Tag: almada

XV Festival de Bandas Filarmónicas em Almada

Clicke na imagem para ver

Fotos e vídeo de :::> Henrique Santos
22 de Outubro 2017

Quatro bandas centenárias de Almada homenageiam a música filarmónica, num Festival de entrada livre.

Em 2017, o Festival de Bandas Filarmónicas reúne, pela primeira vez, as quatro bandas centenárias do concelho.

O desfile de bandas teve início a partir das 10h30 e seguiu em direção ao Largo Gabriel Pedro, em Almada, onde apresentaram cumprimentos às entidades oficiais e à população e cada uma das bandas tocará o seu hino:

– Sociedade Filarmónica Incrível Almadense
Partida da sede da Incrível Almadense, Almada

– Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense
Partida da sede da Academia, Almada

– Sociedade Filarmónica União Artística Piedense
Partida da Praça Gil Vicente, Cacilhas

– Sociedade Recreativa Musical Trafariense
Partida da Praça S. João Baptista, Almada

Veja mais em :::< CMALmada

Governo autoriza urbanização na antiga Lisnave

Por Bruno de Castro Ferreira|20.10.17

Cidade da água vai estender-se por 63 hectares de Almada, Barreiro e Seixal.

O Governo deu luz verde à construção de uma urbanização dos terrenos dos estaleiros da Lisnave, em Almada. O investimento de 1,2 mil milhões de euros já terá interessados, mas não podia avançar sem esta alteração legal. De acordo com o decreto-lei publicado ontem em Diário da República, 40 dos 45 hectares dos antigos estaleiros saem do domínio público hídrico e passam para domínio privado do Estado, o que permite avançar com a construção da chamada Cidade da Água. Assim, lê-se no decreto-lei, estão criadas as “condições para pôr em prática parte do Projeto Arco Ribeirinho Sul e dar um novo uso aos terrenos da Margueira […] no âmbito dos objetivos definidos no Plano de Urbanização de Almada Nascente, definido em 2009”. O projeto final inclui a construção de habitação, espaços culturais, de serviços e de lazer, hotéis e escritórios. Está ainda prevista a construção de uma marina e de um terminal de transportes. A Cidade da Água, da responsabilidade da empresa Baía do Tejo, estende-se por 63 hectares dos municípios de Almada, Barreiro e Seixal.

Ler mais em: ::> Correio da Manhã

Sobre finais e despedidas… sobre afetos

16 de Outubro 2017

Ana Malta no Facebook

Não gosto de finais “tristes”. Não gosto. Choro sempre no final. É terrível. Porque nunca consigo conter-me.
Fica um vazio imenso. Uma escuridão. Como se tivessem apagado as luzes e deixasse de ver ao longe o caminho.

Também detesto despedidas. Doem sempre. Sobretudo dizer adeus a quem se gosta. A quem deu tanto de si e recebeu tanto de nós.

E serviu lhe tão bem a camisola quando há 8 anos a vestiu por inteiro, empenhando-se de alma e coração.
Costuma dizer-se que ninguém é insubstituível. E talvez seja verdade. Mas há pessoas que deixam nos outros a sua marca e levam consigo um pouco de nós, independentemente da cor política, do clube ou da religião que pratiquem.

São pessoas com P maiúsculo. Daquelas que se movem por grandes causas e por grandes lutas, sem nunca saírem do caminho traçado e seguindo sempre as suas mais fortes convicções.

Para mim foi um prazer percorrer consigo este caminho. [às vezes quase como a sua sombra é verdade].

Olhando agora, parece que passou rápido, mas foi longo e trabalhoso. Mas também muito recompensador. Aprendi muito. Levo muito, destes 8 anos. Eu e todos. Tenho a certeza disso.
E também tenho a certeza de que levará para sempre o SMAS e os seus trabalhadores no seu coração.
Este abraço foi longo mas de até já! Vemo-nos por aí…
… em Almada, sempre. E porque há afetos que nunca se perdem! OBRIGADO!

