Passageiros em terra com avarias em barcos

Utentes denunciam supressões entre o Seixal e o Cais do Sodré.

barcos

Maria Grilo Fernandes, de 49 anos, residente em Fernão Ferro (Seixal), não esconde o desagrado pelas falhas nas ligações fluviais da empresa Transtejo/Soflusa entre o Seixal e o Cais do Sodré, em Lisboa: “Não sabemos se vamos ter barco e, quando temos, chega atrasado. Isto não pode continuar.” Maria Fernandes pediu explicações no balcão de atendimento, mas considera que a informação dada – avarias nos barcos – “não é suficiente para um passe que custa quase 50 euros”.

Desde sexta-feira que vários utentes denunciaram haver apenas um catamarã ao serviço, o que provocou transtornos a centenas de passageiros. Muitos apresentaram queixas no livro de reclamações. Tânia Gomes, de 37 anos, residente no Seixal, foi uma das utentes que sentiram a anomalia no horário das carreiras: “Chegava a casa muito mais tarde do que era previsto”. Carmen Nunes, de 47 anos, também do Seixal, compreende que haja avarias nos barcos, mas, “quando isto acontece, costumam pedir barcos ao Barreiro”, o que não aconteceu agora.

Questionada pelo CM, a Transtejo/Soflusa confirmou que, “devido a problemas técnicos imprevistos, existiu alguma perturbação de serviço na ligação Seixal – Cais do Sodré, nos dias 15, 18” e na manhã de ontem, mas que o serviço normalizou durante a tarde.

A Transtejo/Soflusa é responsável pelas travessias no rio Tejo entre a Margem Sul e Lisboa, com carreiras entre o Montijo, Barreiro, Seixal, Cacilhas (Almada) e Trafaria/Porto Brandão (Almada) e os terminais do Terreiro do Paço, Cais do Sodré e Belém.

Veja mais em :::> Correio da Manhã

Comments are closed.

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.