Tag: festival

Enchente no primeiro dia do Sol da Caparica

Por Pedro Rodrigues Santos

Milhares de pessoas vibraram no arranque da quinta edição do evento dedicado à lusofonia

17/08/2018

Um magnífico final de tarde recebeu as primeiras das mais de 20 mil pessoas que ontem marcaram presença no primeiro dia da 5ª edição d’O Sol da Caparica, no jardim urbano da cidade do concelho de Almada. À espera dos festivaleiros estava um cartaz de artistas de qualidade, distribuídos por quatro palcos. “É a terceira vez que venho. Todos os anos tem sido diferente e tem melhorado a cada edição”, contou ao CM Maria Martins, um dos muitos jovens que passaram pelo recinto. Carminho abriu as hostilidades no palco principal. Nem o calor que se fazia sentir impediu a multidão de vibrar com os seus sucessos, antes da entrada em ação de Jorge Palma. Noutro extremo do recinto, eram os Paus a obrigar o público a levantar o pó do chão, ao ritmo das suas canções. Ainda a nuvem de poeira não tinha assentado, e já os Linda Martini prometiam fazer estragos com os temas do seu último trabalho. O encerramento do primeiro dia do festival, neste palco, estava reservado aos Peste & Sida e aos seus inúmeros convidados, enquanto no principal Anselmo Ralph cantava para os corações apaixonados. Hoje o destaque vai para Miguel Araújo, GNR e UHF. “Será um regresso às origens”, afirmou ao CM António Manuel Ribeiro, ou não fosse aquele o local onde há 40 anos os futuros membros do grupo se reuniam. Tim e Renato Gomes, guitarrista dos primeiros UHF, são convidados.

Ler mais em::::> Correio da Manhã

XV Festival de Bandas Filarmónicas em Almada

Clicke na imagem para ver

Fotos e vídeo de :::> Henrique Santos
22 de Outubro 2017

Quatro bandas centenárias de Almada homenageiam a música filarmónica, num Festival de entrada livre.

Em 2017, o Festival de Bandas Filarmónicas reúne, pela primeira vez, as quatro bandas centenárias do concelho.

O desfile de bandas teve início a partir das 10h30 e seguiu em direção ao Largo Gabriel Pedro, em Almada, onde apresentaram cumprimentos às entidades oficiais e à população e cada uma das bandas tocará o seu hino:

– Sociedade Filarmónica Incrível Almadense
Partida da sede da Incrível Almadense, Almada

– Academia de Instrução e Recreio Familiar Almadense
Partida da sede da Academia, Almada

– Sociedade Filarmónica União Artística Piedense
Partida da Praça Gil Vicente, Cacilhas

– Sociedade Recreativa Musical Trafariense
Partida da Praça S. João Baptista, Almada

Veja mais em :::< CMALmada

Festival O Sol da Caparica começa amanhã

caparica2caparica

A terceira edição do festival da margem sul arranca amanhã e estender-se-á até domingo

É já amanhã que arranca a terceira edição do festival O Sol da Caparica, dedicado à música de cariz lusófono. Até domingo, por ali passarão inúmeros artistas, dos mais variados campos musicais, todos eles com o português na ponta da língua.

Os destaques vão, naturalmente, para os grandes nomes: Rui Veloso, Jorge Palma e Sérgio Godinho, The Gift, Mão Morta e Ana Moura passarão todos eles pela Caparica, sendo igualmente de realçar o espetáculo “especial” que Os Azeitonas ali darão, na companhia de António Zambujo, Presto (Mind Da Gap) e Pedro Tatanka (The Black Mamba).

Para além destes, também os Orelha Negra, Deolinda, Valete, Capitão Fausto e Nélson Freitas têm passagem garantida pelo festival, que não se fará apenas da música. Haverá demonstrações de skate, seleções de filmes de animação, e ainda conversas públicas sobre a relação da língua portuguesa com a música – que é como quem diz, o projeto Debaixo da Língua, conduzido por Rui Miguel Abreu.