Veja mais em :::> Ana Malta

ALMADA Dia do diploma junta 1.500 pessoas na maior enchente de sempre

16 de Outubro 2017

Entrega de diplomas a alunos que se distinguiram pelas notas e pelo bom comportamento é já uma referência no concelho e este ano registou uma moldura humana impressionante, com as bancadas do Complexo Municipal dos Desportos repletas de gente

O ‘Dia do Diploma’, cerimónia de entrega de prémios do Agrupamento de Escolas Francisco Simões, de Almada, registou este ano a maior enchente de sempre, com cerca de 1.500 pessoas, entre pais, familiares e membros da comunidade educativa a assistirem.

A participação foi tão grande que o evento, que costuma realizar-se no refeitório da Escola Francisco Simões, foi transferido para o Complexo Municipal dos Desportos Cidade de Almada, para conseguir acolher as cerca de quinze centenas de pessoas que acorreram ao local. Com esta enorme capacidade de mobilização, o Dia do diploma, afirmou-se já como uma realização de referência entre os eventos da área da Educação no concelho de Almada.

A organização, anual, é da responsabilidade do Júri dos Prémios de Mérito do Agrupamento, este ano composto pelas professoras Olívia Mateus, Cármen Pinto (posteriormente substituída por Marta Horta), do 1º ciclo; Ana Leonor Duarte (2º ciclo); Cristina Santos (substituída por Cristina Artur), Maria de Lurdes Trilho, Rosário Proença, Carmo Mestre (3º ciclo e ensino secundário) e por Carla Garcia, em representação da Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Francisco Simões.

A primeira parte do evento contou com um espectáculo composto de variados números de música e de dança proporcionado por algumas colectividades locais, nomeadamente os Dominó e os Vozes d’Água com música tradicional portuguesa; a graciosidade do Grupo de Sevilhanas e Flamenco do Beira-Mar de Almada, da responsabilidade da professora Marisa Caeiro; a sonoridade da Orquestra 7, sob a direcção do maestro Filipe Henda e o ritmo da Escola de Dança NEXT, sob a orientação da profª Lara Alves, que graciosamente colaboraram nesta festa. Os restantes números artísticos (canto, judo, dança, ballet e poesia) foram interpretados por alunos das várias escolas do Agrupamento.

A segunda parte da cerimónia consistiu na entrega das menções honrosas, prémios de valor e prémios de mérito aos alunos que se distinguiram pelas suas classificações e atitudes no ano lectivo 2016/17, e na entrega dos diplomas de conclusão do ensino secundário àqueles que concluíram o 12º ano nesse mesmo ano lectivo. O prémio «Almada, Cidade Inteligente» foi atribuído pela directora do Departamento de Educação e Juventude da Câmara Municipal de Almada, Paula Sousa, ao aluno Daniel Estêvão do Curso Profissional Técnico de Multimédia por ter obtido a melhor classificação do 12º ano.

A apresentação esteve a cargo de treze alunos do 5º ao 11º ano de escolaridade: Nuno Rodrigues, Filipa Leitão, Tomás Martins, Leonor Meireles, Duarte Simões, Lara Diniz, Tiago Marques, Rita Farinha, Lucas Cirilo, Beatriz Coelho, Miguel Moreira, Carolina Campos e Henrique Pinheiro. O staff do evento foi assegurado por alunos dos Cursos Profissionais Técnico de Turismo e Técnico de Multimédia. Como convidados especiais, a cerimónia contou com a presença do presidente da União das Freguesias Laranjeiro e Feijó, Luís Palma, um dos patrocinadores dos prémios atribuídos aos alunos; do patrono do Agrupamento, o escultor Francisco Simões, que agradeceu à grande plateia a presença em momentos-chave do Agrupamento e sobretudo aos 95 alunos premiados; da directora, professora Augusta Delgado, que aplaudiu todos os elementos da comunidade educativa presente, sobretudo os alunos, pelo seu mérito.

