Tag: cibersul

CDU Almada apresenta candidatos à Câmara e Juntas

16/7/2021 CDU -Almada

” Foram apresentados no dia 16 de Julho, no Laranjeiro, os primeiros Candidatos da CDU aos Órgãos Autárquicos do Concelho de Almada, Câmara Municipal, Assembleia Municipal e Juntas de Freguesia.”

Maria das Dores Meira, Câmara Municipal de Almada;

Bruno Dias, Assembleia Municipal de Almada;

Margarida Luna de Carvalho, Junta União de Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Cacilhas e Pragal;

Luís Palma, Junta União de Freguesias Laranjeiro e Feijó;

Hélder Lopes, Junta União de Freguesias da Caparica e Trafaria;

Eduardo Rosa, Junta União de Freguesias da Sobreda e Charneca de Caparica;

João Gato, Junta de Freguesia da Costa da Caparica.

CDU -Almada

Imigrantes: Pegões denuncia insalubridade e diz não querer ser uma segunda Odemira

Por Redação S+ Imagem DR -7 de Maio, 2021

Já foram identificados barracões agrícolas onde viviam 60 pessoas. Presidente da junta de freguesia diz que as autoridades estão avisadas da degradação das condições de vida desde dezembro.

A freguesia de Pegões, no concelho do Montijo, ameaça tornar-se numa segunda versão de Odemira, com uma parte significativa dos cerca de dois milhares de imigrantes asiáticos que ali trabalham em explorações agrícolas a viverem em alojamentos sobrelotados e sem condições de salubridade. A situação foi confirmada ao Semmais pelo próprio presidente da união de freguesias, que diz temer pela segurança de todos os residentes e que afirma esperar, desde de dezembro último, que o Estado ponha termo às situações identificadas e já denunciadas.

“Em dezembro, depois de uma rixa entre paquistaneses, com vários feridos e que obrigou à presença do Corpo de Intervenção da GNR, a Assembleia Municipal aprovou por unanimidade uma moção que foi enviada a todas as entidades com responsabilidades, dando conta da degradação das condições de vida em Pegões destas pessoas. Até hoje, apesar de várias reuniões, parecem que todos tentam sacudir o problema. Nada está resolvido”, contou ao Semmais o presidente António Miguéis.

A versão do presidente da união de freguesias é, de resto, diferente da do presidente da Câmara Municipal do Montijo, Nuno Canta, que ao nosso jornal confirmou a realização de diversas operações com funcionários municipais, da freguesia, da Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT) e da GNR, dando conta de que tinham sido identificadas algumas situações de pessoas a viverem em casas sem condições de habitabilidade, mas que o caso não era preocupante.

“O que eu constato é que vivemos uma Pegões uma situação muito parecida com a de Odemira. A diferença é no número de pessoas”, refere por sua vez António Miguéis, estimando que sejam cerca de 2.000 os asiáticos (paquistaneses, indianos e nepaleses) que vivam na freguesia. Já Nuno Canta, referindo-se à comunidade imigrante, estimou-a em “pouco mais de um milhar”.

Casas esventradas para aumentar capacidade de alojamento

O presidente da União de Freguesias de Pegões e Santo Isidro diz que, na sequência de diversas ações de fiscalização que têm sido efetuadas, até foram encontradas na localidade algumas habitações cujas paredes terão sido derrubadas para assim se obter mais espaço.

“Vi o que não esperava. Há casas com o interior esventrado. Numa delas, com cerca de 80 metros quadrados, foram identificadas 26 pessoas que ali residiam. Têm sido vários os casos em que, dentro da vila, encontramos casos onde vivem oito, dez e até 18 pessoas. Além disso, em alguns barracões agrícolas, já foram encontrados mais de 20 residentes. Num caso havia alguns 60”, disse António Miguéis.

O autarca de Pegões refere, por outro lado, que a situação que se vive na localidade é, em parte, consequência da própria atuação dos arrendatários. “Existe um claro aproveitamento dos proprietários, que não olham a meios para atingirem os fins”, refere. “Já encontrámos pessoas não licenciadas ou registadas pela junta a habitar em casas onde não existem condições. Está tudo ao monte”.

Nuno Canta, por sua vez, admite que “por vezes surgem algumas situações que são averiguadas”, salientando, no entanto, que “não há exemplos de grandes problemas”. O autarca do Montijo entende que as operações de fiscalização que têm sido realizadas “não são de repressão e não acontecem devido a situações que possam estar a ocorrer noutras zonas do país”. “Estas operações são antes uma prática comum no município e que visam detetar e identificar problemas relacionados com questões de saúde (Covid-19) ou de falta de condições nas habitações”.

