Tag: autoeuropa

Marcelo Rebelo de Sousa apela a clima de paz social na Autoeuropa

>02-12-2017

Empresa admitiu esta quarta-feira avançar com novo horário para garantir volume de produção do T-Roc.

Correio da Manhã

Prazo limite da negociação na Autoeuropa chegou ao fim

O sucesso no arranque da produção do T-Roc é decisivo para a Volkswagen e poderia ser um catalizador para o fabrico de outros novos modelos na Autoeuropa, além de implicar a contratação de mais 400 trabalhadores em 2018
Nuno Botelho

O segundo “chumbo” nas negociações laborais da Autoeuropa poderá resultar na deslocalização de parte da produção do novo modelo da fábrica de Palmela. A Volkswagen não comenta e diz que está a avaliar a situação

Os trabalhadores da Autoeuropa chumbaram esta quarta-feira, em referendo, com 63,22% de votos contra, e pela segunda vez, uma solução que viabilizaria um novo modelo de produção de automóveis na fábrica de Palmela – introduzindo a laboração contínua, com três turnos diários, de segunda-feira a sábado. Esta quinta-feira já começam a surgir, em contactos informais, cenários alternativos destinados a garantir que a marca alemã Volkswagen (VW) consiga dispor de 240 mil unidades do novo modelo T-Roc durante todo o ano de 2018, para responder às encomendas formalizadas. Só que isso pressuporia produzir parte deles na Alemanha.

Apesar da administração da fábrica de Palmela não comentar a existência destes cenários alternativos e de os representantes dos trabalhadores recordarem a declaração que o presidente executivo da marca VW, Herbert Diess, fez a jornalistas portugueses – de não querer transferir a produção total ou parcial do T-Roc para outras fábricas -, a verdade é que já foi esgotado o prazo limite para negociar um acordo laboral em Portugal. A VW na Alemanha admitiu que o acordo fosse alcançado entre outubro e novembro.
O indesejado “Plano B”

É neste enquadramento que começaram a ser feitas alusões – durante contactos informais mantidos pelo Expresso com fontes do sector automóvel – à necessidade da marca VW equacionar um “Plano B” que não é desejado pelos trabalhadores e gestores portugueses, mas que permitiria fabricar fora de Portugal a quantidade de unidades do modelo T-Roc que eventualmente não consigam vir a ser produzidas na Autoeuropa, atendendo às dificuldades em negociar a produção ao sábado sem pagamento de horas extraordinárias.
Osnabrück será solução ou “cobaia”?

Há alusões à fábrica alemã de Osnabrück, indicada como uma das linhas de produção da VW que poderia produzir unidades do T-Roc em complemento à produção de Palmela. Chegou mesmo a ser referida na imprensa como uma fábrica que poderia produzir a versão descapotável do T-Roc. No entanto, a VW não confirma a viabilidade de produção desta variante do T-Roc. O que não quer dizer que a fábrica de Osnabrück não possa vir a fabricar o próprio T-Roc. Mas ainda haveria outras alternativas de produção nas unidades fabris alemãs da marca que atualmente laboram com volumes de produção abaixo da respetiva capacidade instalada. Como o T-Roc é produzido com base numa plataforma modular, torna-se fácil adaptar outras fábricas à sua produção. E é possível operacionalizar uma decisão deste tipo em poucos meses.

Autoeuropa avalia implicações do “chumbo”

Por enquanto, a administração da Autoeuropa ainda está a avaliar todas as implicações do “chumbo” do pré-acordo sobre o novo modelo de produção da fábrica de Palmela. Mas isso será feito depressa. O coordenador da Comissão de Trabalhadores, Fernando Gonçalves, também sabe que será necessário reiniciar rapidamente a negociação de um novo pré-acordo. Tanto a administração da Autoeuropa quanto a Comissão de Trabalhadores estão conscientes que o tempo urge. E terão de tentar soluções ainda mais criativas que a que foi proposta no último pré-acordo chumbado. Esta última solução contemplava um período transitório de teste ao funcionamento dos três turnos diários. Só a partir de agosto, no regresso de férias de verão, é que os trabalhadores iriam iniciar a laboração contínua, de segunda-feira a sábado, apoiados pelo recrutamento de mais 400 trabalhadores, que reforçariam o trabalho aos sábados para aligeirarem a carga da equipa “principal”.
Palmela sob pressão

A fábrica de Palmela é agora confrontada com um futuro que pode não ser rigorosamente como o que tinha sido traçado pelo seu diretor-geral, Miguel Sanches, que é atualmente quem estará a ser mais pressionado para cumprir os objetivos de produção do T-Roc fixados para o final de 2017 e para todo o ano de 2018.