Os agradecimentos foram dirigidos à equipa de trabalho pela organização do evento que levou até ao Complexo Municipal dos Desportos uma tão grande moldura humana até então nunca vista em eventos anteriores (que começaram por ter lugar no refeitório da escola, referiu a Presidente do Júri); ao pessoal docente, não docente, alunos e encarregados de educação por dignificarem o trabalho do Agrupamento de Escolas Francisco Simões; e aos patrocinadores por terem contribuído para a aquisição dos prémios para os alunos: Câmara Municipal de Almada, União das Freguesias Laranjeiro e Feijó, Teatro Municipal Joaquim Benite, TST, Associação de Pais e Encarregados de Educação da Escola Francisco Simões, Diário da Região, TV Almada, Porto Editora, Raiz Editora, papelaria Soltecópia, pastelaria Doce Creme e Café ABC.

Veja mais em :::> Diário da Região

Faltam trabalhadores ao Arsenal do Alfeite

Comissão alerta para diminuição de pessoal com saídas para outros organismos.

Os trabalhadores do Arsenal do Alfeite estão preocupados com a diminuição de efetivos e com a demora na contratação de substitutos, situação agravada com o não funcionamento da escola de formação daquele estaleiro naval de Almada, que tem como principal cliente a Marinha. Segundo explicou ao CM a comissão de trabalhadores, a diminuição de pessoal qualificado tem origem em “saídas para outros organismos”. Em paralelo, há “demora na contratação” e “falha dramática na passagem do conhecimento profissional”. Dificuldades já transmitidas ao Ministério da Defesa e à Marinha. Foi solicitada, mas ainda não realizada, uma audiência com a secretaria de Estado do Tesouro e Finanças. Os trabalhadores alertam ainda para a “ausência de um quadro específico de carreiras” e o “congelamento de progressões e atualizações salariais desde 2009”. O estaleiro é 100% da Empordef, holding do Estado para as indústrias de defesa. Entre os trabalhos entregues encontra-se a construção de dois salva- -vidas para o Instituto de Socorros a Náufragos. Está programada a manutenção do submarino ‘Arpão’ e das fragatas Vasco da Gama, dependentes do prolongamento da doca. A obra já tem verba mas as Finanças não deram luz verde para o seu uso. Várias fontes ouvidas pelo CM dão como “solução ideal” a reintegração do Arsenal do Alfeite na Marinha, a quem pertenceu até 2009. A comissão de trabalhadores afirma não ter “parecer sobre o assunto”.

Ler mais em:Correio da Manhã

António Costa promete investimento de 1,7 milhões de euros na Margem Sul

11 de Outubro 2017

O primeiro-ministro garantiu aos presidentes das câmaras de Almada, do Barreiro e do Seixal fazer avançar projetos em que haja manifestações de interesse por parte de privados.

A reunião que juntou os autarcas de Almada, do Barreiro e do Seixal e o Primeiro-ministro, António Costa, aconteceu há cerca de duas semanas e juntou também à mesa os ministros do Mar, Infra-estruturas e Ambiente.

A reunião tinha como objetivo perceber os avanços dos projetos que os autarcas consideram estruturantes nos antigos terrenos da Lisnave (“Cidade da Água na Margueira”), Quimiparque (“novo terminal de contentores do Barreiro”) e Siderurgia Nacional (instalação de novas indústrias no Seixal).

Todos estes projetos dependem de questões administrativas, decisões políticas e resolução de passivos ambientais.

Carlos Humberto, presidente da Câmara do Barreiro, em declarações ao Jornal de Negócios desta segunda-feira, 21 de novembro, salientou que esta reunião com António Costa foi “um bom sinal”. Da parte do chefe do Executivo, os responsáveis das autarquias obtiveram garantias do Governo para executar os projetos, difundidos através do Lisbon South Bay pela Baía do Tejo, empresa do universo Parpública.

Segundo Carlos Humberto, o governo de António Costa olha para o projeto como “de interesse nacional”, e por isso, entende que “deve ser visto como um todo” e reconhece a sua importância “como dinamizador regional”.

Veja mais em ::::> Eu Gosto das Freguesias de Almada

ALMADA RECEBE A “CHAMA DA SOLIDARIEDADE”


Fotos Cooperativa Piedense

A Chama da Solidariedade estará presente no Concelho de Almada de 10 de Outubro a 10 de Novembro, estando previstas várias iniciativas das IPSS em conjunto com toda a sociedade, com o objetivo de apelar ao espírito da Solidariedade humana.

