Tag: 2019

Sesimbra avalia cavalos-marinhos

Decréscimo da espécie no Algarve justifica projeto pioneiro.

Correio da Manhã

27 de Outubro de 2019 às 09:28

Arrancou, este sábado, em Sesimbra, o projeto ‘Cavalos-Marinhos Desconhecidos’ que tem por objetivo sensibilizar e envolver os cidadãos na recolha de dados da espécie para utilização científica.

“A sensibilização é fundamental pois quanto mais pessoas estiverem envolvidas e puderem contribuir ativamente na monitorização e na partilha de informação, mais facilmente o objetivo do projeto será alcançado”, referiu a diretora da Associação Natureza Portugal, Ângela Morgado.

Em conjunto com a organização internacional Fundo Mundial para a Natureza (WWF), a associação elaborou um projeto classificado com pioneiro no Mundo e que pretende capacitar escolas de mergulho para a realização de censos visuais dos cavalos-marinhos (‘hippocampus’) existentes na costa portuguesa.

Na ação que decorreu em Sesimbra, foi utilizado um submersível, controlado remotamente, que foi disponibilizado pela National Geographic Society. O projeto surgiu como resposta ao progressivo decréscimo da espécie na Ria Formosa, no Algarve, que chegou a ser uma das maiores do Mundo.

veja mais em :::::> Correio da Manhã

Pescadores temem futuro com dragagens no Sado

Estuário guarda um tesouro arqueológico de navios naufragados.

Correio da Manhã

5/12/2019

O início das dragagens no estuário do Sado, previsto a partir de segunda-feira, provoca a contestação dos pescadores de Setúbal, que temem pelo futuro da atividade.

“Discordamos totalmente com os locais onde está previsto o depósito de lamas. Entendemos que está em risco o Sado, como maternidade que é para a pesca. Ninguém pode concordar quando estão em causa os seus postos de trabalho”, avança ao CM Ricardo Santos, presidente da Cooperativa de Pesca Setúbal, Sesimbra e Sines (Sesibal).

“Setúbal não é o escape de Lisboa para receber os contentores. Não podemos continuar agarrados à saia de Lisboa para receber as indústrias poluidoras”, acrescenta Ricardo Santos. “Em 1978 – lembra – haviam 258 espécies no estuário do Sado, hoje existem 50. É o resultado de sucessivos erros cometidos contra o ambiente.”

Também o movimento SOS Sado contesta o início dos trabalhos da draga, que deverá chegar ao Sado esta sexta-feira, refere David Nascimento, que integra o movimento. O SOS Sado disponibiliza no endereço draga.sossado.pt informação no momento sobre a localização da embarcação que irá aprofundar o canal de navegação no estuário. Esta quarta-feira, segundo David Nascimento, “a draga tinha atravessado o Canal da Mancha”.

David Nascimento recorda que o estuário guarda “um verdadeiro tesouro arqueológico com o registo de mais de 40 navios naufragados e restos do período romano”. “Com as dragagens, muito desse património vai desaparecer”, alerta. “Os trabalhos vão levantar uma grande quantidade de lamas com potencial risco de contaminação”, diz, por sua vez, Ricardo Santos. “As areias e lamas serão despejadas em zonas privilegiadas para o choco, linguado, raia, polvo, pregado, salmonete, sardinha ou carapau”, adianta.

A zona de despejo dos dragados que levanta maior preocupação aos pescadores é a restinga, área no oceano Atlântico em frente à praia de Troia. “Com as correntes marítimas muitas dessas lamas serão projetadas para a praia”, diz Ricardo Santos.

PORMENORES
Atenta a pescadores
A Administração dos Portos de Setúbal e Sesimbra revela estar “atenta às preocupações dos pescadores”. Neste sentido “a deposição dos sedimentos iniciar-se-á pelo Terminal Ro-Ro”.

Pesca condenada
Celestino Pedro, pescador em Setúbal, considera que dotar o porto com um canal de águas profundas é o maior disparate do século e condena a pesca.

Obra de 25 milhões de euros
O projeto inicial prevê a retirada de 3,5 milhões de metros cúbicos de areia. A retirada total de 6,5 milhões representa um custo de 25 milhões de euros.

veja mais em :::::> Correio da Manhã

Dois pediatras recém-especialistas reforçam equipa do Garcia da Orta

Reforço não é ainda suficiente para reabrir a urgência noturna encerrada desde meados deste mês.

