Tag: alcochete

Alcochete – Passeios gratuitos no Bote Leão durante festividades locais


Em Alcochete, durante as festas de São João, em junho, e as festas do Barrete Verde e das Salinas, em agosto, é possível passear de forma gratuita na embarcação tradicional Bote Leão.

Os dias 23 e 24 de junho e 12 e 14 de agosto são as datas disponíveis para realizar passeios gratuitos a bordo desta embarcação que, desde a sua inauguração (a 16 de junho do ano transato), tem sido um dos atrativos turísticos do Município de Alcochete.

Sendo também nas festividades locais que o Município regista mais afluência de visitantes e turistas, entendeu a câmara municipal dar continuidade ao calendário de passeios turísticos, uma proposta que mereceu unanimidade por parte do executivo municipal, no passado dia 7 de junho, em reunião de Câmara.

Veja mais em::::> CM Alcochete

Trinta e duas crianças assistidas em escola de Alcochete

Alunos têm entre 10 e 13 anos e estão a ser assistidos

Trinta e duas crianças da Escola Básica Rei D. Manuel I, em Alcochete, que se queixam de tonturas e dificuldades respiratórias, estão esta quarta-feira a ser assistidas por uma equipa do Instituto Nacional de Emergência Médica (INEM), informaram os bombeiros. Segundo o Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal, os bombeiros foram alertados às 14h41 para um problema com uma única criança, mas cerca das 16h10, o INEM já estavam monotorizar 17 crianças, com idades entre os 10 e os 13 anos, todas com os mesmos sintomas: tonturas e dificuldades respiratórias. Durante a tarde, surgiram novos casos aumentando para 32 crianças. As causas prováveis dos problemas de saúde detetados não foram ainda divulgadas. A agência Lusa tentou ouvir os responsáveis da escola, mas não foi possível estabelecer contacto. O CM sabe que pelo menos três crianças foram transportadas para o Hospital do Barreiro.

Ler mais em: Correio da Manhã

Na região de Setúbal Greve dos trabalhadores não docentes encerra diversas escolas

escola
A greve que os trabalhadores não docentes, estão a realizar hoje dia 20 de Fevereiro, segundo a União dos Sindicatos de Setúbal – “está a ter impacto na região com o encerramento várias dezenas de escolas e agrupamentos”.

Refere a USS que até ao momento, os dados de adesão à greve os seguintes, escolas encerradas:

Almada – Agrupamento Monte Caparica, Sec. Emidio Navarro, Sec. Prof. Ruy Luís Gomes, E.B. 2/3 Elias Garcia e primárias, E.B. 2/3 António da Costa

Barreiro – Agrupamento Santo António, Agrupamento Casquilhos

Seixal – Agrupamento Cruz de Pau, Agrupamento João de Barros, Agrupamento Paulo da Gama, Sec. José Afonso, Sec. Manuel Cargaleiro, E.B. 2+3 Pinhal de Frades.

Moita – Agrupamento José Afonso, Sec. Fragata do Tejo.

Alcochete – E.B. 2/3 Manuel I e primárias.

Montijo – Sec. Poeta Joaquim Serra

Sesimbra – Sec. Sampaio, E.B. 2/3 Navegador Rodrigo Soromenho e Michel Giacometti, E.B.1/J.I. Qta. Conde.

Sines – Sec. Poeta Alberto, E.B. 2/3 Vasco da Gama, E.B.1 Sines.

Santiago do Cacém – Sec. Manuel da Fonseca, E.B. 2/3 Cercal do Alentejo, Frei André Veiga, Santo André, E.B.1/J.I. Santo André 2 e 4, E.B. 1 Santo André 3.