“Já temos imigrantes que alugam eles próprios casas a outros imigrantes. Cobram entre 100 e 120 euros por mês por cabeça. No caso dos arrendatários portugueses, o preço pode ser um pouco mais baixo”, afirma o autarca de Pegões, referindo que também já aconteceu terem sido localizados, no lugar de Figueiras, alguns imigrantes que tinham contraído Covid-19. “Ficaram confinados e recebiam comida de uma instituição de solidariedade”, explicou.

Canta defende que mão de obra é “essencial”

O presidente da câmara do Montijo entende que a situação da comunidade asiática residente no concelho está devidamente identificada e acompanhada pelos serviços autárquicos e da freguesia, mas também pela GNR e ACT. “Não podemos esquecer que estas pessoas que aqui vivem são essenciais para o concelho, do mesmo modo que são essenciais para o país”, referiu. Nuno Canta diz que se não fossem os imigrantes asiáticos, o setor agrícola, nomeadamente no que se refere às explorações hortícolas e frutícolas, que são particularmente fortes no Montijo, não teriam a atual dimensão. “Estas pessoas são necessárias à produção nacional. As suas condições de vida, nomeadamente as de habitabilidade, são um problema que em grande parte é responsabilidade de quem arrenda as casas. O que sabemos é que quando existe alguma queixa ou suspeita, a GNR é chamada a intervir e depois procede à notificação do proprietário”, afirmou.

Câmara de Sesimbra reúne com moradores do Bºda Boa Água na Quinta do Conde

2 de MAio 2021

Decorreu na manhã de 2 de maio uma reunião entre a autarquia e os moradores do bairro da Boa Água, na Quinta do Conde, onde vivem 47 famílias, para explicar as obras de requalificação do espaço público que estão em curso assim como as intervenções previstas para os blocos de habitação.

Os trabalhos de melhoria do espaço público que estão a ser feitos entre os edifícios incluem a colocação de mais bancos, plantação de oliveiras e criação de canteiros com plantas como alecrim ou rosmaninho.Numa segunda fase, que deverá ter início brevemente, avançarão as obras nos edifícios de habitação, nomeadamente o isolamento e pintura das fachadas dos seis blocos. «Vamos ainda substituir, reparar e isolar as coberturas para evitar infiltrações», adiantou o vereador com o Pelouro das Obras Municipais, Sérgio Marcelino.

Presente neste encontro, a vereadora com o Pelouro da Ação Social e Habitação, Felícia Costa, acrescentou que a autarquia deverá apresentar uma candidatura, no âmbito Plano de Recuperação e Resiliência, para financiamento da construção de 71 novos fogos de habitação social na zona da Ribeira do Marchante e um bloco no Conde 1.

Veja mais em ::::> Câmara Municipal de Sesimbra 

Uma noite diferente

Almada 24 de Abril 2021

União das Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas

A Sessão Solene Comemorativa dos 47 anos do 25 de Abril, realizou-se às 16h00 de hoje na Escola Secundária Cacilhas-Tejo. Esta Sessão Solene contou com as intervenções dos Presidentes da União das Freguesias e da Mesa da Assembleia, de vários eleitos da Assembleia das Freguesias de Almada, Cova da Piedade, Pragal e Cacilhas e do Comandante Manuel Carvalho representante da Associação Conquistas da Revolução. Estiveram também presentes representantes de várias Associações e Instituições. Seguidamente assistimos a um excelente concerto de Tributo a Zeca Afonso, “Zeca Diferente”.

Se não teve oportunidade de assistir em directo poderá ver aqui: https://youtu.be/I6TWAFytFMY

25 de Abril Sempre! Fascismo Nunca Mais!

Voluntárias distribuíram bens alimentares a doentes retidos em ambulâncias no Hospital Garcia de Orta

21 de Janeiro 2020

Quatro voluntárias distribuíram bens alimentares e águas aos operacionais e doentes, à porta do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Quatro voluntárias distribuíram ontem bens alimentares e águas aos operacionais e doentes que estiveram várias horas retidos nas ambulâncias, à porta do Hospital Garcia de Orta, em Almada.

Os Bombeiros Voluntários do Seixal agradeceram pela ação solidária: “A estas voluntárias, e a muitos outros voluntários como elas, o nosso muito obrigado”.