Lusa 28 de Novembro de 2019 às 18:56

Dois médicos recém-especialistas em pediatria aceitaram ir trabalhar para o Hospital Garcia de Orta, em Almada, o que não é ainda suficiente para reabrir a urgência noturna encerrada desde meados deste mês.

A revelação foi feita esta quinta-feira no parlamento pela ministra da Saúde, Marta Temido, durante a interpelação do PSD ao Governo sobre a situação da saúde e do Serviço Nacional de Saúde (SNS) em Portugal.

Em declarações aos jornalistas no final do debate, a ministra explicou que os dois recém-especialistas que terminaram agora a formação especializada e aceitaram ficar no Garcia de Orta ainda não são suficientes para conseguir reabrir a urgência pediátrica no período noturno.

Marta Temido espera ainda conseguir que mais alguns dos 11 especialistas que terminaram agora o internato em pediatra possam também reforçar a equipa do Garcia de Orta, que precisa de mais cinco a sete especialistas para que a urgência noturna seja reaberta “com total tranquilidade”.

A ministra reiterou que o encerramento é uma solução temporária e que está a tentar ultrapassar a questão.

No dia 15 de novembro, o Ministério da Saúde anunciou que a urgência pediátrica do Garcia de Orta iria passar a encerrar todas as noites, entre as 20:00 e as 08:00, apontando como alternativa dois centros de saúde que alargaram o seu horário.

A unidade de saúde da Amora, no Seixal, e a Rainha Dona Leonor, em Almada, passaram a funcionar das 08:00 às 00:00, nos dias de semana, e das 10:00 às 22:00, ao fim de semana.

O encerramento da urgência pediátrica do Garcia de Orta no período noturno deve-se à falta de pediatras, que já afeta o hospital há mais de um ano, quando saíram 13 profissionais, alguns dos quais para o setor privado.

A ministra da Saúde assumiu já que o encerramento da urgência do Garcia de Orta é temporário, mas avisou que é necessário uma reorganização das urgências da área metropolitana de Lisboa.

Homem atropela companheiro da ‘ex’ em Almada

Criminoso atuou com “medo” por temer agressões de praticante de jiu jitsu.

Correio da Manhã

Um homem de 33 anos atropelou o atual companheiro da ex-namorada de forma intencional, no Laranjeiro, em Almada, no sábado. Acabou detido instantes depois pela PSP de Setúbal.

O agressor, que partilha a guarda da filha menor com a ‘ex’, preparava-se para passar o fim de semana com a menina depois de a ter ido buscar à casa da mãe. Explicou aos agentes da PSP que atuou para se defender, depois de a vítima o ter ameaçado com agressões.

Com medo e, tendo em conta o facto de o companheiro da ‘ex’ ser praticante da arte marcial jiu jitsu, lançou o carro em que seguia contra o homem, às 07h45.

O caso aconteceu à porta da casa onde a menina mora com a mãe e com o padrasto. A vítima teve de ser assistida pelos bombeiros de Cacilhas e hospitalizada.

Correio da Manhã

Almada cria observatório e centro de investigação para “passar à prática” nas alterações climáticas

Almada, o concelho apontado como o mais afectado pela prevista subida do mar nos próximos anos

Público
Francisco Alves Rito 30 de Outubro de 2019, 18:5

Almada, o concelho apontado pelo Plano de Combate às Alterações Climáticas na Área Metropolitana de Lisboa como o mais afectado pela prevista subida do mar nos próximos anos, vai criar um observatório e um centro de estudos de avaliação de riscos costeiros, para “passar à prática” na adaptação que os cientistas apontam como cada vez mais urgente.

O Observatório de Avaliação de Riscos Costeiros e um Centro de Estudos de Avaliação e Gestão de Risco Ambiental e Protecção Civil, em comunidades costeiras foram formalmente criados nesta quarta-feira por acordo entre a Câmara Municipal de Almada, a Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa (FCT-UNL), o Laboratório Nacional de Engenharia Civil (LNEC) e o TRYP Lisboa Caparica Mar Hotel.

