónimos e o Cristo Rei, em Lisboa.

Veja mais em :::> Distrito online

Municípios de Sesimbra, Palmela e Setúbal no âmbito do Portugal 2020 vão valorizar a região da Arrábida

12 de Março 2018

Os projetos representam um investimento global superior a 9 milhões de euros.


Os municípios de Sesimbra, Palmela e Setúbal reforçam o compromisso e a estratégia comum para a implementação de projetos conjuntos nas áreas da mobilidade, acessibilidades, património e intervenção social, no âmbito do Portugal 2020, que vão contribuir para valorizar a região da Arrábida e melhorar a qualidade de vida no território.

Os presidentes das Câmaras Municipais de Sesimbra, Setúbal e Palmela, Francisco Jesus, Maria das Dores Meira e Álvaro Amaro, reuniram no dia 9 de março, na Sala Polivalente da Biblioteca Municipal de Sesimbra, para fazer o ponto de situação dos projetos conjuntos que estão a ser desenvolvidos, no âmbito da sua estratégia territorial integrada, centrada na Arrábida. Este encontro, que passa doravante a ter maior regularidade, exalta o compromisso assumido pelos três municípios na valorização do território e na melhoraria da qualidade de vida das populações da região da Arrábida.

Na reunião foi feita uma abordagem técnica e de planificação dos investimentos promovidos por cada município, que incluiu apresentações pelos respetivos técnicos do Grupo de Trabalho Intermunicipal que acompanham os projetos cofinanciados pelos Fundos Europeus Estruturais e de Investimento (FEEI), no âmbito do Portugal2020.

Este compromisso comum consubstancia-se em quatro grandes projetos estruturantes, incorporados no Pacto de Desenvolvimento e Coesão Territorial da Área Metropolitana de Lisboa e nos Planos Estratégicos de Desenvolvimento Urbano de cada um dos municípios, abrangendo áreas tão diversas como o património natural e cultural, a mobilidade suave e os trajetos em contexto urbano e a promoção do bem-estar e da qualidade de vida das comunidades locais, a saber: 1) PRARRÁBIDA – Conservação, Valorização e Promoção do Património Histórico, Cultural e Natural da Arrábida – que inclui a requalificação do património, a criação de percursos turísticos, a criação e consolidação de estruturas de apoio aos visitantes e a promoção turística; 2) HUB 10 – Plataforma Humanizada de Conexão Territorial -que engloba uma intervenção em torno da EN10 e da sua conetividade intermodal; 3) CICLOP 7 – Rede Clicável e Pedonal da Península de Setúbal – que prevê a construção de troços de ciclovias e de percursos pedonais de ligação entre áreas urbanas e periurbanas, valorizando a conetividade interconcelhos e 4) PRIA – Percurso em Rede para a Inclusão Ativa – que assenta no desenvolvimento de abordagens comunitárias partilhadas e de respostas sociais mais inclusivas face aos desafios que se colocam às comunidades locais.

Algumas das intervenções já foram candidatadas aos avisos publicitados pelo Programa Operacional Regional de Lisboa 2020, e já se encontram em execução, enquanto outras estão em fase de submissão de candidaturas ou a aguardar a abertura dos respetivos avisos. No conjunto, estes projetos representam um investimento superior a 9 milhões de euros, cofinanciados em 50 por cento pelo POR Lisboa 2020, através do Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER) e do Fundo Social Europeu (FSE). Para além das operações já estruturadas e das medidas em execução, foram projetadas outras áreas de intervenção no âmbito do Portugal 2020.

No final do encontro foi reiterado o compromisso dos três municípios continuarem a trabalhar em conjunto na consolidação da estratégia partilhada e da visão comum referente à valorização e promoção da centralidade Arrábida.

Veja mais em ::::> ROSTOS

Eleição da mesa da 15ª Assembleia Municipal de Jovens de Sesimbra

Dia 20 de março no Cineteatro Municipal João Mota

A eleição da mesa da 15ª Assembleia Municipal de Jovens (AMJ), subordinada ao tema Património, Cultura, Futuro – A Noss@ Identidade Cultural, no âmbito do Ano Europeu do Património Cultural, realiza-se no dia 20 de março, terça-feira, às 15 horas, no Cineteatro Municipal João Mota, em Sesimbra.

A iniciativa envolve 50 alunos do 3º ciclo do ensino básico do concelho, dez de cada escola participante – Escola Básica Integrada da Quinta do Conde, Escola Básica 2,3/S Michel Giacometti, Escola Básica Integrada da Boa Água, Escola Secundária de Sampaio, Escola Básica 2,3 Navegador Rodrigues Soromenho.

A Assembleia Municipal de Jovens é dinamizada pela Assembleia Municipal de Sesimbra e tem como objetivo fomentar a participação das novas gerações, reforçar o espírito de cidadania, contribuir para a sua formação através do desenvolvimento da personalidade e do caráter, e proporcionar-lhes maior conhecimento sobre a realidade local e das instituições democráticas. O projeto tem também sido destacado como um bom exemplo de promoção da cidadania, e é uma referência nos projetos educativos das escolas do concelho.