Veja mais em ::::> Diário do Distrito

Eleições Presidenciais 2021

17 de Janeiro 2021

ALMADA

José João Pires

“Fila enorme no Pavilhão Municipal de Almada para votar presidenciais antecipadamente. Não posso ir cortar o cabelo por marcação ao Ze Barbeiro e para aqui já se pode andar em fila até ao cimo da rua! Porque não adiaram as eleições?Sou crítico tal como nas baldas pelo Natal que deu no que deu! Depois não se queixem! Haja coerência!”

Ermelinda Toscano

“Voto antecipado em mobilidade no concelho de Almada. Muitas dezenas, muitas mesmo, numa fila enorme durante a manhã. Era assim às 10:30H e agora às 12:15H ainda está pior. Desisti de votar hoje. Deve ser mais descansado no próximo domingo.”

Ana Bely Mayan

https://www.facebook.com/100009224416910/videos/2797984607185659

Paulo Gomes

https://www.facebook.com/paulo.gomes.315428/videos/3558950614222143

Helder Pereira

Pedro Guerreiro

“São 18:30 da tarde isto está assim desde manhã para votar.fds para o António costa”

SEIXAL

Carlos Dias

“É vergonhoso este cenário. Uma autêntica falta de civismo e de consciência nesta situação de Estado De Emergência… Voto antecipado nas instalações da CMS.
Vai Ficar TUDO BEM ( Só que NÃO)”

Cristina Pereira

Não entendo explicação para este disparate.Votar antecipadamente no pico da 3a vaga Covid19 e o cenário é este junto à CM Seixal.Impedir propagação de vírus é tarefa impossível perante comportamentos como este. Por mais leis, regras, restrições, os números da pandemia em Portugal não reduzirão nem se evitará a ruptura do SNS previsto para muito breve. Apenas o comportamento individual que fará a diferença, e, definitivamente, aqui não está correcto”

Pedro Filipe Tomás

“Felizmente o vírus é um peão e só se desloca para a frente… há civismo e respeito pelas regras por parte dos eleitores que guardam a distância na fila. Contudo, faltou a esta assembleia de voto contemplar que se as filas são lado a lado também as pessoas ficam a escassos centímetros umas das outras…”

MONTIJO

Helder Simoes

Eleitores de Palmela queixam-se de falta de organização

ão várias as pessoas do concelho de Palmela que solicitaram ao abrigo do voto antecipado, a reclamar das longas filas na única mesa de voto que foi instalada na Escola Preparatória Hermenegildo Capelo, em Palmela.

Os relatos estão a ser deixados nas redes sociais com as fotografias e onde informam que estão desde as 10h30 numa fila indeterminável para que possam votar antes do próximo domingo, 24 de janeiro.

vEJA MAIS EM ::::>Diário do Distrito

Cova da Piedade falha jogo: “Antes perder três pontos do que alguém perder arriscar a vida”

Clube da região de Almada tem 18 infetados com covid-19, 15 jogadores e três funcionários. Liga não adiou jogo com o Estoril desta sexta-feira e eles ameaçam com tribunal.

polémica está instalada. O Cova da Piedade tem 15 jogadores infetados com covid-19 (mais três funcionários) e vai falhar o jogo com o Estoril, da oitava jornada da II Liga, marcado para esta sexta-feira, às 13.30. A Liga Portugal diz que não têm justificação válida para falhar o jogo e o diretor geral, Edgar Rodrigues, respondeu assim: “Antes perder três pontos do que alguém perder arriscar a vida.”

O plantel almadense está em isolamento devido às infeções pelo novo coronavírus, mas segundo a Liga Portugal não pediu para adiar o jogo. “O pedido de ausência justificada do Cova da Piedade não tem cabimento regulamentar“, disse à agência Lusa a diretora de competições da Liga Portugal, Helena Pires.