“Na origem do presente protesto está a reposição da jornada de trabalho das 35 Horas semanais/ 7 diárias, aumentos de salários, a valorização da carreira dos trabalhadores não docentes, a contratação de trabalhadores de forma a assegurar todos os serviços aos alunos e restante comunidade educativa (reprografia e bibliotecas), o combate à precariedade para “posto de trabalho permanente, vínculo efectivo”, pela defesa da escola pública” – sublinha a União dos Sindicatos de Setúbal.

A União dos Sindicatos de Setúbal/CGTP-IN, saúda os trabalhadores não docentes, pela sua adesão à greve, e apela à sua participação na manifestação do próximo dia 7 de Março em Lisboa, “pela ruptura com a política de direita, pela construção de uma alternativa de esquerda e soberana”.

Fonte – USS/CGTP-IN

Centenas de voluntários da Siemens requalificam vila do Samouco

samouco
A Siemens concretizou na vila do Samouco, concelho de Alcochete, uma das intervenções de maior dimensão já organizadas pela empresa neste âmbito.
Cerca de 400 voluntários estiveram envolvidos, durante toda a manhã, na reconstrução e requalificação da vila, beneficiando diretamente cerca de 1260 famílias. Esta iniciativa de cariz social contou, para além dos colaboradores da Siemens Portugal, com a participação dos habitantes da vila, de várias entidades da região e da autarquia local.

Nos diversos trabalhos realizados foram utilizados mais de 3000 litros de tinta, cerca de 300 rolos, trinchas e pincéis, 330 metros quadrados de piso pavê e de borracha e 24 toneladas de areia, entre muitos outros materiais.

samouco2
“Com o orçamento da Junta de Freguesia era-nos impossível avançar, no curto prazo, com estas intervenções que trazem evidentes mais-valias quer para os espaços públicos, nomeadamente, para o Jardim de Infância e escola EB1, quer para a zona envolvente ao depósito da água e casas particulares. A gratidão da população ao apoio da Siemens tem sido fortemente manifestada”, acrescenta António Almeirim, Presidente da Junta de Freguesia do Samouco. A freguesia do Samouco tem mais de 3.100 habitantes, dos quais mais de 15% têm mais de 65 anos e cerca de 18% são crianças ou adolescentes. A taxa de desemprego ronda os 13%.

Das 15 intervenções que os voluntários da Siemens realizaram destacam-se os trabalhos levados a cabo no Jardim de Infância e na Escola Primária EB1. No Jardim de Infância foi feito o reforço estrutural do muro do recreio que se encontrava em risco de queda, o edifício foi isolado contra infiltrações, aumentou-se a segurança das crianças contra a intrusão de animais e estranhos através do levantamento de muros e foi feita a substituição dos toldos solares para que as crianças pudessem desfrutar do recreio.

Ler mais: Jornal da Região

RIO FRIO RECEBE PRIMEIRA PROVA EQUESTRE EM OUTUBRO

Alcochete e Palmela
Projeto da Sociedade Agrícola visa a recuperação de Herdade histórica
riofrio

O pólo equestre da Herdade de Rio Frio, localizado nos concelhos de Alcochete e Palmela, recebe em Outubro a sua primeira prova oficial, com o apoio da Entidade Regional de Turismo da Região de Lisboa (ERT-RL). Este é um passo importante na consolidação deste projeto, com fins agrícolas e turísticos, que vai culminar na abertura de um hotel rural em 2017.

O “Raide Rio Frio”, a primeira prova hípica na Herdade, vai ser coordenada pelo instrutor e cavaleiro da equipa nacional de endurance, Filipe Caixeirinha, e inclui quatro concursos de endurance: 20 km de promoção iniciação, 40 Km de promoção, 80 Km de qualificação e 80 Km de velocidade livre.

Para além da Coudelaria de Rio Frio, a Herdade inclui um Centro Hípico dotado, nesta primeira fase, com 52 novas boxes, balneários, zona social, vários picadeiros descobertos e instalações de apoio, assim como uma Academia de Equitação a instalar nas antigas cavalariças, picadeiro e instalações anexas.