Veja mais em ::::> ROSTOS

Câmara do Seixal exige que o Governo resolva a falta de barcos da Transtejo

14 de Março 2018

A autarquia do Seixal pede ao Governo que cumpra com o prometido e resolva “com urgência” os problemas nas ligações fluviais entre o Seixal e Lisboa. A Câmara Municipal considera que não é aceitável que continuem a ser suprimidas carreiras diariamente, prejudicando as populações.

O presidente do município, Joaquim Santos, considera que esta situação é “insustentável” e mostrou o seu desagrado pelas ligações fluviais terem sido substituídas por ligações rodoviárias nos últimos dias.

“O tempo que leva a travessia de um e de outro meio de transporte é totalmente diferente. As pessoas pagam os seus passes mensais para utilizar o barco e não o autocarro”, refere.

O autarca, que diz estar solidário com os utentes da Transtejo, lembrou também que “apesar das várias reuniões e reivindicações da autarquia, até ao momento nada foi feito, apesar de em Junho de 2017 o Ministério do Ambiente ter anunciado um investimento de 10 milhões de euros para o plano de manutenção da frota de navios da Transtejo e Soflusa”.

Recorde-se que no dia 9 de Outubro de 2017, o presidente da Câmara Municipal em conjunto com o presidente da União das Freguesias do Seixal, Arrentela e Aldeia de Paio Pires, António Santos, e vários elementos da Comissão de Utentes dos Transportes fizeram a travessia de barco como forma de mostrar a sua solidariedade para com a população.

“Nos últimos tempos os utentes do Seixal têm vindo a ver reduzido o número de carreiras diárias e que, apesar de apresentar milhares de reclamações, não obtém qualquer resposta. As inúmeras supressões de carreiras por parte da Transtejo têm sido alvo de reclamações e protestos por parte da população, que tenta assim ver resolvida a situação”, salienta a autarquia.

Segundo o município, desde 2011 já foram suprimidas 16 carreiras diárias e é notório que se tem vindo a “acentuar o desinvestimento da empresa na manutenção e reforço da frota”.

O transporte fluvial assume um papel de grande importância na mobilidade das populações, transportando cerca de 5 mil pessoas por dia para Lisboa, pelo que a Câmara Municipal “reitera a sua solidariedade para com a população na reivindicação de mais carreiras, mais investimento nas frotas e ainda a criação de novas carreiras que possam ligar os concelhos ribeirinhos do Seixal, Almada, Barreiro e Montijo”.

Veja mais em ::::> Diário da Região

Mancha negra de resíduos dá à costa em Almada

Costa da Caparica
14 de Matço 2018

Uma mancha de resíduos oleosos de cor escura e até bocados de redes de pesca deram à costa nas praias da Costa da Caparica entre esta terça e quarta-feira.

A Polícia Marítima de Lisboa e a Câmara Municipal de Almada recolheram amostras para perceber do que se trata.

Ao que foi possível apurar, a manta negra que se estendeu ao longo de várias praias trata-se de resíduos do fundo do mar e das armadilhas para polvos que, com o temporal, deram à costa e não de lavagens dos cascos e porões de navios e embarcações de pesca ao largo da Costa da Caparica, conforme foi avançado como possibilidade anteriormente.

Veja mais ekm ::::> Jornal de Notícias

Joana Mortágua contesta declarações de Inês de Medeiros

16 de Março 2018

A vereadora do Bloco exige uma tomada de posição sobre serviço público de transporte fluvial, contestando as declarações da Presidente da Câmara de Almada sobre a abertura do Tejo aos privados.

Em comunicado enviado à imprensa, Joana Mortágua, vereadora do Bloco de Esquerda na Câmara Municipal de Almada, diz considerar preocupantes as recentes declarações da Presidente da Câmara, Inês de Medeiros, que declarou que a Câmara Municipal tem recebido propostas de operadores privados para atividades no Tejo, tanto turísticas como de transporte de passageiros, acrescentando que não vê “razão para que isso não possa acontecer”.

“A presidente tem de esclarecer o que quer dizer com abrir o Tejo aos privados. Se está a falar de desporto, turismo e comércio, isso já existe. Se está a falar de privatizar o único transporte público de passageiros acessível às populações de Almada, poderá contar com a oposição do Bloco de Esquerda.”, afirma Mortágua, considerando que “o transporte flucial é essencial para meio milhão de pessoas que vivem na margem sul”.

A vereadora e deputada afirma que “com o desinvestimento dos últimos anos, têm sido frequentes as falhas e a degradação no serviço”, dizendo ainda que é “público que a maior parte dos navios está parada na Doca 13 da Lisnave, com avarias e sem certificado de navegabilidade”. Contudo, afirma, “o transporte fluvial também é o único transporte coletivo acessível aos concelhos ribeirinhos do Tejo que ainda não foi concessionado ou privatizado”.