Na prática vai ser instalada uma câmara de vigilância no topo do hotel de oito andares, na primeira linha de praia da Costa da Caparica para monitorizar em permanência os comportamentos do mar naquela zona de costa e permitir assim aos investigadores do centro de estudo, da FCT e do LNEC, avaliarem os galgamentos e respectivos impactes em terra.

veja mais em :::: Público

Eleições Legislativas 2019 – Almada

António Costa no Sol da Caparica

18 de Agosto 2019

António Costa mostra-se feliz ao lado da mulher em festival

Casal vive dias felizes, depois de Fernanda Tadeu ter sido operada com sucesso a um cancro no pulmão no mês de junho.
Primeiro -ministro levou a mulher a ver o concerto do amigo Luís Represas.

O programa de sexta-feira do Sol da Caparica prometia, com SeuJorge, Mariza, Carlãi e Luís Represas, entre outros famosos artistas lusófonos, e António Costa decidiu marcar presença no festival desta freguesia do concelho de Almada, com Fernanda Tdeu, mostrando que o pior- a mulher do primeito-ministro foi operada a um cancro no pulmão no mês de Junho- já passou.
Sempre acompanhado pela anfitriã Inês de Medeiros , a Presidente da CÂmara de Almada, António Costa distribuiu sorrisos e cumprimentos aos mais novos e mais velhos, tirou selfies com homens e mulheres, vibrou com o concerto do amigo Luís Represas, mas principalmente aproveitou para se divertir ao lado da mulher, com quem mantém uma relação há 32 anos.
Veka mais em ::::> Correio da Manhã

Governo aprova projeto habitacional de Almada

22 de julho de 2019

Mais de nove mil pessoas do concelho vão ser realojadas em 2023

O Conselho de Ministros aprovou e admitiu reconhecer o interesse público no “projeto urbanístico denominado Projeto Habitacional de Almada Poente”, na cidade de Almada. O projeto vai ser implementado “em terrenos do Instituto da Habitação e da Reabilitação Urbana”, que fazem parte do Plano Integrado de Almada e pretende disponibilizar a oferta pública de habitação a custos acessíveis. “Estes terrenos têm um potencial de edificabilidade de cerca de 3.500 habitações que permitirão alojar mais de nove mil pessoas”, anuncia o Conselho de Ministros. A construção dos primeiros 1100 fogos, deverá estar concluída em 2023. De acordo com a Câmara de Almada há 450 famílias, sinalizadas pela autarquia, de diversos bairros carenciados do concelho que irão ser os primeiros beneficiários das casas. “Parte significativa da população que hoje vive em barracas” vai ter casas, diz Inês de Medeiros, presidente da autarquia.

O concelho de Almada foi apontado nesta sexta-feira, pelo Governo, como exemplo nacional da nova geração de políticas de habitação, estando prevista a construção ou reabilitação de um total superior a seis mil fogos.
Só o Projecto Habitacional de Almada Poente, um programa de 125 milhões de euros do Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana de construção pública para arrendamento, que foi nesta sexta-feira apresentado, prevê a construção de 3500 habitações numa “nova cidade” com vista sobre Lisboa.
Segundo a secretária de Estado da Habitação, a primeira fase deste projecto, num total de 28,5 milhões de euros para a construção de 284 fogos em quatro lotes, vai arrancar já, com os concurso públicos para o projecto de arquitectura e o de empreitada “até ao final do ano”.
O ministro das Infraestruturas e da Habitação, Pedro Nuno Santos, afirmo que a aposta do Governo na promoção de habitação pública para arrendamento é uma reforma que visa melhorar a qualidade de vida dos portugueses.
“Aquilo que estamos a fazer, alargar a oferta pública de habitação, essa sim, é a verdadeira reforma que queremos fazer. Isso é que é fazer reformas. As reformas têm como objetivo melhorar a vida do povo. E é isso que nós estamos a fazer neste momento em Portugal com a política de habitação”, disse Pedro Nuno Santos, depois de criticar a ideia de que as reformas passam sempre por uma privatização, liberalização ou desregulamentação.
O governante, que falava em Almada, na apresentação pública do Projeto Habitacional de Almada Poente, um programa de promoção de habitação pública para arrendamento que prevê a construção de 3.500 fogos, defendeu que o povo também “tem direito a viver com dignidade, a viver em boas localizações e em habitação com qualidade”.
“Este programa [Projeto Habitacional de Almada Poente] visa isso, porque não está restringido apenas aos setores mais carenciados da população – esses também têm uma resposta da Câmara de Almada, no programa 1.º Direito com a sua Estratégia Local de Habitação – e temos aqui a oportunidade de alargar a oferta pública de fogos para a classe média, que hoje enfrenta, como sabemos, uma grande dificuldade no acesso à habitação”, justificou o ministro.
“Esta é uma prioridade muito importante para nós. Esta localização muito privilegiada (com vista para o estuário do Tejo e para Lisboa) não tem de estar apenas sujeita aos mecanismos especulativos do mercado imobiliário, tem de estar também acessível a pessoas como nós”, acrescentou Pedro Nuno Santos durante a cerimónia realizada na Biblioteca Pública Maria Lamas, na Caparica, concelho de Almada.