O último dia do festival, domingo, será inteiramente dedicado aos mais novos, estando previstas várias atividades e espetáculos dirigidos a este tipo de público.

Os bilhetes já se encontram à venda em todos os locais habituais, podendo também ser adquiridos na bilheteira presente no recinto, que se situa na Rua Catarina Eufémia, ou na Loja do Munícipe ou no Posto de Turismo de Cacilhas, em Almada. Os preços variam entre os 15 euros (diário) e os 35 euros (passe geral), existindo descontos para quem esteja recenseado no concelho de Almada.

Para chegar ao recinto, basta virar à direita, à entrada da Costa da Caparica, e rumar em direção ao Parque Urbano, que se situa a 300 metros sobre o lado Mar. Se optar por ir de transportes públicos, saiba que os TST terão horários especiais durante a duração do festival, entre a 1h e as 3h15, com dois percursos: Festival-Praça de Espanha e Festival-Fogueteiro. A tarifa de bordo vale 3,25 euros.

caparica2

Fonte :::> BLITZ

Almada prepara 33ª festa teatral

De 4 a 18 de julho, a cidade enche-se de teatro e música.

teatro

Falta pouco mais de duas semanas para o arranque do 33º Festival de Teatro de Almada, que ao longo de quinze dias – de 4 a 18 de julho – se propõe apresentar 29 espetáculos de sala, seis de rua, exposições, colóquios e workshops.

No que toca a concertos, eles serão muitos e variados. De Jorge Palma a Luiz Caracol, de Hélder Moutinho a Manuel João Vieira, pois “importante é a diversidade”, como explica o diretor artístico da festa – e diretor da Companhia de Teatro de Almada – Rodrigo Francisco.

Com um orçamento de 793 mil euros, os custos do evento são repartidos por três entidades: 257 mil representam investimento camarário; 178 mil são apoio do Ministério da Cultura/Direção-Geral das Artes; e 358 mil euros “fruto de parcerias e receitas próprias do festival”. E por falar em parcerias, há quatro espaços lisboetas a acolher propostas de Almada: Teatro Nacional D. Maria II, Centro Cultural de Belém, Teatro da Trindade e Teatro Taborda.

Com a pintora Graça Morais a assinar a imagem do cartaz desta edição, a figura homenageada (e convidada a proferir conferências no âmbito da iniciativa ‘O Sentido dos Mestres’) é o encenador Ricardo Pais.

O programa abre a 4 com um concerto da Orquestra Gulbenkian e encerra a 18 com Flamenco. Pelo meio há peças de autores como Ibsen, Pasolini, Gil Vicente, Ionesco, Brecht, Albert Cossery, Tchekov, William Shakespeare e Marius von Mayenburg. Há quatro estreias a assinalar e um ciclo dedicado a jovens criadores italianos.

Veja mais em ::::> Correio da Manhã

Festival Sol da Caparica revela primeiros nomes

<fininhoh3>A terceira edição do festival Sol da Caparica, em Almada, vai decorrer de 11 a 14 de agosto, e hoje foram conhecidos os primeiros nomes do cartaz, que continua a apostar na língua e música portuguesa.

Rui Veloso, The Gift, C4 Pedro, Ana Moura, O Rappa, Orelha Negra e Mundo Segundo & Sam the Kid são os primeiros nomes revelados pela organização do evento, que, na edição do ano passado, juntou mais de 70 mil pessoas.

“É um cartaz que garante qualidade, pois são artistas que lançaram discos novos e que as pessoas querem ver. Mantemos a aposta na língua portuguesa, porque é uma garantia de sucesso”, disse à Lusa António Miguel Guimarães, da organização.

O responsável disse que o festival, que vai decorrer no parque urbano da Costa de Caparica, em Almada, é um projeto para continuar.

“O festival está para ficar. Sabemos que o parque urbano tem um limite de capacidade e não queremos crescer de forma indefinida. Queremos é melhorar as condições e fazer um festival cada vez melhor”, explicou.

