Tag: refugiados

Natal dos Refugiados

Urefugiadosm migrante africano reage numa estrada depois de atravessar a cerca fronteiriça entre Marrocos e o enclave norte-africano de Ceuta, em Dezembro.

Choque da polícia alemã com apoiantes do PEGIDA de extrema-direita em Colônia

a1

Em simultâneo com uma manifestação a favor dos refugiados
a6

logo Alemanha 2016

The Telegraph

a9

Refugiados a chegar à Turquia

refugiados

logo Refugiados e migrantes pedir ajuda como seu barco afunda ao largo da ilha grega de Lesbos depois de atravessar o mar Egeu da Turquia
Foto: ARIS MESSINIS / AFP / Getty Images, EUA

The Telegraph

Refugiados na Eslovénia

Police officers escort migrants as they make their way on foot after crossing the Croatian-Slovenian border in Rigonce A polícia escolta Fátima da Síria (frente) e outros migrantes que fazem o caminho a pé depois de cruzar a fronteira croato-eslovena, em Rigonce, Eslovénia, 22 de outubro de 2015.
A Eslovénia solicitou à União Europeia para a polícia para ajudar a regular o fluxo de entrada de migrantes provenientes da Croácia, o ministro do Interior Vesna Györkös Žnidar disse à TV Eslovénia. Nos últimos 24 horas, mais de 10.000 imigrantes, muitos fugindo da violência na Síria, chegou na Eslovênia, o menor país na rota de migração dos Balcãs, no seu caminho para a Áustria. REUTERS / Srdjan Zivulovic

Refugiados chegam à Alemanha

germany-migrants_002

logo Milhares de refugiados fazem seu caminho para cidades como Munique e Dortmund
Uma mulher dá um brinquedo fofinho para um refugiado chegando em Dortmund no mês passado. Milhares de migrantes e refugiados ter viajado para a cidade alemã do noroeste, principalmente por trem
veja mais em :::> CBC

Milhares de refugiados atingidos por chuvas torrenciais e lama grossa na Macedônia

r8

logo Milhares de refugiados atingidos por chuvas torrenciais e lama grossa na Macedônia

veja mais em :::> http://www.telegraph.co.uk

CÂMARA DE PALMELA QUER AJUDAR NA INTEGRAÇÃO DOS REFUGIADOS

O município de Palmela vai acolher cerca de 250 refugiados

palmelammmmm
Apesar de não existir ainda uma data prevista para a chegada dos refugiados, a Câmara Municipal de Palmela garante que vai defender um modelo de acolhimento que “evite o isolamento das comunidades de refugiados e é nesse sentido que está disponível para participar em soluções que promovam uma efetiva integração social”.

A Fundação Islâmica de Palmela apresentou recentemente um plano de intervenção, a desenvolver pela comunidade islâmica portuguesa, para acolhimento, formação e integração profissional de refugiados, num espaço específico.

A União Europeia adiou para 8 de outubro, um acordo entre os Estados-membros para o acolhimento dos refugiados e distribuição de recursos a atribuir às estruturas de apoio, de forma a acelerar o processo de auxílio e integração.

Veja mais em ::::> Setúbal TV

Palmela acolhe 250 refugiados

Comunidade islâmica tem o apoio da Câmara Municipal de Lisboa.

palmela
O líder da comunidade islâmica em Portugal, Abdul Vakil, disse hoje à Lusa que vai receber, com o apoio da Câmara de Lisboa, 250 refugiados num terreno em Palmela, no âmbito do Programa de Apoio aos Refugiados (PAR).

A iniciativa será realizada pela Comunidade Islâmica de Lisboa, a Fundação Islâmica de Palmela e outras fundações islâmicas, como a de Odivelas, do Martim Moniz, do sul do Tejo e do Porto, e conta com o apoio da Câmara Municipal de Lisboa (CML), explicou Abdul Vakil.

“Na zona de Palmela, a Fundação tem uma parceria com uma entidade local que lhes vai disponibilizar um terreno grande, onde já existem coisas construídas e outras que se vão construir mais tarde”, disse.

Abdul Vakil adiantou que a comunidade pensa poder “albergar até 250 refugiados”, mas admitiu que o número pode ser maior caso as condições o permitam.

O líder da comunidade islâmica acrescentou que a CML vai ceder um “prédio, num bairro lisboeta, onde ficará localizada toda a logística de apoio aos refugiados, como os voluntários”.

Para Abdul Vakil, os refugiados vão ser recebidos com “a bondade típica portuguesa” e com a capacidade de integrar os que vêm de fora, até porque os portugueses devem orgulhar-se em ser “bons a tratar os outros”.

A PAR conta já com cerca de 30 organizações aderentes, entre as quais a Amnistia internacional, a Cáritas Portuguesa e Comunidade Islâmica, tendo como objetivo criar condições para o alojamento, alimentação, acesso à saúde, educação e trabalho, com o apoio de autarquias ou instituições de solidariedade.

veja mais em :::::> Correio da Manhã

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.