Autarquia dá prioridade a famílias de bairros carenciados
A secretária de Estado da Habitação, Ana Pinho, revelou que a primeira fase do projeto Almada Poente, a construção dos primeiros 1100 fogos, deverá estar concluída em 2023, adiantando que o processo para a construção de 284 fogos poderá avançar de imediato.
Segundo Ana Pinho, depois de concluída a primeira fase ainda ficam a faltar 2.400 habitações, que estão dependentes de um Plano de Urbanização que deverá ser aprovado no prazo de um ano a um ano e meio.
Ana Pinho lembrou ainda que, ao abrigo de um protocolo de cooperação que foi hoje assinado entre a Câmara de Almada e o Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, a atribuição de casas depende de um regulamento de atribuição de habitações que será definido pelo Instituto da Habitação e Reabilitação Urbana, mas em que haverá prioridade para pessoas sinalizadas pela Câmara de Almada.
A presidente da Câmara de Almada, Inês de Medeiros, que destronou a anterior maioria CDU nas últimas eleições autárquicas, revelou que a Estratégia Local de Habitação de Almada, aprovada em Maio deste ano, assume três objetivos estratégicos: “melhorar a coesão social e territorial, aumentar a competitividade e melhorar a qualidade do `habitat´”.
Inês de Medeiros referiu ainda que a Câmara de Almada pretende reabilitar “a dignidade do parque habitacional municipal e realojar uma parte dos agregados que hoje vivem em barracas”, designadamente através do 1.º Direito – Programa de Apoio ao Acesso à Habitação.
Segundo a presidente da Câmara de Almada, os beneficiários do 1.º Direito serão 450 famílias residentes em barracas e casas no Torrão, na Trafaria, cerca de 50 agregados familiares das Terras de Lelo e Abreu, nas Terras da Costa, Costa de Caparica e 10 agregados familiares residentes nas traseiras da Escola da Trafaria.

Agência de Notícias com Lusa
Leia outras notícias do dia em
www.adn-agenciadenoticias.com

Incêndio em parque de campismo na Costa da Caparica faz um morto

13/7/2019, 11:58
OBSERVADOR

Um homem de 73 anos morreu na manhã deste sábado, na sequência de um incêndio que destruiu na totalidade a tenda onde se encontrava e ainda nove alvéolos.

Um homem de 73 anos morreu este sábado na sequência de um incêndio no Parque de Campismo Piedense, na Costa da Caparica, concelho de Almada (Setúbal), disseram à agência Lusa fontes da Proteção Civil e da GNR.

Segundo a fonte da GNR, “uma tenda de campismo ardeu e quando as autoridades chegaram ao local encontraram o corpo de um homem carbonizado”.

Além da tenda, arderam também nove alvéolos – cinco ficaram completamente destruídos e quatro parcialmente -, segundo a mesma fonte.

As causas do incêndio são ainda desconhecidas, indicou a fonte da GNR, acrescentando que a investigação do incêndio passou para a alçada da Polícia Judiciária.