Para tornar tudo ainda mais complicado, o T-Roc que foi atribuído à fábrica de Palmela é um carro decisivo para impulsionar o crescimento de vendas da VW, depois desta marca ter sido fortemente afetada pelo escândalo da manipulação das informações sobre emissões poluentes.
Por isso, a produção do T-Roc não poderia enfrentar problemas no seu arranque, nem os seus custos de produção poderiam ser agravados em relação às previsões iniciais feitas pela marca alemã.

Veja mais em ::::> EXPRESSO

Mais bónus pelo sábado na Autoeuropa

Administração deverá subir compensação.

As negociações na Autoeuropa deverão ser retomadas em breve com a eleição da nova Comissão de Trabalhadores, que ontem esteve a votos. O diferendo sobre o prolongamento do horário de trabalho para os sábados, que opõe administração e trabalhadores, deverá passar pelo aumento da compensação extraordinária. As eleições para a escolha da representação dos trabalhadores decorreram ontem e pela primeira vez apresentaram-se seis listas. A lista E, liderada por Fernando Gonçalves, venceu as eleições para a comissão de trabalhadores, elegendo quatro membros. O grande derrotado foi Fernando Sequeira, ligado ao BE e que se tinha demitido do cargo. A lista C, encabeçada por José Carlos Silva, membro do sindicato SITE Sul, afeto à CGTP, elegeu três elementos. Mesmo número alcançado pela lista D, de Fausto Dionísio. A lista A, que inclui administrativos, elegeu uma pessoa. Estão agora reunidas condições para que as negociações sejam retomadas. A construção do novo T-Roc exigiu alterações nos horários.

Ler mais em: Correio da Manhã

Autoeuropa produziu 18 vezes mais em agosto

Fábrica de Palmela produziu 6.241 automóveis no mês passado.

A fábrica da Autoeuropa, em Palmela, produziu 6.241 automóveis em agosto, aproximadamente 18 vezes mais (+1.683,1%) do que no mesmo mês de 2016, segundo a Associação do Comércio Automóvel de Portugal (ACAP). No mês marcado pelo início da produção do novo modelo, o T-Roc, e de uma greve a 30 de agosto, a fábrica do grupo Volkswagen produziu 6.241 ligeiros de passageiros , o que representou 72,5% do total da produção automóvel em Portugal. Em agosto de 2016 foram produzidos 350 veículos, numa altura de paragem de verão. Este ano, a paragem decorreu na última semana de junho e na primeira de julho. A ACAP divulgou hoje terem sido produzidos 8.610 unidades totais em agosto, num crescimento homólogo de 211%. No acumulado de janeiro a agosto, a fábrica de Palmela tem um registo de 59.296 viaturas produzidas, o que traduz um crescimento de 3,5%. O acumulado da indústria automóvel nacional é de 102.314, numa subida de 5,3%. Por marcas e no segmento da produção de ligeiros de passageiros, em agosto, a Volkswagen somou 4.480 viaturas (+1.983,7%), a Citroen 207 (-14,8%), a Seat 1.761 unidades (+1.204,4%) e a Peugeot 349 (-24,6%).

Ler mais em::::> Correio da Manhã

Autoeuropa já está a rever horários

Garantia dada pelo Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins.