No dia de hoje foi colocado à venda um ‘pack’ limitado, que, além do bilhete para os quatro dias do festival, inclui algumas ofertas, entre as quais um CD de Tim ao vivo no Sol da Caparica, gravado no ano passado.

“Este festival, além da música, vai ter também surf, arte urbana e outras iniciativas. Os restantes artistas que ainda vamos anunciar mantêm a mesma tónica de terem trabalhos novos e estarem no seu auge”, afirmou.

In: noticiasaominuto.com

Adega Cooperativa de Palmela no Festival Queijo, Pão e Vinho

Festival-do-Queijo-Pão-e-Vinho_Palmela-537x350
De 1 a 3 de abril, a Quinta do Anjo, em Palmela, recebe a 22.º edição do Festival Queijo, Pão e Vinho, um evento que promove as melhores produções e sabores da Arrábida.

Organizado pela ARCOLSA – Associação Regional de Criadores de Ovinos Leiteiros da Serra da Arrábida, com o apoio da Câmara Municipal de Palmela, neste certame, na localidade de S. Gonçalo, Cabanas, vão estar presentes os melhores vinhos da Península de Setúbal, entre eles os produzidos na Adega Cooperativa de Palmela.

Considerada a principal mostra gastronómica de Palmela, participam mais de três dezenas de expositores, na sua maioria comerciantes locais.

Em paralelo, o evento integra um programa de animação, que inclui espectáculos equestres, provas de vinho e de queijo, música, passeios pedestres e de BTT, demonstrações de tosquia, atividades infantis no espaço do Museu do Ovelheiro e as corridas de ovelhas no “Ovinódromo”.

A Adega Cooperativa de Palmela está situada na Região da Península de Setúbal e conta hoje com mais de 300 associados.

Veja mais em :::> Cidade Informação

Festival de Luz de Durham no norte de Inglaterra

Artistas luz a instalar uma peça intitulada 'Litre of Light' nas Durham Cathedral Cloisters como parte de Lumiere Durham luz festival

Artistas luz a instalar uma peça intitulada ‘Litre of Light’ nas Durham Cathedral Cloisters como parte de Lumiere Durham luz festival

Veja mais em THE TELEGRAPH

OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro | Uma mão cheia de concertos

OUT_FEST_2015_fbcover_1_750_2500

21 concertos, um workshop e uma original sessão de yoga preenchem o programa da 12ª edição do OUT.FEST – Festival Internacional de Música Exploratória do Barreiro – promovido pela OUT.RA – Associação Cultural, com o apoio da Câmara Municipal do Barreiro e agendado entre os dias 8 e 11 de Outubro.

Novos palcos da cidade abrem-se para a edição deste ano, com destaque para o Museu Industrial da Baía do Tejo e sede da ADAO – Associação Para o Desenvolvimento das Artes e Ofícios.

O jazz de MATANA ROBERTS, saxofonista norte-americana assina um dos mais aclamados álbuns de 2015, “Coin Coin Chapter Three”, terceiro volume de doze lançamentos planeados para contar a história da luta da comunidade afro-americana nos últimos séculos. Este trabalho tem vindo a colocar a artista de Chicago na linha da frente do jazz mundial.

Veja mais em ::::> CM Barreiro

PLUNC, um festival de arte digital em Lisboa e Almada

O PLUNC, um festival internacional de Artes Digitais e Novos Media, irá decorrer entre 24 e 27 de setembro nas zonas ribeirinhas das cidades de Lisboa e Almada. A entrada é livre.

plunc
Entre os dias 24 e 27 de setembro, irá realizar-se em Lisboa e Almada a primeira edição do PLUNC, um festival internacional de Artes Digitais e Novos Media. Com uma programação vasta, com exposições, workshops e debates, o PLUNC pretende ser, nas palavras da organização, “um espaço informal de permanente diálogo”, onde se cruzam a arte e tecnologia. Tudo isto com entrada livre.