A herdade tem ainda mais de 180 km de percursos equestres e parqueamentos. Estas primeiras instalações serão ainda reforçadas com novas boxes, um picadeiro Coberto, novas pistas exteriores e um Poney Club.

“Este equipamento, concebido à escala da área metropolitana de Lisboa, permitirá realizar em Rio Frio um conjunto de atividades equestres que se pretendem de dimensão nacional e internacional e afirmar a Região como referência para o treino a prática de desportos equestres”, de acordo com Vítor Costa, presidente da ERT-RL.

O projeto de Rio Frio inclui ainda uma componente de vinhos e enoturismo, com base numa vinha de 118 hectares plantada nos últimos quatro anos, e cujos novos vinhos “Herdade de Rio Frio”, branco e tinto da colheita de 2013, serão colocados no mercado durante este mês de Julho.

“A entrada em funcionamento do “Hotel Rural Rio Frio”, prevista para 2017, aumentará e consolidará a oferta global permitindo que, num horizonte de médio prazo, Rio Frio, para além de um centro de produção agrícola se afirme também como um grande centro de lazer e atracção da região de Lisboa, vocacionado para actividades de animação turística em torno do turismo equestre, enoturismo, turismo natureza e alojamento turístico em espaço rural”, afirma José Ramos Rocha, presidente da Sociedade Agrícola de Rio Frio.

O Pólo Equestre Rio Frio, localizado na Herdade de Rio Frio, nos concelhos de Alcochete e Palmela, ocupa uma área de 25 hectares, junto ao Monte de Rio Frio e no centro dos 5.200 hectares da Herdade.

A prova é organizada pela Sociedade Agrícola de Rio Frio S.A e apoiada, além da ERT-RL, pela Federação Equestre Portuguesa e os Municípios de Alcochete e Pamela.

veja mais em :::> Rostos

Trabalhadores da Amarsul avançam com dois dias de greve na próxima semana

Amarsul3

Os trabalhadores da empresa Amarsul vão cumprir dois dias de greve de 24 horas a 30 de abril e 2 de maio, contra a privatização da empresa, anunciou hoje a União de Sindicatos de Setúbal.

A Amarsul foi constituída em 1997, tendo-lhe sido atribuída a concessão de exploração e gestão do Sistema Multimunicipal de Valorização e Tratamento de Resíduos Sólidos da Margem Sul do Tejo, por um período de 25 anos.

O capital social da Amarsul pertence em 51% à Empresa Geral de Fomento (EGF) e em 49% aos municípios inseridos na sua área de atuação: Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal, Sesimbra e Setúbal.

“Com a privatização da Amarsul/EGF, para além dos 3,5 milhões de euros deixarem de entrar nos cofres do Estado, serão as populações que passam a pagar mais pelo tratamento dos resíduos sólidos urbanos, taxa esta que vem habitualmente incluída na fatura da água”, refere a informação divulgada pela união sindical.

A união refere ainda que serão os “grandes grupos económicos e financeiros” a beneficiar da privatização, considerando que “compram por tostões, obtendo um negócio de milhões”.
Os nove municípios acionistas da Amarsul manifestaram-se contra a privatização dos serviços públicos de resíduos e contra a privatização da empresa pública Empresa Geral de Fomento (EGF), já promulgada pelo Presidente da República, anunciando que vão avançar para os tribunais e para outras ações de luta na rua.