Desde de setembro até junho de 2018, todos os concelhos do Distrito de Setúbal vão receber a “Chama da Solidariedade”, iniciativa que visa promover os valores que unem as diferentes instituições de carácter solidário do País. A passagem da chama por todos os concelhos, antecede a grande Festa da Solidariedade 2018 que acontecerá no mês de junho.

O percurso começou no Seixal no mês de setembro, agora o testemunho será passado ao município de Almada. O Centro Social Paroquial Padre Ricardo Gameiro irá fazer parte desta iniciativa recebendo a chama no dia 10 de Outubro, pelas 14h30, na Praça São João Batista, em Almada.

Esta é uma iniciativa organizada pela Confederação Nacional das Instituições de Solidariedade e pela União Distrital das Instituições Particulares de Solidariedade Social de Setúbal com o apoio dos municípios do distrito.

Veja mais em :::> Centro Paroquial de Almada

Vídeo de Henrique Santos

Veja mais em :::> Henrique Santos

Soflusa falha ligações durante a hora de ponta

8 de Outubro 2017

Cumprimento dos horários exige uma frota de seis navios. Só quatro estão disponíveis.


partir de amanhã e até sexta-feira, a Soflusa, empresa responsável pelas ligações fluviais no rio Tejo, não vai assegurar a totalidade das carreiras que ligam o Barreiro ao Terreiro do Paço durante a hora de ponta – entre as 05h30 e as 09h30 – por falta de navios operacionais. “Na hora de ponta da manhã, aos dias de semana, o cumprimento dos horários estabelecidos exige a disponibilidade de seis navios. Na semana que se inicia, dois navios estão sem certificado de navegabilidade e um já deveria ter saído do estaleiro. A empresa só dispõe, atualmente, de quatro navios operacionais”, explicou ao Correio da Manhã fonte da Soflusa. A empresa garante, no entanto, que ao longo do dia “tudo fará para assegurar que as carreiras se mantenham”. A Soflusa referiu ainda que o navio Damião de Goes, que faz a ligação Barreiro-Terreiro do Paço, está em estaleiro e, “em seguida, entrarão os navios Fernando Namora e Jorge de Sena, (também responsáveis por esta ligação entre o Barreiro e Lisboa). Com estas operações de docagem concluídas até ao final do ano, é expectativa da empresa que em 2018 seja assegurada a normalidade da oferta”. A empresa aguarda também “a todo o momento, que o navio Damião de Goes saia do estaleiro e retome a atividade, o que permitirá minimizar a diminuição das carreiras”.

Os atrasos e as falhas nos transportes fluviais entre Lisboa e a Margem Sul motivam amanhã um protesto da Comissão de Utentes dos Transportes do Seixal, que vão viajar até Lisboa no barco que parte às 08h10. A iniciativa conta com o apoio da Câmara do Seixal.

Ler mais em: Correio da Manhã

Inês de Medeiros: “Assustada não diria, mas é uma tarefa grande”

4 de Outubro 2017

Na noite eleitoral, o presidente cessante, Joaquim Judas, telefonou-lhe duas vezes mas não falaram sobre o futuro. Essa conversa começa agora, com todas as forças eleitas.

A presidente eleita está a resolver as últimas coisas no Inatel e no Teatro da Trindade, mas sabe que quer trabalhar em articulação com os outros concelhos da Área Metropolitana de Lisboa porque sem isso não há soluções para questões essenciais como a mobilidade. Gosta de cacilheiros, sim, “esse é o transporte mais rápido, eficaz e limpo entre as duas margens”.

Não está assustada com a tarefa gigante que tem entre mãos?

ssustada não diria, porque sou uma otimista, mas estou consciente de que é uma tarefa grande. Todos nós que nos apresentamos a eleições temos de ter consciência de que representamos mais do que nós próprios e a nossa força partidária. O tempo da disputa política, que é saudável e desejável em democracia, acabou. Agora é trabalhar por aquilo que todos queremos, o bem do território e das populações.