O evento, que irá decorrer nas zonas ribeirinhas das cidades de Lisboa e Almada, está “construído de forma a criar uma dinâmica e fluxo de percurso entre as duas margens”, disse ao Observador Carlos Ramos, da organização. Graças à parceria com a Transportes de Lisboa, as exposições irão acontecer nas estações fluviais de Cacilhas, Cais do Sodré e em cais de desembarque desocupados. “O que por si só já é algo inovador, além de existirem talks de curta duração nos barcos, durante a travessia“, frisou Carlos Ramos.

Para além das atividades organizadas nos cais das duas margens, haverá ainda uma exposição da curadoria de Zach Lieberman, um dos mais importantes nomes na área da computação física e da programação criativa, que será organizada na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa, perto do Chiado.

Os workshops, que abordarão temáticas como o hacking, código, makers ou sensores, irão começar no dia 21 de setembro e prolongar-se-ão até ao último dia do festival, 27 de setembro. “Teremos a construção de um drone aquático com sensores, feito de material reciclado, um workshop de acoustic sensing, outro de computação física, um sobre desenho e programação e ainda outro na área dos makers, para constuir um bot“, contou ao Observador Carlos Ramos.

A programação do PLUNC inclui ainda duas conferências com convidados internacionais e uma performance de arte digital, realizada pela dupla Yago de Quay e João Beira, a decorrer no Ginjal Terrasse, que acolherá também uma das conferências.

No que diz respeito às exposições, o festival irá contar com obras da artista belga Els Viaene, que terá em exposição uma peça de grande dimensão chamada “The Mamori Expedition”, e de Alex Rothera, um designer e artista nort-americano que irá apresentar o projeto COVE e participar num workshop. A nível nacional, o PLUNC irã contar com trabalhos de André Sier e de José Carlos Neves.

veja mais em :::> Observador

Sol da Caparica recebeu 75 mil espectadores este ano

Linda Martini, Jorge Palma e Paulo Gonzo foram alguns dos artistas que atuaram no festival.

solcaparica2
Setenta e cinco mil foi o total de espectadores nos quatro dias do festival Sol da Caparica, que terminou no domingo, disse esta terça-feira à Lusa fonte da organização.

No terceiro dia do festival (sábado), em que atuaram músicos como Xutos e Pontapés, Batida, Tito Paris, Agir, Tiago Bettencourt, Berg e o DJ Rich, o festival esgotou a lotação, com 25 mil pessoas, segundo a assessora de imprensa do certame, Cristina Carvalho.

Realizado no Parque Urbano da Costa de Caparica, concelho de Almada, a 300 metros do mar, o certame regressa em agosto de 2016 para a terceira edição, indicou a porta voz.

Cristina Carvalho congratulou-se ainda com o total de espetadores registados na segunda edição do Sol da Caparica, uma vez que ultrapassou em dez mil os registados na primeira edição, no ano passado.

Linda Martini, Jorge Palma, Paulo Gonzo, Resistência, The Legendary Tigerman, Brigada Victor Jara ou o brasileiro Marcelo D foram alguns dos artistas que atuaram no festival. O fadista Camané e o músico Carlão foram outros dos artistas participantes no Sol da Caparica, assim como no Bons Sons, que decorreu na aldeia de Cem Soldos, concelho de Tomar, nos mesmos dias do Sol.

Separados por 150 quilómetros, os dois festivais propunham experiências distintas, tendo como base a música que se faz em Portugal e no espaço da lusofonia.

O festival Bons Sons, na aldeira de Cem Soldos, no interior, mobilizou 37 mil pessoas, de acordo com números avançados pela organização, na segunda-feira, à agência Lusa. O último dia do Sons da Caparica foi dedicado às crianças até aos dez anos, com ateliers de música tradicional e sessões de música para bebés e concertos do Avô Cantigas e de Luísa Sobral.

Veja mais em ::::> Correio da Manhã

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.