Lusa/SIC

Roubo de estátua de forcado em Alcochete

Roubo da estátua de Hélder Antoño revolta população
Alcochete1

O roubo da estátua, em bronze, de Hélder Antoño, antigo forcado dos Amadores de Alcochete, que morreu na arena da praça alcochetana a 27 de Março de 1988, está a gerar forte indignação nas comunidades locais. Em particular, na comunidade de Alcochete, mas também em Montijo, terra natal do forcado, onde o tema tem dominado atenções. O Grupo de Forcados Amadores de Alcochete emitiu um comunicado a manifestar “revolta e sentimento de dor”.
Veja mais em ___> Setúbal na Rede
alcochete2

A estátua em bronze de Hélder Antoño, antigo forcado dos Amadores de Alcochete, que morreu na arena da praça alcochetana com apenas 21 anos e quatro meses de idade, foi roubada. Estava localizada em frente à Praça de Toiros de Alcochete, sendo um símbolo importante do concelho. A GNR tem identificada uma matrícula “de uma carrinha suspeita de ter estado no local” e está “a ver também nas sucateiras, porque a estátua é em bronze e o objectivo deve passar por ser fundida”, disse fonte da GNR. (22-04-2014 21:04) »

Setúbal na Rede

MUNICÍPIOS ACIONISTAS DA AMARSUL CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE RESÍDUOS

amarsul
MUNICÍPIOS ACIONISTAS DA AMARSUL

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DOS SERVIÇOS PÚBLICOS DE RESÍDUOS!

CONTRA A PRIVATIZAÇÃO DA EMPRESA PÚBLICA, EGF!

O Presidente do Conselho Directivo da AMRS, Rui Garcia, manifestou-se durante esta manhã, 11 de abril, em conferência de imprensa conjunta com os nove municípios acionistas da AMARSUL, claramente contra a privatização dos serviços públicos de resíduos e, consequentemente contra a privatização da empresa pública EGF. No Auditório Municipal Augusto Cabrita, Parque da Cidade, no Barreiro, reuniram-se AMRS e os Municípios Associados, e apresentaram publicamente uma posição de conjunto sobre as acções a desenvolver, no sentido de combater a intenção do Governo de privatização da EGF – Empresa Geral do Fomento, detentora de 51% do capital da Amarsul que serve os nove municípios da Península de Setúbal.

Fazendo o enquadramento da questão, foi dito que os serviços de gestão de resíduos urbanos foram, desde 1976 a 1993, uma responsabilidade exclusiva da administração local do Estado, sendo a sua gestão controlada e assegurada pelas Autarquias Locais e pelos seus Órgãos democraticamente eleitos.

Em 1997, os Municípios de Alcochete, Almada, Barreiro, Moita, Montijo, Palmela, Seixal e Sesimbra (no caso de Setúbal, em 2002), para poderem garantir Fundos Comunitários para o financiamento de investimentos necessários ao tratamento dos resíduos urbanos, foram levados a consentir que uma parte da gestão e exploração destes serviços – a valorização e o tratamento de resíduos sólidos urbanos – fosse assegurada através da criação de uma empresa de capitais 100% públicos, a AMARSUL, na qual o Estado é o acionista maioritário através da empresa pública EGF- Empresa Geral de Fomento.

Hoje, a AMARSUL é uma empresa equilibrada e sustentável financeiramente, com um lugar importante num setor estratégico, económica e financeiramente sustentado, no qual se prevê que, nos próximos anos, sejam investidos importantes verbas no País, parcialmente provenientes da União Europeia.

E é neste quadro que o Governo se prepara, agora, para vender a privados, a sua posição de acionista maioritário colocando em causa a própria subsistência dessas empresas em função de razões de interesse nacional.

Rui Garcia não hesitou em considerar que isto subverte e contraria as condições que levaram os Municípios da Península de Setúbal a aceitar participarem no capital social 100% público da AMARSUL, ao mesmo tempo que transforma o serviço público de gestão e tratamento de resíduos urbanos, num negócio privado que apenas visa o lucro, com inevitáveis aumentos de tarifas e com graves prejuízos para os trabalhadores da própria empresa, para as populações, para a Região e para o País.