A administração da Autoeuropa está a tentar reduzir o número de sábados que cada trabalhador terá de fazer para cumprir os níveis de produção previstos para o novo veículo T-Roc, disse hoje à agência Lusa fonte sindical. “Dizia-se que a Autoeuropa não ia rever os horários mas os responsáveis da empresa já estão a trabalhar nesse sentido”, disse à agência Lusa o secretário-geral do SIMA, Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins, José António Simões, após uma reunião efetuada hoje à tarde com responsáveis da fábrica de automóveis de Palmela, no distrito de Setúbal. De acordo com o sindicalista, que classificou a reunião como “séria e produtiva”, a administração da Autoeuropa também manifestou disponibilidade para acautelar a situação dos casais que trabalham na empresa, para poderem conciliar o trabalho com a vida familiar. Questionado pela Lusa, o dirigente do SIMA desvalorizou o facto de a Autoeuropa ter manifestado a intenção de só assinar um novo acordo sobre os horários de trabalho com a futura Comissão de Trabalhadores, que será eleita dia 03 de outubro, porque, diz, a empresa também está a ter uma posição correta e a dialogar com os sindicatos. Na quinta-feira, os responsáveis da Autoeuropa já tinham recebido uma delegação do SITESUL, Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul, o mais representativo na empresa, que classificou a reunião como “muito produtiva”. Em comunicado divulgado hoje, o SITESUL refere que “a administração da empresa reconheceu que o modelo de horário apresentado continha aspetos negativos para a vida dos trabalhadores, do ponto de vista social, familiar e económico”. O documento salienta ainda o facto de a proposta de novos horários já ter sido rejeitada em quatro plenários de trabalhadores e de ter levado à greve realizada no dia 30 de agosto, a primeira por razões laborais na Autoeuropa. Com os novos horários que a administração da Autoeuropa pretendia colocar em prática a partir de novembro, os trabalhadores passariam a ter uma folga fixa ao domingo e uma folga rotativa nos outros dias da semana, pelo que só poderiam gozar dois dias de folga consecutivos quando a rotativa fosse ao sábado ou à segunda-feira.

Ler mais em: Correio da Manhã

Sindicalista diz que reunião com administração da Autoeuropa foi “muito produtiva”

07/09/2017
O coordenador do Sitesul – Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul afirmou esta quinta-feira que a reunião com a administração da Autoeuropa realizada hoje “foi muito produtiva”.

“Ficaram abertos os canais de diálogo com vista a uma solução para os novos horários de laboração contínua que agrade a todas as partes”, disse à agência Lusa Eduardo Florindo, escusando-se a revelar mais pormenores sobre o encontro. A administração da Autoeuropa recebeu hoje os sindicatos naquela que foi a primeira reunião depois da greve de 30 de agosto contra o trabalho ao sábado, a primeira por razões laborais na fábrica de automóveis de Palmela, distrito de Setúbal. Na sexta-feira, pelas 15h00, a administração da empresa reúne-se com o Sindicato das Indústrias Metalúrgicas e Afins (SIMA), no âmbito das reuniões, em separado, que acedeu fazer com os diferentes estruturas sindicais que representam os trabalhadores da Autoeuropa.

Apesar do otimismo manifestado no final da reunião de hoje pelo coordenador do Sitesul, o sindicato que representa maior número de trabalhadores na Autoeuropa, a administração só deverá negociar um novo acordo após a eleição da nova Comissão de Trabalhadores, que terá lugar no dia 3 de outubro. Os trabalhadores da Autoeuropa contestam a obrigatoriedade de trabalhar ao sábado após a implementação do novo horário de laboração contínua, com três turnos diários de segunda a sábado.

Ler mais em: Correio da Manhã

Administração da Autoeuropa pode ceder

Depois de uma greve massiva no passado dia 30, a Comissão Sindical do SITE Sul informou que, na reunião realizada com a administração esta quinta-feira, as estruturas sindicais reafirmaram aquilo que é a posição dos trabalhadores e que a empresa se mostrou disponível para encontrar outra solução.

Piquete de greve no dia 30 de Agosto à entrada da Autoeuropa, com mais de um milhar de trabalhadores presentesCréditos / SITE Sul

Um comunicado distribuído pela Comissão Sindical do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Actividades do Ambiente do Sul (SITE Sul/CGTP-IN) aos trabalhadores, informou, acerca da reunião realizada ontem com a administração da Autoeuropa, que «as estruturas sindicais envolvidas (SITE Sul e Fiequimetal) reafirmaram a sua posição, em consonância com a exigência dos trabalhadores» de rejeição do modelo de horário que a empresa tenta impor.

O comunicado acrescenta que «administração reconheceu que o modelo de horário apresentado continha aspectos negativos para a vida dos trabalhadores, do ponto de vista social, familiar, económico, etc.», mostrando-se «disponível para encontrar outra solução».

A Comissão Sindical entende que «estão criadas condições para o diálogo», tendo ficado acordado a realização de uma nova reunião nos próximos dias, com data a agendar. Também informa que, no passado dia 6, reuniram com responsáveis do IG Metall, Sindicato Industrial dos Metarlurgicos, da Alemanha, que se mostraram «solidários e disponíveis para estar ao lado dos trabalhadores da Volkswagen Autoeuropa».

Veja mais em :::> AbrilAbril

“Se não me tivesse reformado, esta greve estava desconvocada”

António Chora avisa que a CGTP tem poucas hipóteses de conseguir resolver o conflito na empresa.