Fonte do Comando Distrital de Operações de Socorro (CDOS) de Setúbal disse à Lusa que o alerta para o incêndio foi dado cerca das 09:20, tendo sido mobilizados para o local operacionais e veículos dos Bombeiros Voluntários de Cacilhas e uma viatura médica de emergência e reanimação (VMER) do Hospital de São Francisco Xavier, em Lisboa, além da GNR.
VEJA MAIS EM ::::> OBSERVADOR

TVI

Incêndio em parque de campismo na Costa da Caparica faz um morto e um ferido


Rulote de campismo ardeu e quando as autoridades chegaram ao local encontraram o corpo de um homem carbonizado

Um homem de 73 anos morreu, este sábado, na sequência de um incêndio no Parque de Campismo Piedense, na Costa da Caparica, concelho de Almada (Setúbal), disseram à agência Lusa fontes da Proteção Civil e da GNR.

A TVI sabe que, para além da vítima mortal, as chamas provocaram ferimentos ligeiros a outro campista. A vítima apresenta apenas queimaduras num dos braços.

A vítima mortal teria dificuldades de locomoção, necessitando de usar uma cadeira de rodas para deslocar-se. Residia no parque de campismo com a mulher há vários anos. A esposa, no entanto, não se encontrava no local quando as chamas começaram a propagar-se.

A TVI apurou junto das autoridades que ainda é desconhecido se o incêndio teve origem na rulote da vítima mortal ou no alvéolo ao lado, mas, quando as chamas se descontrolaram, o homem com mobilidade reduzida não conseguiu escapar do local.

vEJA MAIS EM ::::> TVI

Correio da Manhã

Autarquia assume falhas de segurança nos parques de campismo após incêndio na Costa da Caparica

Câmara Municipal admite que na origem do incêndio podem estar problemas de segurança

A Câmara Municipal de Almada admitiu este sábado após o incêndio que matou um homem de 73 anos no parque de campismo Piedense, na Costa da Caparica, que não são cumpridas as medidas de segurança necessárias nestes parques.

“Sabemos que não cumprem”: Em declarações ao Correio da Manhã, a vereadora Francisca Parreira assume as infrações existentes admitindo que estas possam estar na origem do incêndio desta manhã.

Francisca Parreira disse que estes parques estão sobre um “olhar atento” da Câmara Municipal no que diz respeito ao nível de prevenção e das medidas de proteção. No entanto, essas medidas não são cumpridas na sua totalidade tendo em conta a legislação em vigor.

Nas suas declarações, a vereadora explicou que têm sido feitas ações de fiscalização “que envolveram os serviços camarários que tem responsabilidade nesta área”.

Essas ações foram feitas para que “todos os proprietários possam ser notificados para garantirem as medidas de autoproteção”.

Francisca Parreira referiu também que a Câmara Municipal “determinou que os parques n garantirem as condições de segurança vão ter de encerrar. A segurança está acima de qualquer risco, de qualquer avaliação económica ou outra”. A vereadora realçou que “a segurança é uma prioridade” da autarquia.

Veja mais em Correio da Manhã

RTP

Homem de 73 anos morre em incêndio na Caparica

Além da tenda, arderam também nove alvéolos – cinco deles ficaram completamente destruídos.

O alerta foi dado pelas 9h20 e as causas do incêndio são ainda desconhecidas.

A responsável pela Proteção Civil da Câmara de Almada admite que este, como outros parques de campismo da Costa, não cumpre todas as medidas de segurança

Veja o vídeo ::::> RTP

Ano 2000

Incêndio no Parque SFUAP da Costa da Caparica

Almada da Portas Abertas

5 de Julho 2019

Mercado das Torcatas


João Couvaneiro
“Almada encheu-se de gente para celebrar o comércio local, na iniciativa Almada de Portas Abertas que integrou a entrega dos prémios do XXVIII Concurso de Montras do Concelho de Almada, apresentada por José Carlos Araújo, e o desfile de moda com a participação das lojas do concelho de Almada. Desfile que contou com a participação de Ângelo Rodrigues e Olívia Ortiz.
No interior do Mercado Municipal de Almada, houve muitos petiscos para provar. Ao longo da Rua de Olivença tivemos um mercado de rua com propostas dos comerciantes locais.
Esta iniciativa, organizada Câmara Municipal de Almada e pela Associação de Comércio, Indústria, Serviços e Turismo do Distrito de Setúbal, teve como objetivo estimular o comércio local através da originalidade, criatividade, envolvimento do público e dinamização do espaço exterior.
Música, dança, gastronomia, moda e muita animação marcaram o evento.”
#AlmadaEconomia

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.