Vai trabalhar com os eleitos dos outros partidos? Como vai organizar o executivo?

Ainda temos de conversar todos. Para já está tudo em aberto. Não é um caso único, há muitas câmaras onde não há maioria. Independentemente de qualquer tipo de acordo que venha a ser criado, ou não, o importante para Almada é termos sempre a noção de abertura, de diálogo e do envolvimento de todos para aproveitar a oportunidade que Almada tem neste momento, até pelo contexto que o país está a viver. Vai ser precisa a mobilização de todos.

Vai mesmo viajar todos os dias de cacilheiro entre Lisboa e Almada?

Acho que não me vão deixar, mas gosto muito de andar de cacilheiro, e é certamente o transporte mais rápido, eficaz e limpo entre as duas margens.

Quais são os projetos mais urgentes?

Muita coisa em Almada é urgente. A mobilidade é obviamente uma urgência. Com os candidatos do Partido Socialista, assinei um compromisso para o de­senvolvimento sustentável, sobretudo ao nível da mobilidade, que tem de ser vista dentro da Área Metropolitana de Lisboa. Outra questão primordial é a da eficácia da limpeza. Há dois grandes projetos para Almada que têm de avançar rapidamente, até porque têm um tempo de execução que é longo – os projetos da Margueira/Lisnave e do Ginjal. Ambos são essencialmente investimentos privados, mas importa que a câmara tenha uma visão a médio prazo. O projeto da Lisnave vai criar uma nova centralidade e os serviços têm de estar preparados. Há dois grandes contratos de concessão – dos TST e da Fertagus – que têm de estar finalizados até finais de 2019 e têm de ter em conta essa evolução. Nada disto pode ser tratado de forma isolada, mas sim ao nível de um plano integrado que junte a mobilidade, a reabilitação e os novos investimentos.

O desemprego continua a ser muito pesado no concelho?

Almada está com os piores resultados de Lisboa e Vale do Tejo na descida do desemprego, o que é incompreensível dada a situação geográfica. No último ano, tem piores resultados na retoma económica e do emprego do que o próprio Seixal, embora tenha mais potencialidades.

Tem 20 quilómetros de praias. Vai apostar no turismo?

Propomos o programa Costa Todo o Ano. O turismo massificado já não é solução, queremos apostar num turismo de qualidade e diversificado, desde a praia ao turismo desportivo e religioso. O Cristo Rei é o segundo monumento religioso mais visitado do país, mas isso não tem reflexos em Almada. Há que aplicar medidas, umas complicadas, outras simples, como o ordenamento do espaço, a sinalética, a reorganização de serviços eficazes e próximos.

Grande parte da população de Almada trabalha fora do concelho.

Muitos jovens disseram-nos que gostam de viver e estudar aqui, querem continuar mas não conseguem emprego. Não basta dizer que se apoia o empreendedorismo ou fazer startups. Tem de haver apostas específicas. Já existe o Madan Parque, ligado à FCT e que inclui as câmaras de Almada e do Seixal, um ninho de empresas ligadas à tecnologia. Agora queremos investir na responsabilidade social, que passa pelo desenvolvimento sustentável e pelo serviço a pessoas, com novos serviços que estão a surgir.

Vai apostar nos dois grandes festivais – o de teatro e o Sol da Caparica?

Claro. Almada tem o maior festival de teatro do país, uma referência – o Festival Internacional de Teatro de Almada. Não pondo em causa a sua ótima matriz artística, gostaria que invadisse as ruas e mobilizasse todo o concelho, tornando-o central nas festas de Almada, que poderá ser a grande cidade criativa das artes performativas. A aposta na cultura, mesmo ao nível das políticas sociais, é muitíssimo importante. Mas há ainda uma medida proposta pela Juventude Socialista que gosto de salientar. Há um problema com a instalação dos estudantes do polo universitário e há um problema de envelhecimento e de isolamento da população. A ideia é apoiar um arrendamento intergeracional.

Jovens a alugar quartos em casas de pessoas idosas?