O homem que esteve à frente das lutas laborais na fábrica de Palmela durante 20 anos afirma que, se ainda estivesse à frente dos representantes dos operários, a greve teria sido desconvocada, considerando que representar os trabalhadores numa multinacional requer uma sensibilidade especial.

António Chora considera que a experiência mostra que uma comissão de trabalhadores dominada pela CGTP tem poucas hipóteses de conduzir o barco a bom porto na empresa.

O antigo coordenador da Comissão de Trabalhadores da Autoeuropa reformou-se no início do ano e diz que se não estivesse a trabalhar não fazia greve por uma razão simples… teria desconvocado a paralisação.

Ainda assim, Chora está convencido que pode haver um acordo até ao final do ano, desde que haja uma nova comissão que tenha carisma. O sindicalista manifesta preferência por uma lista independente.

Veja mais em :::> TSF

A pedido de vários órgãos de comunicação social sobre a luta dos trabalhadores da Autoeuropa, o PCP esclarece


A Autoeuropa é uma importante empresa do sector industrial com um elevado número de trabalhadores e grande peso na economia nacional. Os trabalhadores da Autoeuropa sempre defenderam os seus interesses, e em diversos processos de negociação verificados ao longo dos anos, recorreram a tomadas de posição e formas de luta que travaram ou fizeram recuar medidas que sentiam atingir os seus direitos. Mais uma vez essa intervenção se verifica perante uma proposta de alteração dos horários de trabalho, questão particularmente sensível, uma vez que afecta a possibilidade de os trabalhadores continuarem a ter direito ao fim de semana, dificultando a organização da sua vida pessoal e familiar. A proposta da administração não garante o sábado como dia de descanso e apenas permite que um trabalhador tenha um fim de semana seguido de seis em seis semanas. Na Autoeuropa o trabalho efectuado aos sábados, domingos e feriados foi sempre considerado como trabalho extraordinário e pago como tal. É por isso natural que os trabalhadores tomem posição sobre esta questão e defendam os seus direitos. É isto que está em causa e cabe aos trabalhadores e às suas organizações representativas definir as suas posições e formas de luta, como se verifica com os plenários realizados e com a greve de hoje. Tal como os trabalhadores têm afirmado é necessário encontrar soluções que permitam responder à defesa dos seus direitos e ao desenvolvimento da produção nesta empresa.

Veja mais em :::> PCP

“Não se produziu um único automóvel”. Sindicato contesta administração da Autoeuropa nos números de adesão à greve

Lígia Simões
19:02

Administração da empresa diz que greve teve adesão de menos de metade dos trabalhadores. Sindicato reage a números da adesão à greve avançados pela Volkswagen Autoeuropa: “comunicado da empresa não merece qualquer credibilidade”. E garante que é “uma empresa que produz automóveis e que durante 24 horas não produziu um único automóvel”.

A administração da Volkswagen Autoeuropa avança que a paralisação da fábrica, que se iniciou nesta terça-feira, 29 de agosto, às 23h30 e que termina às 00h00 de quinta-feira, “teve uma adesão de 41% dos colaboradores”. Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias Transformadoras, Energia e Atividades do Ambiente do Sul (SITE Sul) reage: “comunicado da empresa não merece qualquer credibilidade”, frisando que “uma empresa que produz automóveis e que durante 24 horas não produz um único automóvel, está tudo dito”.

Segundo a administração da empresa, “a paralisação que se registou hoje na Volkswagen Autoeuropa teve uma

adesão de 41% do total dos colaboradores”. Em comunicado, realça que “apesar do impacto negativo desta paralisação, a empresa continua empenhada em encontrar um compromisso com os trabalhadores que crie, mantenha e assegure o emprego”. E acrescenta que “este compromisso deverá também garantir as encomendas dos nossos clientes para o novo modelo, que requer a laboração contínua em 18 turnos por semana”.

Para atingir este objetivo, recorda a empresa, “é essencial dar continuidade ao processo de diálogo com uma comissão de trabalhadores eleita, à semelhança das boas práticas laborais da Volkswagen Autoeuropa e do Grupo Volkswagen”.

A empresa adianta que a eleição da nova comissão de trabalhadores terá lugar no próximo dia 3 de outubro. Mas garante que “até lá, serão ouvidas as partes envolvidas neste processo”.

Veja mais em ::::> Jornal Económico

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.