A instituição que rege os campeonatos confirmou que recebeu informação da Delegada de Saúde de Almada e Seixal, Lina María Hernánez, sobre o isolamento profilático do plantel inteiro, mas isso não é suficiente. “Este não é o procedimento protocolado, e que levou ao não adiamento de outros jogos. Este é um caso diferente, em que a Liga, neste momento, ainda não sabe o que vai acontecer. Sabemos que três horas antes do jogo o Cova da Piedade tinha de entregar os atestados de aptidão médica dos jogadores e não o fez“, frisou Helena Pires.

veja mais em :::> Diário de Notícias

Lazaredo e Torre Velha vão ser empreendimento turístico

21 de Setembro 2020

Reunião da Câmara Municipal de Almada

Porto Brandão vai ter unidade turística de 5 estrelas

Lazaredo e Torre Velha vão ser empreendimento turístico

-21 de Setembro 2020Reunião da Câmara Municipal de AlmadaPorto Brandão vai ter unidade turística de 5 estrelas108 apartamentos turísticosConjunto residencial de 65 fogosReabilitação paisagistica da propriedadeÁrea total de 10 hectaresO objectivo é requalificar o antigo asilo 28 de MaioRequalificar toda a prorpiedade num projeto assente em programas de construtão sustentável inclui a criação de espaços de fruição pública e recuperação das plantações vinícolas e espécies autoctonias do concelho

Publicado por Almada 2020 em Segunda-feira, 21 de setembro de 2020

108 apartamentos turísticos

Conjunto residencial de 65 fogos

Reabilitação paisagistica da propriedade

Área total de 10 hectares

O objectivo é requalificar o antigo asilo 28 de Maio

Requalificar toda a prorpiedade num projeto assente em programas de construtão sustentável inclui a criação de espaços de fruição pública e recuperação das plantações vinícolas e espécies autoctonias do concelho

Como podem ser diferentes e antagónicas as práticas municipais

3 de Setembro 2020
António Matos

Terrenos públicos e o desporto na região.

Da cedência aos clubes como prática generalizada, à sua venda aos clubes, como medida inusitada.
Ou como podem ser diferentes e antagónicas as práticas municipais. O exemplo de Setúbal e Almada.
Ponto de partida para um debate?!
A Presidente da Câmara Municipal de Setúbal anunciou ter sido dado o passo final para garantir a posse do estádio do Bonfim ao adquirir em hasta pública, por um milhão e meio de euros, os direitos de superfície colocados à venda no âmbito do processo de insolvência da empresa que foi detentora destes direitos.
Apesar de a aquisição ter sido realizada, formalmente, pelo valor indicado, a autarquia não teve de pagar qualquer quantia e fica ainda com um crédito remanescente de cerca de 600 mil euros, uma vez que já tinha na sua posse direitos no valor de mais de 2,1 milhões adquiridos ao BCP em julho.
A cidade e clube ficam assim com a garantia de que o estádio, ainda que, e sempre, na posse plena do município, poderá continuar a ser utilizado para a finalidade para que foi construído pelos setubalenses e o Vitória fica livre da preocupação de perder o seu histórico campo em qualquer operação imobiliária especulativa.
Em Almada, a Câmara vende ao Almada Atlético Clube o terreno do seu campo n° 2, por 300 000 euros, terreno que estava cedido ao clube em direito de superfície, e com esta venda impede a concretização de um audacioso projeto de revitalização e relançamento do histórico clube almadense.
Estas posições – a primeira sendo prática da generalidade das Câmaras, mas sendo invulgar pelos valores em presença – e a segunda por ser uma prática nunca havida em Almada e inusitada em Portugal – poderão ser pontos de partida para um debate necessário.
Que pensa quem está ligado ao movimento associativo?

Veja mais em :::>António Matos

Alhos Vedros em festa em tempos de Covid

A paróquia de S. Lourenço de Alhos Vedros não quis deixar passar em branco a data de celebração da Padroeira Nossa Senhora dos Anjos. Muito embora bastante condicionada pela evolução do estado de pandemia que a todos nos afecta, o assinalar da data foi realizado com uma celebração religiosa, uma missa campal também ela condicionada e regrada pelas recomendações da Direção Geral de Segurança. Fruto de colaboração entre a Proteção Civil da Moita Luís Chula – Vereador Proteção Civil e representantes da Paróquia, as regras e recomendações foram implementadas no terreno e a celabração foi levada a efeito, tendo a maioria dos participantes sido distribuída pelo espaço, convidada a dar o exemplo comunitário que precisamos para debelar este mal e contribuir para que esta luta seja efectivamente de todos. Para o ano esperamos sinceramente conseguir festejar de forma diferente. Obrigado a todos quantos colaboraram para que este assinalar de data, ainda que simbólico, fosse gerido com a normalidade possível.

Veja mais em ::::> https://www.facebook.com/PorAlhosVedros/posts/3557673267599370

Seo wordpress plugin by www.seowizard.org.