Exatamente. Gosto que tenha sido proposto pelos jovens, conscientes de que isto é cada vez mais importante: tentar resolver uma questão de habitação e ter também efeitos benéficos no combate ao isolamento e pelo envelhecimento ativo.

Veja mais em ::::> Diário de Notícias

Finanças bloqueiam capacidade do Alfeite para reparar mais navios

8 Outubro 2017

Limitações do Alfeite poderão obrigar obrigar Marinha a fazer reparações no submarino Arpão na Alemanha, com os custos a aumentarem

Marinha preocupada porque o Arsenal continua a não conseguir reparar, em simultâneo, submarinos e navios de superfície

É um mistério, que nem as Finanças nem o Ministério da Defesa explicam. Porque é que o Arsenal do Alfeite (AA) continua sem luz verde para usar as verbas que tem no banco, desde janeiro e transferidas pelo próprio governo? Além de a empresa já estar em risco de perder milhões de euros por negócios não realizados, é quase certo que terá de imputar aos clientes – como a Marinha – os custos adicionais inerentes à realização dos trabalhos noutros locais, soube o DN.

Os milhões a receber decorrem de conseguir fazer a reparação de submarinos alemães construídos pela ThyssenKrupp Marine Systems (TKMS) para a Marinha, a começar pelo português Arpão a partir de setembro de 2018 e cujo valor por unidade supera os 20 milhões de euros na intervenção programada. Quanto aos custos adicionais a pagar pelos clientes, o mesmo navio da Marinha serve de exemplo: caso tenha de ir para os estaleiros de Kiel, cabe ao ramo naval das Forças Armadas suportar os valores associados ao envio da guarnição e à estada das equipas de acompanhamento (15 meses).

Diferentes fontes garantem não estar em causa cativações de verbas (cerca de dez milhões de euros do próprio capital social da empresa), nem o saber onde arranjar dinheiro para um investimento qualificado como reprodutivo – alargar o cais do AA, para reparar e fazer manutenção simultânea de submarinos e navios de superfície.

As Finanças, que não responderam ao DN até ao fecho da edição, enviaram no fim de setembro uma portaria de extensão de encargos para pagar a formação dos trabalhadores nos estaleiros de Kiel (onde acompanham a reparação do submarino Tridente). Contudo, as mesmas Finanças “não deram autorização para usar a verba respetiva”, inferior a um milhão de euros, lamentou ontem uma fonte da Defesa ao DN.

Quanto às outras duas portarias de extensão de encargos, pedidas pelo AA e necessárias para fazer pagamentos plurianuais, uma visa construir duas lanchas salva-vidas para a Marinha e a outra respeita às obras no cais (envolvendo também aspetos ambientais), explicou outra das fontes.
Neste momento, alertou outra fonte, há um atraso de pelo menos cinco meses no processo, que começa com o lançamento do concurso internacional para a realização das obras, envolve a análise dos processos e eventuais recursos judiciais de candidatos derrotados, depois a contratualização dos trabalhos e a sua realização. Isto significa uma de duas situações para o AA: ou já não recebe o submarino Arpão, em setembro de 2018; ou então aceita-o e durante 15 meses não recebe qualquer outro navio.

Com a Marinha a ter de realizar ações de manutenção em pelo menos uma das fragatas Vasco da Gama, bem como em corvetas, estes meios teriam de ir para outro lado – sendo obrigação contratual do AA fazer esses trabalhos. “A situação não é fácil”, até porque “os encargos recairiam sobre o cliente e não sobre o Arsenal”, disse ao DN uma fonte que já esteve envolvida em processos desses.
Quanto à Marinha, apesar das potenciais implicações desta situação, o seu porta-voz limitou-se a dizer ao DN que o ramo “não tem informação” relativa ao AA que suscite preocupações. “Mantém-se o planeamento” quanto aos prazos de docagem do submarino Arpão (em setembro de 2018), das fragatas e das corvetas até 2020, afirmou o comandante Coelho Dias, acrescentando: “Estamos a confiar” que, “quando chegar o período” de fazer as revisões e manutenções, o Arsenal seja capaz de garantir as suas obrigações.

Veja mais em ::::> Diário de Notícias

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.