Estas são as razões pelas quais, segundo a vereadora, “ é tão importante exigir um serviço público de transporte fluvial de qualidade”. Assim, a “solução não é abrir o transporte de passageiros a mais uma concessão, mais uma privatização. Degradar para privatizar é um velho truque que não serve as populações. A solução é mais investimento público na Transtejo/Soflusa”.

Na próxima reunião de Câmara, Joana Mortágua irá questionar a Presidente de Almada sobre as suas declarações e exigir uma tomada de posição sobre serviço público de transporte fluvial.

Veja mais em ::::> Esquerda Net

Promoção da «Marca Almada» mantém evolução positiva em 2017

Promoção da «Marca Almada» mantém evolução positiva em 2017
Com destaque especial para turismo e atividades de promoção culturais e artísticas

Comunicado CDU Almada

A CDU Almada sublinha que, depois de ter sido considerado pela Bloom Consulting em 2017 como “Marca Estrela” no “ranking” Viver do “City Brand Ranking” dos Municípios Portugueses, o Município de Almada voltou a destacar-se na avaliação desta empresa em 2018, no âmbito da 5ª edic¸ão do Portugal City Brand Ranking, que avalia a performance de marca dos municípios portugueses nas áreas do Turismo, Negócios e Talento.

Promoção da “Marca Almada” mantém evolução positiva em 2017

Foram hoje conhecidos os resultados de um conjunto de prémios nacionais atribuídos a entidades diversas em matéria de promoção pública das respetivas “marcas”, nos quais a marca “Almada” surge de novo em posição destacada.

A CDU Almada sublinha que, depois de ter sido considerado pela Bloom Consulting em 2017 como “Marca Estrela” no “ranking” Viver do “City Brand Ranking” dos Municípios Portugueses, o Município de Almada voltou a destacar-se na avaliação desta empresa em 2018, no âmbito da 5ª edic¸ão do Portugal City Brand Ranking, que avalia a performance de marca dos municípios portugueses nas áreas do Turismo, Negócios e Talento.

A consultora especializada em análise de estratégias e ferramentas de medic?ão de destinos por todo o mundo, classifica o Município de Almada na avaliação global dos três parâmetros utilizados no estudo em 11º lugar entre os 308 Municípios Portugueses, uma posição que representa uma melhoria de duas posições relativamente ao ano de 2017.

Nas três categorias consideradas individualmente, o Município de Almada melhorou a sua classificação em “Negócios” em três posições – passou de 14º para 11º lugar -, em “Viver” em uma posição – passou de 8º para 7º lugar -, e manteve a classificação obtida em 2017 em “Visitar” – 24º lugar do ranking.

Entre os primeiros 25 municípios portugueses classificados neste “ranking” anual, progredindo duas posições Almada é – a par de Portimão, 17º em 2018 – o quarto município que mais progrediu entre 2017 e 2018, superado apenas por Ponta Delgada – 24º em 2018, tendo progredido quatro posições -, Matosinhos – 13º em 2018, tendo progredido três posições -, e Vila Nova de Gaia – 9º em 2018, tendo progredido três posições.

O ano de 2017 foi também positivo no que respeita à promoção da marca Almada, de novo através do Festival “O Sol da Caparica”.

Nomeado para oito prémios promovidos pela Associação Portuguesa de Festivais (Aporfest) no quadro dos 272 festivais realizados em 2017 em todo o país, “O Sol da Caparica” venceu três importantes prémios:

Melhor Festival Lusófono e Hispânico – Ibérico (Best Lusophone and Hispanic Festival – Ibérico), votado pelo publico em Portugal, Espanha e América do Sul, constituindo importante reconhecimento pela aposta estratégica do Festival desde a sua primeira edição, na promoção de um Festival de Língua Portuguesa.

Melhor Grande Festival – Nacional (Best Major Festival – National), votado igualmente pelo público, foi atribuído ao “O Sol da Caparica” o prémio de melhor Grande Festival Nacional em confronto com grandes e prestigiados eventos nacionais e internacionais.

Melhor Ativação de Marca em Festival (National Best Brand Activation), este último atribuído pelo Júri aos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Almada.

A CDU Almada sublinha a evolução positiva da marca “Almada” em diferentes áreas de atividade do Município, com destaque especial para o turismo e atividades de promoção culturais e artísticas, a nível nacional e internacional.

Esta evolução resulta necessariamente da prática reiterada de uma política de investimento consistente e permanente na promoção do destino Almada prosseguida ao longo dos últimos anos, em especial durante o anterior mandato autárquico, durante o qual, entre muitas outras iniciativas de promoção de Almada, foram concebidas, organizadas e concretizadas as primeiras edições dos Festivais “O Sol da Caparica”, “Caparica Primavera Surf Fest”, que hoje integram por direito próprio e em lugar destacado o calendário dos mais de 270 festivais que se realizam no nosso país.

Almada, 16 de Março de 2018
A Coordenadora Concelhia de Almada da CDU

Veja mais em ::::> ROSTOS

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.