É um serviço indispensável às populações, deve ser mantido na esfera pública

Neste sentido, e de forma conjunta, os Municípios acionistas da AMARSUL, legítimos representantes das populações, reiteraram as posições já assumidas em Assembleias Gerais da AMARSUL, a saber:

. Exigem, no respeito pela autonomia do Poder Local e no cumprimento integral da Constituição da República Portuguesa, que a AMARSUL se mantenha com capitais 100% públicos;

. Repudiam o processo de privatização da EGF, que o Governo pretende concretizar;

. Tomarão todas as medidas ao seu alcance que visem a análise da legalidade do processo de privatização da EGF e da constitucionalidade da legislação já aprovada ou em processo de aprovação, que possam pôr em causa a autonomia do Poder Local, o respeito pela Constituição da República Portuguesa, os interesses dos Municípios envolvidos e os direitos dos trabalhadores da AMARSUL;

. E, na qualidade de detentores dos resíduos produzidos nos seus concelhos, analisam soluções que permitam manter na esfera pública a prestação de um serviço público de resíduos urbanos, em alternativa às graves consequências que a privatização da EGF, a verificar-se, criaria na AMARSUL e nas populações.

Carlos Humberto de Carvalho, Presidente da Câmara Municipal do Barreiro, sublinhou o facto de, independentemente das questões políticas, os nove municípios terem um posicionamento comum e mais “esta posição começa a ser generalizada e unânime, na Região e no País, onde se encontram as onze empresas similares de resíduos sólidos urbanos que integram 174 Municípios, de capitais exclusivamente públicos e nas quais a EGF é maioritária, em representação do Estado”.

Para este Autarca, assim como para os demais eleitos presente nesta Conferência, importa avançar com ações jurídicas e políticas de combate a esta privatização. No que respeita ao Concelho do Barreiro, o Presidente deixou bem claro que “daremos a dimensão que nos for possível, deste problema, junto das populações e não nos ficaremos por aqui”.

E no ar ficou a frase “A ver vamos, a ver vamos, se esta será a única empresa que trata os lixos da Região. O futuro o dirá”, declarou Carlos Humberto de Carvalho.

Veja mais em ::::> DISTRITO ONLINE

Nova frente ribeirinha de Alcochete inaugurada em Abril

vv

A Câmara Municipal de Alcochete vai inaugurar o espaço requalificado da Frente Ribeirinha já no próximo mês. A empreitada está concluída e a cerimónia, segundo avançou a autarquia, está “agendada para meados de Abril”. “Com o objectivo de preservar o espaço público, totalmente renovado, a Câmara Municipal vai colocar pilaretes de delimitação da circulação automóvel, conferindo igualmente maior segurança na circulação pedonal”, informa o vereador José Luís Alfélua, citado numa nota de Imprensa da autarquia.

Veja mais em :::> Setúbal na Rede

Bruno Vitorino, presidente da Distrital de Setúbal do PSD

BrunoVitorino2

Bruno Vitorino, presidente da Distrital de Setúbal do PSD, considera que é importante esclarecer a estratégia de desenvolvimento para o Porto de Lisboa e quais as consequências que ela terá para a região, sobretudo como ela se irá articular com o projecto do Arco Ribeirinho Sul.

“Queremos fazer do distrito de Setúbal o Distrito das oportunidades e do crescimento. Queremos aproveitar o nosso potencial para nos desenvolvermos e para ajudarmos o país na recuperação económica”, sublinha.
“Queremos ser o distrito de Setúbal das oportunidades e do crescimento”

O novo presidente da Distrital de Setúbal do PSD, Bruno Vitorino, quer voltar a pôr na ordem do dia os desafios que se colocam à região, discutindo estratégias e prioridades e defendendo o investimento público e privado.

Na cerimónia de tomada de posse da nova Comissão Política Distrital, realizada ontem, o dirigente social-democrata defendeu a necessidade de discutir apostas estratégicas de desenvolvimento sustentável para a região, assentes em quatro vectores fundamentais: o sector portuário; a agricultura e o mar; a reindustrialização; e o turismo.

Veja mais em :::> ROSTOS

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.